3/30/2013

Uma tríplice benção {esboço de sermão}

Uma tríplice benção {esboço de sermão}

Texto: Apocalipse 1:3

Introdução: O lugar, quem escreveu e sob que circunstâncias.

I – Bem-aventurado o que lê.

1. Há diferença entre ler e ler.

a) Há muitos que lêem e nada compreendem.

b) Outros lêem e não assimilam.

2. Os que assimilam, aprendem a temer a Deus. – Deuteronômio 17:18, 19; Jeremias 15:16.

3. Devemos examinar e entender as Escrituras. - Atos 8:30; João 5:35.

a) O exame sincero produz luz e entendimento. – Salmo 119:130.

4. Não examinando, estamos sujeitos ao erro, – Mateus 22:29.

a) Os judeus rejeitaram a Jesus por não lerem as Escrituras. – Lucas 24 :25-27.

II – Bem-aventurado o que ouve.

1. Há diferença entre ouvir e ouvir.

a) Há pessoas que ouvem só com os olhos.

b) Outras ouvem, mas não procuram entender o que ouvem.

e) Estes são inconstantes. – Tiago 1:22-25.

2. A fé vem pelo ouvir. – Romanos 10 :17.

3. Será bem-aventurado o que ouve e compreende. – Provérbios 8:34; Mateus 13:23.

III – Bem-aventurado o que guarda.

1. Pouco adiantará se lermos e ouvirmos mas não guardarmos. Tiago 1:22-24.

2. Deus requer obediência restrita à Sua Palavra. - I Samuel 15:22; Romanos 2:13.

3. Guardando Sua Palavra, somos abençoados. – Êxodo 19:5; Tiago 1:25.

a) O que disse Jesus aos mariólatras. – Lucas 11:27, 28.

4. Os que guardam a Palavra do Senhor estão edificados sobre a Rocha dos Séculos. – Mateus 7:24; Eclesiastes 12:13.

Os quatro degraus da queda de Pedro [sermão]

Os quatro degraus da queda de Pedro [sermão]

Texto: “Ele, porém, respondeu: Senhor, estou pronto a ir contigo, tanto para a prisão como para a morte. Mas Jesus lhe disse: Afirmo-te, Pedro, que, hoje, três vezes negarás que me conheces, antes que o galo cante” (Lucas 22.33, 34).

Introdução: Antes de Pedro tornar-se um apóstolo cheio do Espírito Santo, um pregador ungido e um líder eficaz, revelou sua fraqueza e chegou ao ponto de negar a Jesus. Pedro caiu, suas lágrimas foram amargas, mas sua restauração foi completa. A queda de Pedro passou por alguns estágios. A seguir, mostraremos os quatro degraus de sua queda.

1. Autoconfiança
“Ele, porém, respondeu: Senhor estou pronto a ir contigo, tanto para a prisão como para a morte” (Lucas 22.33).
Quando Jesus alertou Pedro acerca do plano de Satanás de peneirá-lo como trigo, Pedro respondeu que estava pronto a ir com Ele tanto para a prisão como para a morte. Pedro subestimou a ação do inimigo e superestimou a si mesmo. Ele pôs exagerada confiança no seu próprio “eu”, e aí começou sua derrocada espiritual. Este foi o primeiro degrau de sua queda.
Estamos vivendo o apogeu da psicologia de autoajuda. As livrarias estão abarrotadas de obras que nos ensinam a confiar em nós mesmos. O cristianismo diz exatamente o contrário. Somos fracos e limitados. Não podemos andar escorados no bordão da autoconfiança. Precisamos mais da ajuda do alto do que a autoajuda.

2. Indolência
“Levantando-se da oração, foi ter com os discípulos, e os achou dormindo de tristeza, 46e disse-lhes: Por que estais dormindo? Levantai-vos e orai, para que não entreis em tentação” (Lucas 22.45, 46).
O mesmo Pedro que prometeu fidelidade a Cristo e a disposição de ir com ele para a prisão e a morte, agora está cativo do sono no jardim do Getsemani no auge da batalha. Faltou-lhe a percepção da gravidade do momento. Faltou-lhe vigilância espiritual. Estava entregue ao sono em vez de guerrear com Cristo contra as hostes do mal. A fraqueza espiritual de Pedro fê-lo dormir e, ao dormir, fracassou no teste da vigilância espiritual.
As palavras de Pedro eram de confiança, mas suas atitudes, trôpegas. Promessas desprovidas de poder evaporam na hora da crise. O sono substituiu a autoconfiança. O fracasso se estabeleceu no palco da arrogância.

3. Precipitação
“Um deles feriu o servo do sumo sacerdote e cortou-lhe a orelha direita” (Lucas 22.50).
Quando os soldados romanos, liderados por Judas Iscariotes e pelos principais sacerdotes, prenderam a Jesus, Pedro sacou sua espada e cortou a orelha do servo do sumo sacerdote. Sua valentia era carnal. Porque dormiu e não orou, entrou na batalha errada, com as armas erradas e a motivação errada. Pedro deu mais um passo na direção da queda. Ele deslizou mais um degrau rumo ao chão. Nossa luta não é contra carne e sangue. Precisamos lutar não com armas carnais, mas sim com armas espirituais.
Precisamos entrar nessa guerra com os olhos no céu e os joelhos no chão. Precisamos despojar-nos da autoconfiança para recebermos o socorro que vem do alto.

4. Seguia a Jesus de longe
“Então, prendendo-o, o levaram e o introduziram na casa do sumo sacerdote. Pedro seguia de longe” (Lucas 22.54).
Depois que Cristo foi levado para a casa do sumo sacerdote, Pedro mergulhou nas sombras da noite e seguia a Jesus de longe. Sua coragem desvaneceu. Sua valentia tornou-se covardia. Seu compromisso de ir com Jesus para a prisão e a morte foi quebrado. Sua fidelidade incondicional ao Filho de Deus começou a enfraquecer. Não queria perder Jesus de vista, mas também não estava disposto a assumir os riscos de sua ligação com Ele.
Ainda hoje há muitos crentes seguindo Jesus de longe. Ainda guardam certo temor de Deus, mas ao mesmo tempo anestesiam a consciência vivendo em práticas erradas. Dizem-se seguidores de Cristo, mas seus pés estão fincados nas sendas sinuosas que desviam do caminho da verdade. Dizem amar a Deus, mas suas atitudes e obras provam o contrário. Estão na igreja, mas ao mesmo tempo, estão no mundo. Frequentam os cultos, mas o coração está longe do Senhor.

Conclusão: Ao olharmos para a vida de Pedro, estamos diante do espelho. Muitas vezes somos como Pedro. Mostramos autoconfiança, não oramos, somos precipitados e, seguimos Jesus de longe. Todavia, não podemos perder o foco. O Eterno não desiste de nós, assim como não desistiu de Pedro. Como diz o lindo cântico: “Eu quero voltar ao primeiro amor”! Que seja assim, para a glória Dele. Amém!

Pr. Marcelo Oliveira

Não Basta! [esboço de sermão]

Não Basta! [esboço de sermão]

Texto: “Ora, ensinava Jesus no sábado numa das sinagogas. E veio ali uma mulher possessa de um espírito de enfermidade, havia já dezoito anos; andava ela encurvada, sem de modo algum poder endireitar-se. Vendo-a Jesus, chamou-a e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade; e, impondo-lhe as mãos, ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus. O chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que se deve trabalhar; vinde, pois, nesses dias para serdes curados e não no sábado. Disse-lhe, porém, o Senhor: Hipócritas, cada um de vós não desprende da manjedoura, no sábado, o seu boi ou o seu jumento, para levá-lo a beber? 16Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos? (Lucas 13.10-16).

Introdução: Hoje, vamos estudar sobre a história de uma mulher que vivia enferma já há dezoito anos sem de modo algum poder endireitar-se, contudo, esta mulher vivia numa sinagoga (igreja). Era filha de Abraão (herdeira das promessas), mas ainda assim, andava encurvada e oprimida, sua alma não era livre para servir e adorar ao Senhor Jesus.

Precisamos ter uma alma livre para viver e servir ao Senhor.

1. Não basta dizermos que somos crentes, precisamos ser libertos!
“E veio ali uma mulher possessa de um espírito de enfermidade, havia já dezoito anos; andava ela encurvada, sem de modo algum poder endireitar-se” (v.11).

2. Não basta dizermos que somos salvos ou filhos de Abraão, precisamos ser curados e cheios do espírito santo!
“Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos?” V. 16

3. Não basta dizermos que frequentamos uma igreja e participamos de um culto, precisamos ser verdadeiros adoradores!
“e, impondo-lhe as mãos, ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus” (v.13).
Observamos que Jesus, ao entrar naquela sinagoga não se preocupou com a tradição, o legalismo, e a formalidade da sinagoga, mas diz o texto que ele viu a aflição e o jugo que estava sobre aquela mulher “O chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que se deve trabalhar; vinde, pois, nesses dias para serdes curados e não no sábado” (v.14),

Com base nisto entendemos que:

a. Jesus está interessado nas nossas vidas.
“Vendo-a Jesus, chamou-a e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade” (v.12).
b. Jesus Tem poder para nos endireitar em toas as áreas.
“eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10.10b).
c. Jesus quer nos dar uma alma livre para adorá-lo.
Quando a mulher se endireitou ela deu Glória a Deus! “e, impondo-lhe as mãos, ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus” (v.13).

Conclusão: Se estivermos vivendo uma vida dessa forma, uma vida limitada, é hora de mudarmos. O que devemos então fazer?
1. Ouvir a voz de Jesus (Jesus chamou àquela mulher, ela foi curada).
2. Tomar uma atitude (a mulher tomou uma atitude – endireitou-se).
3. Dar glória a Deus (o louvor é a base para uma vida de otimismo e vitória).

Prs. Paulo Cezar Martins & Cleir Maria Fernandes Martins

A Bíblia, sua inspiração e seu valor [Esboço de sermão]

A Bíblia, sua inspiração e seu valor [Esboço de sermão]

Introdução: A linguagem hebraica foi a dos hebreus, ou israelitas, durante o tempo de sua independência. – Este povo era conhecido por Hebreu ou Judeu, e não pelo nome de Israelita. – Com a queda de Samaria, em 722 A.C., extinguiu-se a língua falada e foi substituída pela aramaica – de Aram.

O aramaico, como o hebraico, é de origem semítica – Babilônia, Assíria; foi a linguagem falada por Cristo e seus discípulos.

I – O que a Bíblia diz de si mesma.

1. Diz ser a Palavra de Deus. - II Samuel 23:2; Jeremias 1:9; Ezequiel 3:4.

2. Diz ser a verdade. - João 17:17; 10:35.

3. O Espírito Santo dirigiu a mente dos homens de Deus para escrevê-la. - I Coríntios 2:13; II Pedro 1:20,21; Hebreus 1:1,2.

II – Ela é uma palavra viva. - I Pedro 1:23; Hebreus 4:12.

1. Dá vida. - João 11. - A criação. - João 1:1-4.

a) Aparentemente não há vida no grão de milho ou feijão.

Assim é com a Palavra.

2. É continuamente nova. Outros livros ficam velhos mas Ela é sempre nova.

3. Não se pode destruir. – As perseguições e fogueiras. Os martelos e a bigorna. Voltaire.

4. É fácil de se adaptar. – Salmo 119:130.

5. Cresce. – Mateus 13:1-13; Atos 6:7.

6. Transforma a vida - Madalena.

7. Transforma nações - Inglaterra, China etc.

III – Como deve ser lida.

1. Dedicar-lhe um tempo certo cada dia.

2. Estudá-la com reverência - João 8:47; Lucas 8:47 - e pedir sempre o auxilio do Espírito Santo para podermos compreendê-la. - João 14:26.

3. Lê-la com um lápis na mão.

4. Procurar tirar um proveito pessoal da leitura.

A infalibilidade da Bíblia [Esboço de sermão]

A infalibilidade da Bíblia [Esboço de sermão]

Texto: Josué 23:14-16

Introdução: A confiança de um povo do passado na Palavra, a ponto de entregar as suas vidas etc.

Qual o motivo que o levou a tanto?

Estaria certo ou errado?

I – O cumprimento do que Deus dissera de Israel. - V. 14.

1. Enquanto andava nos caminhos de Deus, tudo corria bem a Israel. - V. 15.

2. Desviando-se, vinha o mal. - V. 16.

3. Mas Israel apostatou e o resultado foi a sua rejeição e dispersão entre as nações. – Deuteronômio 28:64.

II – O cumprimento das Escrituras à luz da história.

l. O sonho de Nabucodonosor e os quatro reinos ou monarquias universais. – Daniel 2:1; 26-44.

III – O cumprimento das profecias de Cristo - Mat. 24.

1. A destruição de Jerusalém - Vs. 1, 2 - no ano 70 A.D.

2. A grande tribulação. - V. 9. Refere-se à inquisição durante os séculos passados - Espanha, Portugal etc. Morreram 50 milhões.

3. Guerras. - Vs. 6 e 7.

a) As guerras de hoje não são de conquista, mas de extermínio aterrador.

4. Fomes – assolam todo o mundo.

5. Pestes – nos homens, animais e vegetais.

6. Sinais no mundo social. - II Timóteo 3:1-5.

IV – Tudo passa, a palavra permanece infalível.

1. O cumprimento exato das profecias é um desafio que Deus lança à incredulidade.

2. A PALAVRA é uma luz nas trevas. - II Pedro 1:19.

3. É uma bússola segura que aponta para o céu.

4. Quem se deixar guiar por Ela terá a vida eterna. – Apocalipse 3:20.

A Formação de um Valente [Esboço de Sermão]

A Formação de um Valente [Esboço de Sermão]


Texto
: “Davi disse a Saul: Não desfaleça o coração de ninguém por causa dele; teu servo irá e pelejará contra o filisteu. Porém Saul disse a Davi: Contra o filisteu não poderás ir para pelejar com ele; pois tu és ainda moço, e ele, guerreiro desde a sua mocidade. Respondeu Davi a Saul: Teu servo apascentava as ovelhas de seu pai; quando veio um leão ou um urso e tomou um cordeiro do rebanho, eu saí após ele, e o feri, e livrei o cordeiro da sua boca; levantando-se ele contra mim, agarrei-o pela barba, e o feri, e o matei. O teu servo matou tanto o leão como o urso; este incircunciso filisteu será como um deles, porquanto afrontou os exércitos do Deus vivo” (1 Samuel 17.32-36).

1. Um valente é formado em simplicidade e nas coisas simples.
"Perguntou Samuel a Jessé: Acabaram-se os teus filhos? Ele respondeu: Ainda falta o mais moço, que está apascentando as ovelhas. Disse, pois, Samuel a Jessé: Manda chamá-lo, pois não nos assentaremos à mesa sem que ele venha" (1 Samuel 16.11).
O preparo de Davi se deu no campo. Enquanto apascentava as ovelhas, ele orava, tocava sua harpa (adorava) e expulsava os predadores.

2. Um valente é confirmado não pela sua capacidade ou treinamento, mas pela “Unção” que traz sobre ele e o “Controle do Espírito”.
"Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer" (João 15.5).
"quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir" (João 16.13).
O treinamento de uma valente objetiva a sua rendição incondicional ao Espírito Santo.

3. Um valente é um (a) homem (mulher) de caráter. Adorador, Intrépido, Indomável contra o inimigo, Ousado na Palavra e tratável para com todos "Então, respondeu um dos moços e disse: Conheço um filho de Jessé, o belemita, que sabe tocar e é forte e valente, homem de guerra, sisudo em palavras e de boa aparência; e o Senhor é com ele" (1 Samuel 16.18).

4. Um valente preserva seus ensinos, nunca se esquece do seu treinamento.
A Unção veio sobre Davi, mas em todas as circunstâncias não deixava o cuidado das ovelhas.
A Unção não nos exalta, mas reaviva sempre a nossa formação e instrução, de onde saímos e quem cooperou na nossa trajetória e principalmente não nos desconecta do rebanho (1 Samuel 17.12-20).
- Jesus e Pedro – (João 21.15-17).
- O Zelo de Paulo – (Atos 20.28-30).

5. Um valente sabe conviver com incompreensões, afrontas e resistências.
Até mesmo quando essas dificuldades são encontradas entre os próprios irmãos (1 Samuel 17. 23-31).

6. Um valente nunca peleja com as armas e armaduras alheias.
O valente de Deus é autêntico, conhece suas limitações (“não posso andar com isso”) e sabe que o Deus que o livrou de tantas situações, continuará a livrá-lo de tantas outras - "Disse mais Davi: O Senhor me livrou das garras do leão e das do urso; ele me livrará das mãos deste filisteu. Então, disse Saul a Davi: Vai-te, e o Senhor seja contigo" (1 Samuel 17.37).

7. Um valente bem treinado sempre fará menção do nome do Senhor.
Revelando em quem está a sua confiança, sabendo que por esse nome não somente ele, mas todo o Povo de Deus mantêm-se em triunfo, subjugando os inimigos.
"O filisteu também se vinha chegando a Davi; e o seu escudeiro ia adiante dele" (1 Samuel 17.41).
Veja: Salmo 20.1-9; Provérbios 21.31.

Conclusão: “Assim Davi prevaleceu contra o filisteu, com uma funda e com uma pedra, e feriu o filisteu, e o matou sem que Davi tivesse uma espada na mão“ (1 Samuel 17.50).

Pr. Israel Carlos P. Teles

Determinação, a chave da vitória [esboços de sermões]

Determinação, a chave da vitória [esboços de sermões]

Texto: Êxodo 7, 8, 9,10 e 11

Introdução: É interessante e ao mesmo tempo estranhas as formas de Deus se manifestar na história humana; o que pra nós muitas vezes constitui-se num grande conflito e problema, para Deus significa apenas mais um ato da sua soberana vontade sobre nós. Muitas vezes encontramos dificuldades de entender os planos e propósitos de Deus nas nossas vidas, principalmente quando as coisas começam a dar errado, quando portas se fecham diante de nós, quando entramos num período de adversidades e tribulações.

O esperar em Deus para nós, muitas vezes constitui-se numa tortura psicológica, emocional e espiritual. Davi teve que aprender por diversas vezes a esperar no Senhor e crer na sua solução, ele não desistiu dos seus sonhos, mas aprendeu a perseverar em Deus. Salmo 42 e 62.

1. Deus poderia ter convencido a Faraó desde a primeira praga, mas Ele queria manifestar a sua glória e o seu poder nas terras do Egito e na vida de Moisés também. Moisés, já tinha se demonstrado fraco e cheio de evasivas em Midiã e incapaz de executar os planos de Deus. As dez pragas era um teste de perseverança para ele.

2. Outro fato digno de nota foi a história de Naamã registrada em 2º Reis 5. Ele recebeu uma direção de Deus, através do profeta Elizeu, para que se banhasse sete vezes no Rio Jordão. Ele poderia ser curado na primeira vez, mas Deus queria tratar o caráter de Naamã, por isso ele teve que fazer sete tentativas para receber o seu milagre.

3. Ainda podemos citar a história da conquista de Jericó por Josué, registrada em Josué 6, quando Deus mandou Josué rodear a cidade durante sete dias e no sétimo dia, sete vezes para que as muralhas de Jericó caíssem. Destarte, eles tentaram sete vezes para que Jericó fosse conquistada.

4. Pedro já havia tentado pescar durante toda a noite, imagine quantas vezes que ele já tinha lançado as redes! Mas quando Jesus deu a ordem para que ele lançasse as redes novamente, não hesitou, lançou novamente as redes e pescou uma grande quantidade de peixes, possivelmente, tenha sido a maior pesca de toda sua história. Lucas 5.1-11

5. Precisamos aprender a fazer novas tentativas ou a tentar várias vezes até que as portas se abram e as conquistas aconteçam. Não podemos dar crédito ao conceito racionalista que é o chamado: conceito das três tentativas. Muitas pessoas estão fracassadas e paralisadas na vida porque usaram estes argumentos: Já tentei três vezes, já perdoei três vezes, já falei com meu filho três vezes, Já tentei o vestibular, três vezes, já tentei estudar três vezes, já tentei salvar meu casamento três vezes, já tentei tal emprego ou negócio três vezes. Tal conceito não se trata de princípio bíblico, mas, mero racionalismo e filosofia humanista. Precisamos tentar quantas vezes for necessário para que as bênçãos venham até nós.

6. Thomas Edson tentou mais de 2000 vezes para conseguir a inventar a lâmpada elétrica. E quando alguém disse para ele: você fracassou! Ele respondeu: Não fracassei apenas descobri mais de 2000 formas de não se inventar a lâmpada elétrica.
Minha Mãe criou seis filhos e depois dos quarenta anos foi estudar, fez vestibular três vezes e não passou, mas não se deu por vencida. Na quarta tentativa ela passou. Estudou, se formou, trabalhou, fez mais de dez concursos e passou em quase todos eles, aposentou-se como funcionária pública estadual e até hoje continua tentando, está próspera e bem sucedida. Está melhor de vida do que alguns dos seus filhos.

7. A mãe de Beethoven, já tinha tentado gerar um filho por três vezes, e tinha sofrido três abortos, mas na quarta tentativa gerou um dos maiores músicos da história, chamado Beethoven.

8. Abraham Lincoln tentou dez vezes para chegar à presidência dos estados Unidos.

9. A Pastora Ludmila Ferber compôs um lindo cântico que diz: Não desista não pare de crer, os sonhos de Deus jamais vão morrer, não desista não pare de lutar, não pare de adorar, levanta os seus olhos e vê, Deus está restaurando seus sonhos e a sua visão. Aleluia! Lembre-se, Moisés tentou dez vezes para ter a solução de Deus, Naamã sete vezes, Josué sete vezes, Pedro inúmeras vezes. E você quantas vezes já tentou.

Conclusão: Creia que você não fracassou tudo que se passou com você até aqui, foram caminhos e situações determinadas por Deus para tratar o seu caráter e fazer de você um grande vencedor. Creia também que em todas as suas tentativas Deus sempre esteve e estará presente. Continue tentando até a benção chegar.

Pr. Paulo Cézar Martins

3/29/2013

Sete Advertências

Sete Advertências

Texto: Deuteronômio 6.1-19

Texto para memorização: “Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força” (Deuteronômio 6.4,5).

Introdução: Esse maravilhoso texto fala de princípios estabelecidos pelo Pai, que se observados trazem recompensas.

Vejamos abaixo:

1. Não se esqueça de Deus:
O Pai precisa estar em primeiro lugar em todas as áreas da vida de cada um de nós.
“Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força” (vs. 4,5).
“Havendo-te, pois, o Senhor, teu Deus, introduzido na terra que, sob juramento, prometeu a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, te daria, grandes e boas cidades, que tu não edificaste; e casas cheias de tudo o que é bom, casas que não encheste; e poços abertos, que não abriste; vinhais e olivais, que não plantaste; e, quando comeres e te fartares, 12guarda-te, para que não esqueças o Senhor, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão” (Dt 6.10-12).

2. Não ande em jugo desigual com os infiéis:
Jugo desigual: Fazer aliança com infiéis. Veja o que o Senhor diz em Isaias 42.8: “Eu sou o Senhor, este é o meu nome; a minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura”.
“Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?” (2 Co 6.14).

3. Não procure agradar as pessoas a qualquer custo:
Decida a dizer não para tudo o que é contrário aos princípios estabelecidos na Palavra de Deus. Muitos se perdem, pois se esquecem de que é de Deus que vem todas as coisas, que é Ele que abre e fecha portas, que dá a vida e pode tirar a vida e quem nos abençoa e procuram agradar a homens.
“Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo” (Gl 1.10).
“E enviaram-lhe discípulos, juntamente com os herodianos, para dizer-lhe: Mestre, sabemos que és verdadeiro e que ensinas o caminho de Deus, de acordo com a verdade, sem te importares com quem quer que seja, porque não olhas a aparência dos homens” (Mt 22.16).

4. Não se enrede nas filosofias humanas:
A Palavra de Deus é a nossa fonte de vida e sabedoria. Volte-se para o Pai e a sua Palavra.
“Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo” (Cl 2.8).
“Não vos deixeis envolver por doutrinas várias e estranhas, porquanto o que vale é estar o coração confirmado com graça e não com alimentos, pois nunca tiveram proveito os que com isto se preocuparam” (Hb 13.9).

5. Não se envolva com a idolatria:
A Idolatria é uma maldição e considerada por Deus como uma abominação (sentimento misto de ódio, desprezo e horror).
“Filhinhos, guardai-vos dos ídolos” (1 Jo 5.21).
“Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas” (Mt 6.24).

6. Não iluda a você mesmo:
Os dons espirituais usados com motivações erradas não têm qualquer valia diante de Deus. Construa em Deus, isto é, sobre a rocha, que é Cristo, a sua casa, sua vida, seus sonhos.
“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade. Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína” (Mt 7.21-27).

7. Não seja avarento:
A avareza sinaliza que o homem ama mais as posses deste mundo do que o doador de todas as coisas. Para Deus a avareza é idolatria, que é abominação.
“Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui” (Lc 12.15).
“Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria” (Cl 3.5).
“Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei” (Hb 13.5).

Conclusão: Tendo o Senhor como único Deus, amando a Ele com todas as forças, ensinando o seu amor aos filhos e não se esquecendo dele, teremos direito a um território e suprimento que jamais faltará. É a recompensa para os fiéis.

Pr. Josué Gonçalves

A autenticidade das Escrituras Sagradas

A autenticidade das Escrituras Sagradas

"A Tua palavra é a verdade." - João 17:17.

Introdução: Prova-se por duas espécies de evidências – externa e interna – a autenticidade da Palavra de Deus.

I – Evidência externa.

l. Sua antiguidade e resistência vencedora dos ataques dos inimigos em todos os tempos.

2. O bom caráter dos sagrados escritores. – Os milagres narrados que confirmam seu cunho de Palavra de Deus.

3. O cumprimento exato de suas profecias e predições.

4. Os eleitos produzidos por ela onde quer que seja conhecida.

5. O fato de ser prezada e estimada como tal pelos melhores homens.

II – Evidência interna.

1. Todo o seu conteúdo em nada contradiz a natureza ou a sã razão.

2. A Escritura revela muitas verdades importantíssimas que não poderiam ser reconhecidas pela natureza ou pela razão.

3. A pureza de suas doutrinas e preceitos.

4. A harmonia de suas partes.

5. A adaptação às condições dos homens.

6. A plena e perfeita descoberta que ela fez do único caminho da salvação.

7. A majestade do seu estilo.

8. Seu poder eficiente em convencer e despertar a consciência, converter e mudar o coração, vivificar os homens da morte espiritual, alegrá-los e confortá-los nos mais profundos infortúnios.

9. O escopo e o desígnio de glorificar a Deus e humilhar o pecador.

10. A experiência que sua verdade traz aos genuínos cristãos.

Nascemos para agradar a Deus

Nascemos para agradar a Deus

Texto: Apocalipse 4:11; Salmos 149:1-9 

Fomos planejados para agradar a Deus, fomos criados para louvor da Sua glória. No instante em que você nasceu neste mundo, Deus estava lá como testemunha invisível, sorrindo ao assistir seu nascimento. Ele quis que você vivesse, e sua chegada lhe deu enorme prazer. Deus é auto suficiente e não precisava nos criar, mas escolheu fazê-lo para a satisfação dEle e para que tenhamos a oportunidade da vida, da existência. Existimos para glória, propósito e prazer de Deus e para nosso benefício.

Dar satisfação a Deus, vivendo para seu prazer, é o primeiro pro­pósito de sua vida. Quando você tiver compreendido plenamente essa verdade, jamais voltará a se sentir insignificante, pois isso pro­va o valor que você tem. Se você é tão importante para Deus, e Ele o considera valioso o suficiente para mantê-lo consigo por toda a eter­nidade, que maior relevância você poderia alcançar? Você é um filho (a) de Deus e proporciona prazer ao coração dEle como nada mais que Ele já tenha criado. A Bíblia diz em Efésios 1:5: Deus já havia resolvido que nos tornaria seus filhos, por meio de Jesus Cristo, pois este era o seu prazer e a sua vontade.

Um dos maiores dons que Deus lhe deu foi a capacidade de apre­ciar o prazer da vida. Ele o dotou com cinco sentidos e emoções, para que você pudesse experimentá-lo. Ele deseja que você aprecie a vida, não se limitando a apenas suportá-la. O motivo pelo qual você pode sentir prazer é que Deus o fez à sua imagem e semelhança.

Nós nos esquecemos com frequência de que Deus também tem emoções. Ele possui sentimentos intensos. A Bíblia diz em Salmos 2:4 e 35:27, etc., que Deus sofre, fica irado contra o mal, sente compaixão, piedade, tristeza, bem como alegria, regozijo e satisfação. Deus ama, se deleita, sente prazer em ver seus filhos crescerem, exulta, desfruta e até mesmo ri!

Adorar desenvolve prazer no coração de Deus. A Bíblia diz em Salmos 147:11 que o Senhor se agrada muito daqueles que o adoram e confiam em seu amor. Qualquer atitude sua que venha agradar a Deus é um ato de adoração e isso move o céu na sua direção.

Os antropólogos que estuda a ciência que tem como objeto o estudo sobre o homem e a humanidade de maneira totalizante, ou seja, abrangendo todas as suas dimensões, perceberam que a adoração, que é a busca por Deus, é um impulso univer­sal, isto é, uma necessidade de todo ser humano não importando sua cultura, raça ou conhecimento. Este impulso foi posto por Deus na estrutura de nosso ser, uma necessidade in­trínseca de nos ligarmos a Ele. Por isso ado­rar deve ser tão natural quanto comer e respi­rar.

Quando não conseguimos adorar a Deus, sempre achamos um substitu­to, temos esta facilidade de buscarmos algo que no preencha, quando as pessoas não encontram a Deus, se voltam para si mesmas, fazendo de “tudo” para se sentir bem, para ser feliz e para ter paz, mas quero dizer que não existe vida plena, paz verdadeira e felicidade fora do Deus vivo, criador dos céus e da terra.

A bíblia diz em I Timóteo 2:5 que há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, que se fez homem. Jesus nos falou no Evangelho de João 14:6: Eu Sou O Caminho, a Verdade e a Vida, ninguém vem ao Pai senão por mim. Jesus Cristo é a única porta de acesso a Deus Pai, pois Cristo é o nosso redentor.

A razão pela qual temos esse desejo de busca por algo que nos preencha, é por que sem Deus estamos vazios, só Ele pode nos preencher, só a Sua presença nos faz plenos para a vida. Pelo fato de nos amar Ele procura por adoradores, pois o Seu prazer é nos ver adorando-o! Jesus disse em João 4.23: São estes os adoradores que o Pai procura, aqueles que o adorem em espírito e em verdade, isto é, aqueles que o fazem movidos pelo Espírito Santo, e não pela carne ou tradição. Por outro lado, quando adoramos a Deus na terra, no reino físico, Ele legalmente se manifesta mudando aquela geografia onde seu nome é exaltado através de louvores, declarações de fé e estilo de vida.

A adoração inclui elementos como louvores, cânticos e orações, os louvores são canais que nos ajudam a adorar, mas adoração vai muito além, é um estilo de vida. A adoração não é para você, é para Deus. Logicamente na adoração somos abençoados, ministrados, pois ministramos nosso amor ao coração de Deus e Ele nos toca, mas nossa motivação principal  deve ser glorificar e agradar ao nosso Criador.

O coração de Deus não é tocado pela tradição na adoração, mas pela paixão e pelo empenho. O Senhor diz em Isaías 29.13: “Esse povo se aproxima de mim com a boca e me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim...A adoração precisa ser movida pelo Espírito Santo, não é regra de homens que definem adoração, mas o nosso amor e desejo pela presença  dEle em nós.

A adoração não é parte de sua vida; ela é a sua vida. Não adore a Deus somente nos cultos na igreja, aqui na célula, pois nos foi dito: Procurem a ajuda do Senhor; estejam sempre na sua presença e Cantem glórias e louvem ao Senhor desde o nascer até o pôr-do-sol. Na Bíblia, as pessoas louvavam a Deus no trabalho, em casa, na batalha, na prisão e até mesmo na cama! Louvar deveria ser sua primeira atividade, assim que abrisse os olhos pela manhã, e sua última atividade, ao fechá-los à noite. O rei Davi disse nos Salmos 34.1: Eu agradecerei ao Senhor o tempo todo. Minha boca sempre o louvará.

Cada atividade pode ser transformada em ato de adoração, quando você a faz para louvar, glorificar e agradar a Deus. A Bíblia diz em 1 Coríntios 10.31: Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.

Como é possível fazer tudo para a glória de Deus? Ao fazer tudo como se estivesse fazendo para Jesus e mantendo uma conversa contínua com Ele durante sua atividade. A Bíblia diz em Colossenses 3.23: Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens.

Este é o segredo de um estilo de vida em adoração, fazer todas as coisas como se fosse para Jesus. A Bíblia nos revela que devemos Pegar a nossa vida diária e comum; nosso dormir, comer, trabalhar e passear e colocarmos diante do Senhor como uma forma de ofer­tar, isto é, minha oferta a Deus precisa ir além do dinheiro. O trabalho seja no reino de Deus (igreja) ou no trabalho secular torna adoração quando você o dedica a Deus e o realiza com alegria e consciente de Sua presença em você.

Quando nos apaixonamos por alguém que Deus coloca na nossa vida, pensamos nesta pessoa o tem­po todo: no café da manhã, dirigindo para o trabalho, assistindo às aulas, na fila do supermercado, abastecendo o carro, no Metrô, no trabalho, etc., simplesmente não con­seguimos parar de pensar na pessoa amada! Isso faz com que mesmo longe da pessoa, nos sentimos perto. Desta forma estaremos permanecendo no seu amor. Esta é a verdadeira adora­ção, apaixonar-se por Jesus permanecendo no seu amor, Ele busca por pessoas ardentes e fervorosas por sua presença e por sua Palavra.

É hora de voltar ao primeiro amor e as primeiras obras, Ele quer ver seu coração ardendo em sua presença, Ele quer tocar em você! Não permita ser roubado pelo inimigo, persevere em buscar ao Senhor!

Compartilhar: Como está seu amor por Cristo Jesus? Ardente ou frio? Vamos orar e declarar nossa fé nEle, confessando-o como nosso Senhor e Salvador?

Quando precisamos de um encontro com Deus

Quando precisamos de um encontro com Deus

Texto: Isaias 6.1-8, Lucas 18.14.

Introdução: A Bíblia é um livro que fala de muitos encontros, porém nenhum encontro é mais impactante e revolucionário do que o encontro do homem com Deus. É impossível sair deste encontro sem marcas profundas em todas as áreas da vida. Não foi diferente com Isaias.

1. Homens na Bíblia que tiveram um encontro com Deus.
a. Abraão (Gn 22.1-19).
b. Jacó (Gn 32.22-32).
c. Moisés (Ex 1-22).
d. Gideão (Jz 6.1-24).
e. Samuel ( 1 Sm 3.10,11).
f. Elias (1 Re 19.1-18).
g. Isaias (Is 6.1-8).

2. Todo encontro com Deus é individual.
a. É uma hora em que tem que se estar face a face com Deus.
b. Um momento em que não pode haver intermediários, sacerdotes ou intermediários.
c. É hora de solidão mais profunda para estar com Deus.

3. Quais são as evidencias que mostram a necessidade de termos um encontro com Deus.
Isaias era crente, frequentava o templo, ministrava profeticamente a Palavra, entregava mensagens sérias, no entanto precisava de um encontro com Deus. Por quê? Com a experiência de Isaias, aprendemos sobre quando precisamos deste encontro.

a. Quando apontamos com facilidade o pecado dos outros e não vemos o nossos próprios pecados. Por nove vezes Isaias disse: Ai deste, daquele, daquela, (Is 1.4; 3.9,10,11; 5.8,11,18,20,21,23).
a1. Tem cuidado de ti mesmo, disse Paulo a Timóteo (1 Tm 4.16).
a2. Examine-se o homem a si mesmo, disse para a igreja de Corinto (1 Co 11.28).
a3. Aquele dentre vós que estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra, disse Jesus aos fariseus (Jo 8.7).
a4. Para enxergar a si mesmo são necessários três coisas:
- Visão (olhos espirituais abertos).
- Luz (Espírito Santo).
- Espelho (Palavra).
b. Quando existe uma área em nossa vida que está sendo dominada pelo pecado.
“Estou perdido! Porque sou um homem de lábios impuros” (v.5). Olhos (Mt 6.28). Mente (Fl 4.8).
b1. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal (Rm 6.12).
b2. Os que estão na carne não podem agradar a Deus (Rm 8.8).
b3. Os que vivem segundo a carne caminham para a morte (Rm 8.13).
b4. Não deis lugar ao diabo (Ef 4.27).
c. Quando já não ouvimos a voz do Senhor.
“Depois disso, ouvi a voz do Senhor, que dizia:” (Is 6.8; Mt 13.17; Jo 10.3,4,27; Atos 10.13; 1 Co 14.10).
c1. Há muitas vozes no mundo (1 Co 14.10).
c2. Disse Jesus: “Eis que estou à porta e bato, se alguém ouvir a minha voz” (Ap 30.20).
c3. Surdez é o grande problema de muitos na igreja hoje.
c4. Quando somos tocados por Deus de forma purificadora ganhamos sensibilidade para ouvir a voz de Deus.

4. Por que este encontro mudou a vida de Isaias.
a. Ele contemplou a glória da Soberania do Senhor. Ele vislumbrou o Trono e Aquele que nele se assenta. “eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo” (v.1). A palavra trono aparece na Bíblia 230 vezes, 45 só no Apocalipse. Todos os grandes momentos de quebrantamento e certeza apaixonada, devoção profunda e compromisso com a santidade que já aconteceram na história da fé, em qualquer período, foram sempre porque o povo de Deus vislumbrou o Trono e temeu e tremeu diante dele.
a1. Visão que produz temor (Gn 31.42).
a2. Visão que produz ousadia (Misael, Ananias e Asarias diante de Nabucodonosor – Dn 3.16-18).
a3. Visão que produz esperança (Jó 2.10; 19.25).
a4. Visão que produz coragem: Davi (1 Sm 17.45-50).
a5. Visão que produz reverencia: Moisés (Ex 3.2-5).
b. Ele contemplou a glória da Santidade do Senhor.
b1. Todo encontro com Deus é uma chamada para santidade.
b2. É impossível ter esta experiência e não ser possuído por um desejo intenso de vida santa.
b3. Quem contempla a glória da santidade do Senhor não brinca mais com o pecado.
c. Ele contemplou a glória do Amor de Deus, e experimentou a graça do seu perdão.
c1. Um Deus soberano que domina sobre tudo e todos (Sl 103.19).
c2. Um Deus Santo que abomina o pecado (1 Pe 1.15,16).
c3. Um Deus perdoador que não resiste a um coração arrependido. “com a brasa tocou a minha boca e disse: Eis que ela tocou os teus lábios; a tua iniquidade foi tirada, e perdoado o teu pecado” (v.7).
“O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia” (Pv 28.13).
“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo 1.9).

Pr. Josué Gonçalves

Sete Atitudes de um Vencedor

Sete Atitudes de um Vencedor

Texto: Marcos 10.46-52

Introdução: O Texto nos apresenta a história de um homem cego, mendigo, que vivia sem esperança. Porém, num belo dia, ele teve um encontro com alguém muito precioso que mudou toda a sua história de vida. Esse alguém era Jesus Cristo.

Vejamos as sete atitudes do cego Bartimeu:

1. Clamou por sua misericórdia.
O Cego Bartimeu estava decidido em ter um encontro com Jesus, mesmo debaixo de repreensão ele gritou até ser ouvido pelo mestre.
“E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele cada vez gritava mais: Filho de Davi, tem misericórdia de mim!” (v.48).

2. Foi insistente e perseverante.
Venceu todos os obstáculos que a multidão e os discípulos de Jesus haviam colocado.
“Parou Jesus e disse: Chamai-o. Chamaram, então, o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, ele te chama” (v.49).

3. Tomou decisão de mudança.
Ele teve coragem para lançar de si a capa da sujeira, da incredulidade, do pecado etc.
“Lançando de si a capa...” (v.50a).

4. Atitude vitoriosa.
Levantou-se e deu um grande salto para a vitória, não ficou murmurando nem reclamando da vida, mas saltou de júbilo e alegria.
“levantou-se de um salto e foi ter com Jesus” (v.50b).

5. Foi objetivo.
Expressou com clareza o seu desejo.
“Perguntou-lhe Jesus: Que queres que eu te faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver” (v.51).

6. Ele teve fé para alcançar o milagre.
Não duvidou do poder de Deus e creu que em Jesus estava a solução que ele tanto procurava para por fim aos seus conflitos e problemas.
Ele recebeu a salvação - “Então, Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou” (v.52a).
Ele recebeu a cura – “E imediatamente tornou a ver” (v.52b).

7. Passou a seguir a Jesus.
Se quisermos ter uma vida vitoriosa, não podemos nos contentar apenas com os milagres de Jesus, mas devemos desejar fazer sua vontade e andar em sua presença.
“...e seguia a Jesus estrada fora” (v.52c).

Conclusão: Uma vida vitoriosa depende de decisões e atitudes corretas. Bartimeu não só ouviu que Jesus estava passando por aquela estrada, como decidiu em seu coração ter um encontro de transformação de vida com ele, e para isto, ele levantou-se e gritou até ser ouvido pelo mestre.
Decida e corra para Jesus hoje e receba a salvação e a transformação de sua vida.

Prs. Paulo Cezar e Cleir

A Bíblia é a Palavra santa de Deus

A Bíblia é a Palavra santa de Deus

Introdução: A Bíblia não é a palavra do homem, dos santos ou dos anjos, mas a Palavra de Deus. – Provas:

I – Sua franqueza e fidelidade.

l. A literatura – biografias e romances – exalta as boas qualidades mas não menciona os erros e as fraquezas de seus personagens. – Exemplos.

2. A Bíblia, porém, fala das virtudes e das faltas de seus personagens. – Exemplos.

II – Satisfaz as exigências da vida humana.

A humanidade acha nela o auxílio precioso em quaisquer circunstâncias da vida.

III – Sua unidade maravilhosa.

Escrita por cerca de 40 homens, separados uns dos outros por tempo, posição geográfica, educação, cultura, língua, posição social, profissão etc., é, contudo, harmoniosa!

IV – Superior a todos os dentais livros.

1. Universalmente lido. - Traduzido já em 1.181 línguas e dialetos!

2. O mais antigo e o mais moderno. – Sempre novo.

V – Sua preservação.

1. Livros famosos desapareceram ou perderam sua influência.

2. A Bíblia apesar de atacada pela incredulidade e perseguição, é sempre vitoriosa.

VI – Sua influência no mundo.

1. Nações onde não é conhecida e vice-versa.

2. Abençoa os lares; exalta a mulher; santifica o berço; regenera o homem. Seus frutos.

VII – Não evolui.

1. Religiões e doutrinas "progressivas". – Livros de ciência mudados.

2. A Bíblia não progride. – Não evolui. Não sofre mutação. É sempre a mesma. O Evangelho, sempre o mesmo.

VIII – O homem por si não a escreveria.

1. Como um simples homem não podia ter feito a rosa ou o pôr-do-sol, não podia, igualmente, ter escrito a Bíblia.

2. Suas ciência moral, poesia, revelações, profecias etc.

IX – Sua profundidade.

Inesgotável. – Insondável.

X – Revela o plano de Salvação.

1. Responde à pergunta mais importante: "Que farei para me salvar?"

2. Trata dos assuntos mais importantes de maneira a satisfazer o ignorante ou o erudito.

3. Seus temas, os mais exaltados: Deus, Cristo, o Espírito Santo, o homem, o pecado, a justiça, a salvação.

Declarando a Glória de Deus

Declarando a Glória de Deus

Texto: Salmo 19  

Introdução: Deus é glorioso; Ele é o Criador; deve ser glorificado por tudo e por todas as Suas criaturas. – Deus é poderoso, e manifesta o Seu poder constantemente e por toda parte. Deus é maravilhoso e as Suas obras são maravilhas...  

I – "Os Céus Declaram a Glória de Deus".

1. A ordem no universo prova a existência de Deus.

Tudo existe, tudo se move, tudo anda, tudo marcha, obediente: os mundos, as estrelas, os astros, cada um na sua órbita, na sua esfera de ação.

Ilustração: – Dois astrônomos, um com seu relógio na mão e outro com um lápis, anotavam hora, minuto e segundo em que apareceria a estrela. – Puseram-se em observação, olhando pelo telescópio possante, e nenhum ouviu o outro, pois os dois, ao verem o astro, falaram ao mesmo tempo.

Um grande cientista declarou: "A verdadeira ciência anda humildemente com Deus."

Um outro astrônomo falou comovido: "É impossível ser astrônomo e ateu ao mesmo tempo!"

2. As estrelas pelejaram contra Sísera". - Juízes 5:20.  

II – O Que Declara o Homem?

O homem é o único que anda fora da sua órbita e é o que devia ser e mais obediente. – "Criemos o homem à nossa imagem." – Gênesis 1:26: "Pouco abaixo dos anjos." – Hebreus 2:7, 8, 9.

1. O que declara o ébrio? A supremacia do copo, do álcool, a garrafa. Ele pensa que o mundo está andando; pensa que está coroado de honras, riquezas, quando está vestido em trapos...

Apetite sem Deus.

2. Que declara o assassino? Força brutal! "De que está cheio o coração fala a boca."

3. Glória da carne: Carnaval, orgia.  

Conclusão: - Que declara a minha vida?

"Templo do Espírito Santo." - I Coríntios 3:1-6.

a) Na cidade, nos negócios.

b) Em casa, com a família.

c) Na igreja, com os irmãos.  

"Que a nossa vida seja constantemente uma proclamação da glória de Deus."

3/28/2013

Mostrando-se Forte no Dia da Angústia

Mostrando-se Forte no Dia da Angústia

Texto: Provérbios 24.1-10

Introdução: O fracasso é uma experiência que faz parte da vida de qualquer ser humano. Todos nós já enfrentamos situações de fracasso, pois isto faz parte da vida de todos aqueles que desejam vencer. Por isso devemos enxergar o fracasso como uma oportunidade para encontramos o caminho da vitória confiando que o Senhor nos livra de todas as aflições: “Muitas são as aflições do justo, mas o SENHOR o livra de todas” (Salmo 34.19).

1. Sendo a pessoa certa no lugar certo
O profeta Jonas é um típico caso da pessoa certa que se colocou no lugar errado. Para Deus ele era a pessoa certa para anunciar a destruição da cidade de Nínive. Porém, ao invés de obedecer e se colocar no lugar certo, ele decidiu fugir demonstrando fraqueza diante da angustia.
Só depois que reconheceu o seu erro e confessou o seu pecado, Jonas restaurou a sua força e confiança em Deus, pois ele era a pessoa certa que precisava entender que o lugar certo era estar no centro da vontade de Deus.

Em todas as coisas e para todas as pessoas Deus tem um plano com missão, tempo e local. Por isso precisamos ser para Deus a pessoa certa no lugar certo e nunca nos desesperarmos diante dos momentos de lutas e aflições, pelo contrário, devemos nos mostrar fortes em todas as situações.

2. Tendo o objetivo e o foco certo
Deus criou cada pessoa com um objetivo e só alcançaremos este objetivo se nos submetermos aos propósitos que Ele traçou. Devemos agir como o ap. Paulo que não deixava que as situações adversas tirassem o seu ânimo, mas prosseguia para conquistar o prêmio reservado por Deus.” Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses 3.12-14).

Focar é priorizar e Jesus nos ensinou a priorizar o reino de Deus em nossa vida. Se fizermos isto, as outras coisas serão acrescentadas, veja Mateus 6.33: “Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. Infelizmente muitos tem se dispersado priorizando outras coisas em suas vidas e acabam enfrentando o fracasso. Por isso priorize sempre o Reino de Deus em sua vida.

3. Tendo compromisso e disposição
Compromisso exige dedicação e envolvimento. Jesus ensinou que o nosso coração estará onde estiverem as nossas prioridades (Mateus 6.21). Por isso devemos fazer tudo de todo o coração, como para o Senhor e não para homens" (Colossenses 3.23). Isto nos manterá fortes diante das dificuldades.

Muitos têm fracassado porque não têm disposição para mudar. Mas não podemos esquecer que a salvação em Jesus só é conseguida por aqueles que assumem o compromisso com Cristo e se arrependem dos seus pecados. Isto provoca a mudança em nossa mente, sentimentos e atitudes nos fazendo caminhar em "novidade de vida" veja “De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Romanos 6.4).

Conclusão: Se nos mostrarmos fracos diante das adversidades, demonstraremos que não temos força alguma. Por isso devemos nos manter fortes em todas as circunstâncias, sendo a pessoa certa no lugar certo, tendo objetivos e foco certo e acima de tudo, compromisso e disposição para seguir Jesus.

Prs. Jário e Lúcia

Tempo de buscar a Deus com mais fervor

Tempo de buscar a Deus com mais fervor

Texto: I Crônicas 28:9-10; Deuteronômio 4:29

Introdução: Vivemos num tempo bem solene e crítico, tempo em que devemos buscar a Deus com mais fervor, visto que Seu Espírito lentamente está se retirando da Terra.

Vivemos também num tempo em que o Salmo 14:1 está se cumprindo em grande parte.

I – A Invisibilidade da Presença de Deus Nada nos Prova Contra a Realidade dessa Existência.

1. O mundo da vista e o cego.

2. O mundo do some o surdo.

3. O mundo dos conhecimentos e o ignorante; a astronomia, as ciências químicas e físicas.

4. O mundo das nacionalidades e o entrevado. – Os continentes, os países diferentes, as diversas nacionalidades, cores e feições físicas, diferentes, etc.

5. O mundo das realidades íntimas e o alienado – alegria, tristeza, lar, amigos etc.

6. O mundo das riquezas e o pobre. – As fortunas particulares, as grandes companhias.

II – Problemas e Motivos que Impelem o Homem a Procurar e Reconhecer a Deus.

1. O coração humano não se contenta com as coisas do mundo. – Nicodemos.

a) O jovem rico, os ateístas. - Atos 17:23.

2. A fraqueza do homem perante as manifestações da natureza. Tempestades, terremotos, doenças e a morte.

3. A miséria política e social do mundo. – Maus governos, impostos, vinganças políticas; a desigualdade social.

4. A consciência atribulada pelo remorso – nem sacrifícios ou formalismos religiosos dão repouso à consciência. Ex.: Lutero.

5. O mistério do além. – Que haverá? Mundo melhor ou pior?

III – Deus Deseja Mesmo Revelar-se.

1. Está esperando ocasião. – Apocalipse 3:20.

2. Nunca desapontou a ninguém. - João 6:37.

3. É preciso cumprir as condições:

a) Buscá-lo de coração. – Deuteronômio 4:29; Tiago 4:8.

b) O resultado. - Tiago. 4:8; Provérbios 8:35. A eletricidade. Isaias 55:6.

A parábola do bom samaritano

A parábola do bom samaritano

Texto: Lucas 10:25-31

Introdução: O indiferentismo do sacerdote e do levita.

I – O Que Fez o Samaritano.

1. Ele foi ao pobre de quem o sacerdote e o levita se afastaram. V. 33.

2. Tratou do ferido paira o aliviar, - V. 34.

3. Pô-lo sobre o que era seu e foi a pé.

4. Cuidou do doente - Hotel, cama, etc.

5. Tratou-o como a um filho. - V. 35.

II – A Aplicação da Parábola.

1. O viajante – a natureza humana.

2. O cair nas mãos dos ladrões – a queda original. Romanos 5:12.

3. O tornar-se despido, ferido e meio morto - a condição a que tem chegado a humanidade. Romanos 3:3; Isaias 1:5,6.

4. As faltas do sacerdote e do levita mostram a incapacidade das cerimônias e das formas para regenerar o homem,

5. O bom samaritano é Jesus. Mateus 9:12,13; I Timóteo 1:15; João 15:13.

a) O vinho e o azeite - o sangue de Jesus e o Espírito Santo. - I João1:7; João 14:17.

b) A hospedaria é a igreja. – Cantares 1:1-4; Efésios 2:11.

c) O hospedeiro é o ministro. – Ezequiel 3:16-21.

d) A promessa de voltar – Sua segunda vinda, - João 14:1-3.

Aceitemos a Jesus!

Um homem que decidiu mudar

Um homem que decidiu mudar

Texto: Lucas 19:1-10

Introdução: O texto de hoje começa falando sobre um homem chamado Zaqueu, rico e maioral dos publicanos. Publicano era cobrador de rendimentos públicos entre os antigos romanos. Os judeus consideravam os publicanos traidores e desviados da fé, porque cobravam os impostos para Roma, pois Roma os oprimia e eram inimigos. Zaqueu era o maioral, o líder responsável pela cobrança de impostos na cidade de Jericó. O sistema da época facilitava a extorsão, facilitava o roubo e Zaqueu tinha se tornado um homem desonesto, um ladrão. Ele era odiado não só por ser Publicano, mas por oprimir seus irmãos Judeus ajudando Roma.

1. Zaqueu procurava ver quem era Jesus

Embora ele fosse rico, a riqueza não preenchia o vazio do seu coração. Zaqueu não queria apenas ver Jesus de longe, ele queria ver quem era Jesus. Ouvir acerca de Jesus Cristo não é suficiente, vê-lo de longe não traz intimidade, mas conhecer quem é Jesus faz toda a diferença. Era exatamente isso que Zaqueu procurava, ele queria ver quem era Jesus, ele queria conhecê-lo de perto, saber sobre Ele.

Aqui neste texto da Palavra de Deus temos um relato que aponta para um homem de visão. Este homem podia ser pequeno na estatura, mas era alguém de visão alargada. Podemos afirmar que no mundo existem duas classes de pessoas: aquelas que vivem em função de uma visão, e aquelas que não têm visão nenhuma.

Zaqueu tinha uma visão, um sonho: ver Jesus. Ele foi em busca do objetivo que havia firmado em seu coração e logrou êxito. Ele mostrou, através de sua experiência, que não é a grande estatura que leva alguém a ter uma grande visão e, sim, ter o coração inclinado para a direção correta.

A visão é a força motriz das realizações. Alguém que almeja construir, conquistar, desenvolver algo, precisa ter uma imagem muito clara em sua mente de onde e de como deseja chegar. Sem visão é muito mais difícil viver. A falta de visão faz acumular frustrações. Assim, viver com objetivos e metas bem definidas é algo imprescindível para o bem estar do homem, de uma forma geral. Deus se utiliza das visões como um meio de se comunicar com o homem. Ele transfere a visão de Seu coração para o coração de Seus filhos a fim de que estes sejam grandes realizadores nesta terra.

2. Uma pessoa de visão não desiste diante das limitações pessoais

Grandes multidões seguiam a Jesus. Eram centenas de pessoas que apertavam o Mestre enquanto o mesmo caminhava pelos vários lugares da Judéia. Para alguém de baixa estatura, contemplar o Messias era algo praticamente impossível. Sendo assim, Zaqueu poderia ter desistido da ideia de conhecer Jesus, diante das suas limitações pessoais.

Ele poderia dizer, eu tentei, é impossível para mim, a multidão se tornou um obstá-lo, eu sou baixinho e ainda estas pessoas me odeiam, elas não vão facilitar para mim, Deus sabe que eu tentei. Porém, ele não desistiu de seu objetivo. Antes, venceu suas limitações buscando a melhor solução para aquela ocasião. Foi um verdadeiro estrategista. Ele correu na frente e procurou naquele caminho a melhor árvore e, sem pensar duas vezes, subiu na mesma, ficando a espera da passagem do Mestre.

Existem muitas pessoas que desistiram de sonhar por observar limitações pessoais como gigantes intransponíveis. Alguns dizem: não vou conseguir por que sou tímido. Outros afirmam: não tenho um grau de instrução elevado. E, ainda, existem os que vão ao extremo, afirmando categoricamente: não tenho capacidade para isso. Sejam quais forem as nossas limitações pessoais, estas podem ser vencidas e superadas em Deus, por isso, não pare jamais de sonhar. Permita-se ser tratado pelo Todo-Poderoso e siga firme, rumo aos sonhos de Deus para a sua vida.

3. O Senhor conhece o nosso coração

Quando Jesus chegou àquele lugar parou e olhou para cima e disse: Zaqueu desce depressa, pois me convém ficar hoje em sua casa. Jesus sabia que aquele homem queria conhecê-lo, primeiro porque o Senhor sondou o seu coração, Ele nos conhece por dentro. Segundo, o fato de ele ter subido àquela arvore demonstrava sua intenção, pois aquela era atitude de um sonhador, de alguém que estava insatisfeito e vazio por dentro, ele buscava algo a mais na sua vida, ali estava uma pessoa de coragem e de atitude.

Jesus disse: hoje vou ficar em tua casa. Primeiro: Jesus sabia que na rua, no trabalho, na escola e ate na igreja, podemos fingir e disfarçar quem na realidade somos, mas em casa as mascaras caem, pois as pessoas que moram conosco nos conhecem e é lá que Deus nos trata para nos tornarmos referenciais, pessoas melhores, pois se as pessoas que convivem conosco na nossa casa, acreditarem na nossa fé, é porque temos um bom testemunho de mudança de vida. Segundo: Jesus não queria alcançar e salvar apenas Zaqueu, mas Ele queria também ganhar e salvar toda a família. Este é o propósito do Senhor Jesus para a sua vida, Ele quer salvar você e toda a sua família. Se você se alegra com isso se expresse!

No versículo 7 diz que todos os que viram o acontecido murmuravam. Eles diziam: Jesus se hospedou na casa de um pecador e isto era inadmissível para eles. Mas sabemos que é exatamente para isso que o Senhor Jesus veio. Aquelas pessoas se julgavam perfeitas, sem pecados, mas segundo a bíblia, todos pecaram e foram destituídos da presença de Deus. Jesus Cristo veio exatamente para restituir a comunhão perdida. Deus é vida e quem conhece ao Senhor Jesus, recebe da Sua vida, a vida eterna.

Se ficarmos olhando para os defeitos dos outros, não veremos os nossos e consequentemente não conseguiremos conhecer ao Senhor e a nossa vida continuará na mesma. Veja, o Senhor Jesus não foi na casa dos acusadores, mas foi na casa de Zaqueu que para todos, não merecia tamanho privilégio. Quando queremos mudança na nossa vida, no nosso casamento, quando temos sonhos e visão, não ficaremos parados diante de obstáculos, mas correremos na frente e subiremos acima dos medíocres, estaremos em um nível mais elevado de onde poderemos ter a nossa visão mais ampliada.

Quando alguém reconhece que é pecador demonstra desejo de mudança, essa pessoa se arrepende e recebe a Jesus como seu Senhor e Salvador, essa pessoa não vê obstáculos, mas sobe na arvore para demonstrar que realmente quer ver quem de fato é o Senhor Jesus. Zaqueu em sua casa confirmou falando ao Senhor quem ele era realmente, ele reconheceu que era pecador. Jesus disse: Hoje houve salvação nesta casa, aleluia, aquela família foi salva e eu declaro que o mesmo vai acontecer com você!

Tome a decisão de conhecer ao Senhor Jesus, busque crescimento espiritual, reconheça-o como teu salvador e Senhor. Ele é o único intermediário entre Deus e os homens. Reconheça que você precisa dEle, ore a Deus junto comigo, hoje Deus Pai vai mudar a sua vida e a sua família em nome do Senhor Jesus! Hoje é o dia favorável, suba na arvore, busque por Ele, Ele está sondando o seu coração.

Compartilhar: você tem sonhos, visão e metas para a sua vida? Existem obstáculos que para você hoje lhe pareçam intransponíveis? Existe alguma área de mudança na sua vida? Você já entregou a sua vida ao Senhor Jesus?

No amor de Cristo!

Pastores Eliezer e Zenita

3/27/2013

Seis Lições Da Vida de Calebe Para a Igreja

Seis Lições Da Vida de Calebe Para a Igreja

Texto: Josué 14:7,10,11

Introdução; Calebe, era filho de Jefoné, um homem não judeu; era quenezeu (Josué 14:6), que se casou com uma moça judia (Gênesis 15:19 e Números 32:12). Jetro, sogro de Moisés também era do povo nômade dos quenezeus. Calebe pertenceu à tribo de Judá (Numeros13:6) talvez por sua esposa. “Mas, ao mesmo tempo em que infligia o juízo, Deus Se lembrava da misericórdia.

Os amalequitas deviam ser destruídos, mas os quenezeus, que habitavam entre eles, foram poupados. Este povo embora não estivesse inteiramente livre da idolatria, eram adoradores de Deus, e mantinham amistosas relações com Israel. Dessa tribo era o cunhado de Moisés, Hobabe, que acompanhara os israelitas em suas viagens através do deserto, e, pelo seu conhecimento do território, prestara-lhes valioso auxílio” Calebe Hebraico que Significa,Fiel Como Cão..

1 - Primeira Lição Da Vida De Calebe...Não Deixou o tempo apagar a promessa de Deus em sua vida!

A - O Tempo é o instrumento que Deus usa para nos moldar,aperfeiçoar,se as coisas ainda não aconteceram em sua vida,é porque você ainda,não está preparado para receber!.
B - O Tempo trás maturidade,quem não aprendeu com as lições da vida,geradas pelo tempo,nunca terá capacidade de influenciar!.
C - O Tempo não produziu em Calebe, amnésia,esquecimento,muito pelo contrário,o tempo amadureceu a promessa em seu ser.
D - Depois de 45 anos,Calebe se lembrava das promessas de Deus em sua vida,como se fosse hoje,agora!.

2 - Segunda Lição Da Vida De Calebe...Não deixe o Tempo envelhecer o teu Espírito Jovem! Josué 14:10,11

A - Calebe estava com 85 Anos de idade e disse a Josué; agora estou tal como no dia em que Moisés me enviou a expiar a terra,aos 40 Anos..Tal era a minha força antes,tal é agora. Josué 14:10
B - Quantas pessoas jovens envelheceram na fé, na vida espiritual, quantos obreiros, ministros, novos,que nem bem começaram,já comprometeram todo seu futuro ministerial,porque se cansaram, envelheceram..Calebe ensina que 45 anos depois continuava do mesmo jeito!.

3 - Terceira Lição Da Vida De Calebe...Nunca Perca a Força Para Guerrear!..Josué 14:11

A - Quando um guerreiro para de guerrear,ele se entregou ao seu adversário. Nossa vida é uma guerra espiritual diária,lutamos contra principados,potestades..Mundo invisível..Quando um crente perde a força de guerrear,ele morre no campo de batalha.
B - Nossa luta não é contra o sangue e nem contra a carne(Pessoas). Nossa luta são contra demônios,espíritos desencarnados..Se você os atacou,pregou contra eles,afrontou-os em campo de batalha,quando você se declarar,sem força de guerrear,eles vão destruir você.
C - Calebe é enfático e Inciso; Ainda hoje aos 85 anos de idade,tenho força,garra para guerrear..Josué 14:11...Nunca para de lutar!!

4 - Quarta Lição Da Vida De Calebe...Deus Te Deu Capacidade Para Entrar. Josué 14:11

A - Calebe,Diz a Josué; Aos 85 Anos tenho força tal como aos 40 para entrar...Aos 40 ele entrou para expiar as terras de Canaã,por 40 dias, aos 85 ele entrariam em Hebrom para matar os gigantes e tomar Hebrom por herança!..
B - Alguns não entram,não fazem,não participam,ficam empurrando os neófitos para o abismos,outros entram e saem,mais aprendemos com Paulo,que depois de entrar,Nem a morte nos separará do amor de Deus que está em Cristo Jesus..Calebe diz; Tenho força pra entrar..Não fique de espectador,entre,faça, mobilize-se,haja!.

5 - Quinta Lição Da Vida De Calebe..Nunca Perca a Consciência Quando é Hora De Sair. Josué 14:11

A - Calebe diz que Deus o havia dado forças para sair..Muitos só saem quando perdem a força ao invés de usarem a força que tem para saírem a tempo..
B - Alguns saem porque Deus ordenou, outros pela incapacidade, outros quando destroem a vida espiritual da Igreja..outros quando se destroem a si mesmo...Seja como Calebe,Tenha força de Deus para sair,debaixo das benção de Deus e de seu líder!.

6 - Sexta Lição Da Vida De Calebe..Seja Abençoado Por Seu Líder e Depois da Benção Receba sua herança prometida por Deus. Josué 14:13,14.

A - Veja o que a Bíblia diz; E Josué o abençoou, e deu a Calebe, filho de Jefoné, a Hebrom em herança..Josué 14:13...A Benção é de Deus,mais está condicionada as mãos do Líder,antes de você receber sua herança,suas promessas,algo grande de Deus em sua vida,você terá que ser abençoado pelo ungido de Deus.
B - Sabe porque nada ou quase nada da certo em sua vida,sabe porque o ímpio tem mais privilégios do que você?..Porque antes das bênçãos materiais,tem a benção espiritual..Antes de Hebrom tem Josué!.

Pr. Israel Gonçalves

3/26/2013

Degraus da Graça

Degraus da Graça

Texto: “Por esta razão, também nós, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós e de pedir que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus; sendo fortalecidos com todo o poder, segundo a força da sua glória, em toda a perseverança e longanimidade; com alegria, dando graças ao Pai, que vos fez idôneos à parte que vos cabe da herança dos santos na luz. Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, 14no qual temos a redenção, a remissão dos pecados” (Colossenses 1.9-14).

Introdução: Graça é o favor de Deus por nós sem merecermos.
Vejamos abaixo as diversas manifestações dessa dádiva de Deus a nosso favor, visto que, as nossas obras são como nada diante de Deus. Vejamos o que diz o texto de Isaias 64.6: “Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades, como um vento, nos arrebatam”.

1. A remissão dos pecados: “no qual temos a redenção” (V.14a).
Remissão: Libertar mediante o pagamento de um preço – “Mas agora, assim diz o Senhor, que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu” (Isaias 43.1). Veja também: “o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniquidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras” (Tito 2.14).

2. A redenção através do sangue de Cristo: “a remissão dos pecados” (v.14b).
Redenção: Doutrina cristã segunda a qual Jesus Cristo pagou o preço para que o seu povo fosse livre – “não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção” (Hebreus 9.12).

3. A libertação do poder das trevas: “Ele nos libertou do império das trevas” (v.13a).
Libertação: Ato ou efeito de dar ou obter LIBERDADE – “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos” (Isaias 61.1). Veja também: “Porque estou certo de que isto mesmo, pela vossa súplica e pela provisão do Espírito de Jesus Cristo, me redundará em libertação” (Filipenses 1.19).
Jesus é o nosso libertador: “Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo” (1 João 3.8).

4. A transposição para o Reino do Amor: “e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (v.13b).
Transportou: carregou-nos, tirou de um lugar e levou para outro, isto é, nos tirou das trevas da perdição e nos trouxe para luz do seu amor, mesmo sem merecimento, porque estávamos mortos em delitos e pecados (Efésios 2.1) – “E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos” (Colossenses 2.13).

5. Feitos idôneos para a herança dos santos: “dando graças ao Pai, que vos fez idôneos à parte que vos cabe da herança dos santos na luz” (v.12).
Idôneo: "Capaz; qualificado".
Glória a Deus, somos herdeiros do Pai porque ele nos fez idôneos, portanto somos herdeiros por causa de uma idoneidade que é fruto de um favor sem merecimento, isto é, a graça de Deus.

6. Fortalecidos com todo poder: “sendo fortalecidos com todo o poder, segundo a força da sua glória, em toda a perseverança e longanimidade; com alegria” (v.11).
Fortalecido: vem de fortaleza ou forte, lugar seguro inexpugnável ou seguro. Esse poder nos traz fortalecimento para sermos perseverantes e longânimes com alegria, isto é, sem sacrifícios – “Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (Efésios 6.10,11).

7. Frutificando em toda boa obra: “a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus” (v.10).
Frutificar: Dar frutos, reproduzir, dar resultado positivo e vantajoso.
Quando vivemos de modo digno do Senhor, agradamos o seu coração, nos tornamos frutíferos em tudo o que fizermos e crescemos no pleno conhecimento de Deus.

8. Enchidos com toda a sabedoria e entendimento espiritual: “Por esta razão, também nós, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós e de pedir que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual” (v.9).
Inteligência espiritual: entender o coração do Pai.
Através da inteligência ou sabedoria espiritual recebemos o pleno conhecimento da vontade do Pai.
Vejamos o que Davi escreveu: “Ao homem que teme ao Senhor, ele o instruirá no caminho que deve escolher. Na prosperidade repousará a sua alma, e a sua descendência herdará a terra. A intimidade do Senhor é para os que o temem, aos quais ele dará a conhecer a sua aliança” (Salmo 25.12,13).

Conclusão: Louvemos ao Senhor pela a sua graça sobre as nossas vidas. “Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça” (João 1.16).

Ap. Roberto e Lourdes

Intimidade com Deus

Intimidade com Deus

Texto: Êxodo 33.7-11

Introdução: O modelo é a base para todo o aprendizado. Devemos dar o exemplo em tudo para aqueles que estão em nosso redor. O princípio número um neste mundo é: pessoas fazem o que elas vêem. Moisés demonstrou essa verdade. O povo observava Moisés enquanto ele continuamente se dirigia para a tenda da congregação, onde ele ficava na presença de Deus, e isso os mudou mais do que qualquer sermão. Nossas atitudes muitas vezes valem mais do que nossas palavras. Se desejarmos usufruir de um relacionamento pessoal com Deus como Moisés usufruiu, devemos praticar o que ele praticou:

Vejamos as atitudes de Moisés:

1 – Estarmos com Deus regularmente.
“Ora, Moisés costumava tomar a tenda e armá-la para si, fora, bem longe do arraial; e lhe chamava a tenda da congregação” (Êxodo 33.7a).
Devemos nos afastar da multidão, ir para fora do arraial para estar com Deus. Só assim conseguiremos ouvir Sua voz com maior precisão. Deus deseja ter um relacionamento pessoal com cada um individualmente. Antes de Deus falar com todos, ele primeiro fala com um. Somos esse um?

2 – Buscar a Deus de todo o coração e continuamente.
“Todo aquele que buscava ao Senhor saía à tenda da congregação, que estava fora do arraial” (Êxodo 33.7b).
Devemos priorizar a verdade ao invés da popularidade. Buscamos ao Senhor não para que as pessoas vejam que somos íntimos de dEle mas, para termos um relacionamento sincero e verdadeiro com Ele. Em Mateus 22.37 diz para amarmos ao Senhor, nosso Deus, de todo o coração, de toda a alma e de todo entendimento, se o amarmos de todo o coração, também o buscaremos de todo o coração.

3 – Permitir ser observado pelas pessoas.
“Quando Moisés saía para a tenda, fora, todo o povo se erguia, cada um em pé à porta da sua tenda, e olhavam pelas costas, até entrar ele na tenda” (Êxodo 33.8).
Assim como Moisés era observado pelo povo, devemos estar dispostos a assumir os riscos de sermos observados. Quando decidimos por ter intimidade com Deus é normal nos observarem, mas nem sempre observam para nos ter como exemplo, muitas vezes é somente para acharem alguma falha, precisamos aprender a lidar com isso, por mais difícil que seja. Se a intenção de nosso coração é verdadeira ao buscar ao Senhor, para agradá-lo e não às pessoas, então não precisaremos temer, pois com certeza seremos um bom exemplo a ser seguido.

4 – Aprender ouvir e obedecer à voz de Deus.
“Uma vez dentro Moisés da tenda, descia a coluna de nuvem e punha-se à porta da tenda; e o Senhor falava com Moisés” (Êxodo 33.9).
Não devemos querer somente que Deus nos escute, relacionamento não é isso, precisamos ser pacientes para ouvir quando Deus fala conosco, nos submetendo a Sua voz. Moisés não tinha pressa de sair da presença de Deus, só retornava para o arraial quando Deus terminava o que tinha para lhe dizer.

5 – Ingressar numa aliança parceira com Deus.
“Todo o povo via a coluna de nuvem que se detinha à porta da tenda; todo o povo se levantava, e cada um, à porta da sua tenda, adorava ao Senhor. Falava o Senhor a Moisés face a face, como qualquer fala a seu amigo; então, voltava Moisés para o arraial, porém o moço Josué, seu servidor, filho de Num, não se apartava da tenda” (Êxodo 33.10-11).
Devemos ser fieis ao nosso compromisso com Deus, ter um tempo diariamente para nos relacionarmos com Ele assim como nos relacionamos com nossos amigos.

Conclusão: Como filhos que servem ao Senhor Jesus o nosso primeiro exemplo deve ser o de ter intimidade com Deus, uma intimidade sincera, real e verdadeira. Quando nos tornamos íntimos do Senhor, não temos pressa de sair de Sua presença, nem pressa de ouvir o que Ele tem a nos dizer, simplesmente somos pacientes e andamos no mesmo compasso que o Senhor. Para isso, precisamos de um devocional diário, de um tempo produtivo de busca, adoração e louvor a Deus.

Bíblia da Liderança Cristã - Adaptado por Bárbara Rocha

O Espírito Santo e Você

O Espírito Santo e Você

Texto: Romanos 8

Introdução: Em Romanos sete observamos que não há uma referencia sequer ao Espírito Santo, mas a palavra pecado aparece treze vezes, a palavra lei vinte e três vezes. No capítulo oito observamos quatro referencias a pecado, quatro a lei e dezessete menções do Espírito Santo.

Este é um dos capítulos mais fascinantes da bíblia. O que ele nos ensina sobre a pessoa maravilhosa do Espírito Santo?

1. O Espírito Santo habita no crente.
“Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele. Se, porém, Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito é vida, por causa da justiça” (vs.9,10).

Esta verdade aparece também em:
“Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1 Coríntios 3.16).
“Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1 Coríntios 6.19).

2. O Espírito Santo guia o crente.
“Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (v.14).
Veja também:
“Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais sob a lei” (Gálatas 5.18).
“quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir” (João 16.13).

3. O espírito Santo mortifica os feitos do corpo.
“Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis” (v.13).
Confira também:
“E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências” (Gálatas 5.24).
“Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria” (Colossenses 3.5).

4. O Espírito Santo vivifica o crente.
“Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita” (v.11).
Este texto é uma garantia da nossa ressurreição (2 Coríntios 5.5; Efésios 1.13,14), porém não se aplica somente à ressurreição, mas também à vivificação do nosso corpo no que tange à vida física.

5. O Espírito Santo testifica no crente.
Ele lhe confirma que agora ele é filho de Deus (Abba dá ideia de intimidade) e herdeiro, coerdeiro com Cristo.

6. O espírito Santo no crente é uma antecipação do gozo celestial.
“E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, igualmente gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo” (v.23).
Primícias são o mesmo que primeiros frutos, começos.

7. O Espírito Santo Assiste o crente.
“Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações sabe qual é a mente do Espírito, porque segundo a vontade de Deus é que ele intercede pelos santos” (vs.26,27).

É o Espírito Santo que nos sustenta contra todo inimigo e particularmente na nossa fraqueza. Esta assistência é prestada pelo “Consolador”, pelo “Ajudador”, pelo “Paracleto”.
“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco” (João 14.26).
“mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito” (João 14.26).
“Quando, porém, vier o Consolador, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dele procede, esse dará testemunho de mim” (João 15.26).
“Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei. Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (João 16.7,8).

Conclusão: O Espírito Santo não é um hóspede, ele veio para habitar em nós, para ficar para sempre conosco (João 14.16,17). Ele quer ser íntimo seu, estar em você. Ele é a sua provisão. Deixe que ele flua em você – “No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou: Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva. Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito até aquele momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado” (João 7.37-39).

Pr. Messias Anacleto Rosa

Língua: A arma mais mortífera do ser humano

Língua: A arma mais mortífera do ser humano

Texto: Tiago 3; 1:23

Introdução: Fisiologicamente é um pequeno membro, mas social e espiritualmente é a arma mais terrível de todos os tempos!

I – A Língua como fogo. - V. 5.

1. Um pequeno fósforo incendeia um bosque, e uma palavra mal pensada tem destruído o que há de mais belo no mundo – a harmonia, o amor, o lar, a igreja etc.

II – A Língua é um Mundo de Iniquidade. - V. 6.

1. É como a cobra que esconde o veneno.

2. Há pessoas que têm duas caras, duas línguas:

a) Andam de casa em casa falando dos irmãos. - I Timóteo 5:13.

b) Devemos fugir de tais pessoas como fugimos da lepra e da bexiga. – Poderão afetar-nos.

3. Isso é fogo do inferno. - V. 6. - Satanás é o acusador dos irmãos. – Apocalipse 12:10.

4. Esse jogo causa morte. – Provérbios 18:21.

5. O escândalo virá, mas, ai do causador. – Lucas 17:1; 1 Coríntios 11:19.

III – A Língua é Difícil de Domar, Mas há um Poder.

1. Os animais obedecem; as naus, também; mas a língua é bem difícil, porém não impossível.

2. Há Um que pode nos dar força. – Ezequiel 36:26.

(1) A experiência apostólica. - Atos 2.

IV – Entregando-nos a Deus Desaparecem os Defeitos (14-17) e Aparecem as Virtudes da Língua.

1. Sabedoria, imparcialidade etc. – Vs. 17 e 18.

V – Advertência Terrível. – Provérbios 6:16-19; Salmo 101:5-7.

VI – Conselhos Sábios.

Efésios 4:25-31; 5:4.

I Pedro 3:10.

Tiago 1:26. Provérbios 13:3; 21:23.

Perdoando os ofensores

Perdoando os ofensores

Texto: Mateus 18:15-35; Efésios 4:32

I – Como se pode Proceder com um Ofensor – Mateus 15:22.

1. O primeiro passo. V. 15.

2. O segundo passo. V. 16.

3. O terceiro passo. V. 17.

4. Procedendo assim Deus o aprova. - V. 18.

II – Os Problemas Difíceis devem ser Entregues a Deus. Vs. 19-20.

III – Uma Dívida de Pedro Solvida por Cristo. - Vs. 21-22.

IV – Uma Importante Ilustração. - Vs. 23-24.

1. Um compromisso credor perdoa o seu devedor. - Vs. 23-27.

2. O perdoado não tem compaixão do seu devedor. - Vs. 28-30.

3. O ingrato é justamente castigado por seu credor. - Vs. 31-34.

V – Que Significa esta Ilustração Para Nós? - V. 35.

Sabemos que vivemos porque amamos os nossos irmãos

Sabemos que vivemos porque amamos os nossos irmãos

Texto: I João 3:13-24; 14

I – A Justificação Evangélica.

l. Por hereditariedade somos filhos da ira.

2. Sendo filhos da ira, condenados à morte.

3. Pelo Evangelho somos transformados da morte para a vida gloriosa,

a) Isso nos é proporcionado por Cristo. - João 3:36.

b) Passamos a pertencer a um reino santo e justo.

4. Em tais condições sabemos que temos passado da morte para a vida.

II – A Contrafação da Justificação Evangélica.

1. O ódio votado a um irmão é um sinal de nosso estado mortal e de que ainda continuamos debaixo da sentença de morte. V. 14.

2. Odiando um irmão tornamos-nos homicida. – V. 15.

a) Basta acariciarmos isso no coração.

3. Por que Deus reprova isso?

a) Porque todos somos a imagem de Deus. – Gênesis 9:6.

(1) Assim fazendo, às vezes, injuriamos a Cristo.

b) Porque nos rouba a felicidade e a de outrem. – Hebreus 12:14,15.

III – O Cumprimento da Lei de Cristo é Amor.

1. Amemos-nos por causa de Cristo.

a) É o mesmo Salvador de todos.

b) É o Seu íntimo desejo expresso em João 17.

2. Amemos-nos por causa da Verdade.

a) Seguimos um mesmo caminho e entraremos juntos no mesmo céu. – Salmo 84:7.

b) Somos perseguidos e odiados pelos do mundo pela mesma causa.

c) Seremos companheiros nas tribulações vindouras, quando cada um precisará da simpatia de outrem.

d) Se a verdade que professamos é a Verdade salutar e salvadora, devemos unir-nos e amar-nos.

3. Amemos-nos quando o mundo nos odeia.

a) Como cristãos, onde vamos encontrar afeto mútuo?

Amor é a lei primordial do Céu.

Amor será a lei fundamental do reino.

Somente aqueles que se adaptarem aqui na Terra, à norma do novo reino, poderão fazer parte do mesmo.

3/25/2013

Felizes os que Perseveram Firmes

Felizes os que Perseveram Firmes

Texto: “Irmãos, tomai por modelo no sofrimento e na paciência os profetas, os quais falaram em nome do Senhor. Eis que temos por felizes os que perseveraram firmes. Tendes ouvido da paciência de Jó e vistes que fim o Senhor lhe deu; porque o Senhor é cheio de terna misericórdia e compassivo” (Tiago 5.10,11).

Introdução: A tendência da alma humana é o desanimar frente a grandiosidade dos desafios que enfrentamos ao longo da vida. Os nossos dias são cheios de tribulações, porém a Palavra de Deus nos instrui dando-nos estratégias como devemos viver e vencer.

Como perseverar firmes? Vejamos:

1. Fazer uma autoanálise.
Existem leis da vida que atuam continuamente sobre nós e precisamos aprender a lidar e vencer - “Tudo sucede igualmente a todos: o mesmo sucede ao justo e ao perverso; ao bom, ao puro e ao impuro; tanto ao que sacrifica como ao que não sacrifica; ao bom como ao pecador; ao que jura como ao que teme o juramento” (Eclesiastes 9.2).

Aspectos comportamentais que trazem o cumprimento dessa lei:

a. Falta de sabedoria: “O temor do Senhor é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino” (Provérbios 1.7). Veja o que disse Davi em Salmo 25.12, 13: “Ao homem que teme ao Senhor, ele o instruirá no caminho que deve escolher. Na prosperidade repousará a sua alma, e a sua descendência herdará a terra”. Analise Tiago 1.5: “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida”.
b. Relaxamento: Desvaloriza o quem e tem e traz desperdício com o que Deus dá. Exemplos: finanças, família, trabalho, ministério e etc.
c. Relacionamento distante de Deus: O pecado traz tribulações afim de gerar arrependimento pois é uma quebra de aliança com Deus.
d. Frios na fé: “porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe” (Hb 12.6).
e. Falta de aprimoramento da fé: As grandes conquistas são proporcionais ao nosso nível de fé, por isto, precisamos ter a fé aprimorada – “Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um” (Romanos 12.3).

2. Ter entendimento da situação e usar o potencial
a. A mulher com o fluxo de sangue: “tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe a veste. Porque, dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada. E logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo” (Marcos 5.27-29)
b. O treinamento que recebemos ao longo da vida nos ajuda a passar pela tribulação: “Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4.12,13).

3. Aceitar a realidade do momento de vida
Fazer uma leitura real de tudo visando tomada de decisões, tais como: finanças, casamento, trabalho, ministério e etc. Quando aceitamos a nossa realidade, então saberemos como agir visando a reversão do quadro contrário.

4. Não se isolar
No meio da tribulação se nos isolarmos seremos presas fáceis para o destruidor. “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante” (Eclesiastes 4.9,10).
Veja ainda: “O solitário busca o seu próprio interesse e insurge-se contra a verdadeira sabedoria” (Provérbios 18.1).

5. Não transferir responsabilidades
A postura de Adão quando foi confrontado por Deus foi de transferir responsabilidade pela desobediência para Eva – “Então, disse o homem: A mulher que me deste por esposa, ela me deu da árvore, e eu comi” (Gênesis 3.12).
O pecado de Eva diz respeito às mulheres – “E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará” (Gênesis 3.16).
O pecado de Adão diz respeito à toda humanidade – “E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás” (Gênesis 3.17-19).

6. Ter paciência
“E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12.2).
A paciência produz três coisas:
a. Nos livra da precipitação – “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado” (Provérbios 19.2).
b. Produz equilíbrio emocional – Livra da ansiedade e do desânimo.
c. Livra do pecado da murmuração – “Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador” (1 Coríntios 10.10).

7. Desloque o seu olhar
Mude o foco tirando os olhos da dor.
Tire a mente do problema e veja a solução.

Conclusão: Deus é fiel em todas as suas promessas: “Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Apocalipse 14.12).
“Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar” (1 Pedro 5.10).

Prs. Roberto e Lourdes

O novo reino de Cristo – Amor

O novo reino de Cristo – Amor

Texto: Mateus 20:20-28

I – O Pedido de João e Tiago.

Os pensamentos dos discípulos enquanto se encaminhavam para Jerusalém, para a festa da Páscoa:

1. Não disse Jesus "é chegado o reino"? – Mateus 10:7.

2. Não prometeu Jesus que muitos se assentariam nesse reino? Mateus 8:11.

3. Não prometeu Jesus recompensa? – Mateus 19:29.

4. Não prometeu Jesus que nos assentaríamos sobre doze tronos? – Mateus 19:28.

5. Não disse Jesus que aquilo que os profetas dEle disseram deveria cumprir-se?

6. Não profetizaram os profetas a glória do reino messiânico?

II – A Resposta – O Reino em Si - Vs. 22, 23.

1, Cristo não indeferiu o pedido, explicou-lhes que ocupar um tal lugar depende das qualidades espirituais,

2. O reino é espiritual. - João 18:36.

3. Jesus será o rei, e os fiéis, os súditos. – Mateus 24:31-34.

4. Será estabelecido na vinda de Jesus. – Mateus 24:31.

III – A Virtude que nos Habilita a esse Reino.

1. O amor é a base. – Jeremias 31:3; 1 João 4:8.

2. Aqui na Terra o amor é a prova do discipulado. - João 13:34,35.

a) É a adaptação para o reino. - I João 4:20,21.

b) Esse amor deve ser de resignação e desprendimento próprio. – Exemplo de Paulo. – Filipenses 1:20-21; 1 Coríntios 10:33.

3. É a mensagem desde o princípio. - I João 3:11, 16.

a) Foi posta em prática na igreja apostólica. - Atos 4:32,33.

IV – Quem se Assentará no Trono? – Apocalipse 3:21,22.

1. Tiago e João venceram. - Atos 12:2; 4:3; 5:40; Apocalipse 1:9. O fim de João.

2. Aprendamos e ponhamos em prática este amor, a fim de sermos vencedores e podermos fazer parte desse reino!

A Paz de Deus

A Paz de Deus

Texto: “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” (Filipenses 4.7).

Introdução: Uma das manifestações mais gloriosas na vida de uma pessoa é a paz de Deus que excede todo entendimento. É paz que não tem explicação racional, pois ela é de Deus, e independe das circunstancias que nos cercam.

Paulo quando escreveu a Carta aos Filipenses estava preso, e mesmo de dentro da cadeia, as pessoas que lhe eram importantes receberam os seus cuidados em um momento de angustia daquele povo, pois se aproximava o império Romano devastando tudo que estava à sua frente.
Vejamos as instruções de Paulo para alcançar essa paz que ele usufruía:

1. Interesse pelo próximo:
“Rogo a Evódia e rogo a Síntique pensem concordemente, no Senhor” (Filipenses 4.2).
Ter zelo, cuidado com aqueles que fazem parte de nossa história.
De dentro da cadeia Paulo se preocupava com pessoas que foram seus companheiros de batalha pelo Reino de Deus.
A piedade traz contentamento: “De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento” (1 Timóteo 6.6).

2. Ser agradecido:
“A ti, fiel companheiro de jugo, também peço que as auxilies, pois juntas se esforçaram comigo no evangelho, também com Clemente e com os demais cooperadores meus, cujos nomes se encontram no Livro da Vida” (Filipenses 4.3).
Ser agradecido, importar com as pessoas, traz paz ao coração.

3. Alegria:
“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos. Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor” (Filipenses 4.4).
Paulo tinha seu coração em paz pela liberdade que usufruía em Jesus, mesmo dentro de uma cadeia, exortava ao povo para que decidissem pela alegria, que é sobrenatural, pois alegria é uma decisão interior de adorar a Deus em meio às adversidades.

4. Ser amável, simpático, agradável:
“Seja a vossa moderação conhecida de todos os homens. Perto está o Senhor” (Filipenses 4.5).
Paulo exortava o povo a que fossem exemplo para com todos, mantendo a simpatia, amabilidade e influenciando aqueles que estavam ao redor.
A ideia de Paulo é que mostrassem paz no meio da tensão.

5. Sem ansiedade, quieto, confiante:
“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo” (Filipenses 4.6a).
A confiança em Deus anula o estado de ansiedade e aquieta a mente mesmo no meio da opressão.
A melhor definição é: descansar em Deus.

6. Orar e suplicar:
“porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica” (Filipenses 4.6b).
É o ato de entregar o fardo nas mãos de quem pode nos aliviar: Jesus. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve” (Mateus 11.28-30).
É necessário com fé entregar, confiar e descansar: “Por isso, vos digo que tudo quanto em oração pedirdes, crede que recebestes, e será assim convosco” (Marcos 11.24).

7. Ser Agradecido:
“com ações de graças” (Filipenses 4.6c).
Significa agradecer antes de receber, pois tem plena confiança na resposta das orações.
É um ato de fé: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam a convicção de fatos que se não veem” (Hebreus 11.1).

8. A paz invadirá a mente e as emoções:
“E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” (Filipenses 4.7).
Teremos as nossas emoções guardadas pela paz de Deus que excede todo entendimento.
É um ato sobrenatural de Deus.

Conclusão: Quando temos uma atitude positiva perante a vida e seus desafios e guardamos e praticamos os princípios estabelecidos na Palavra de Deus, a paz de Deus inundará o nosso dia a dia, independente das circunstancias que estejamos vivendo, pois o Senhor é maior do que qualquer desafio que possamos enfrentar ao longo de nossa existência.

Prs. Roberto e Lourdes

As três milhas

As três milhas

Texto: Mateus 5:38, 48; João 15:13

Introdução: As três milhas encerram toda a filosofia da vida.

– A primeira: o mundo anda;

- A segunda: a família cristã;

- A terceira: Cristo e alguns crentes.

– A última é a perfeição.

I – A Primeira Milha (a do mundo) – "Olho por olho".

1. A posição passiva da vida.

a) Esperamos que os outros nos tratem a fim de tratá-los igualmente.

b) Nossa atitude para com a sociedade está baseada na atitude da sociedade para conosco.

c) Não agimos por sentimentos internos livres, mas por reflexos externos que operam sobre nosso coração.

2. O que resulta da vida.

a) Nunca conseguiremos agir acima da generalidade.

b) Fazem-nos um bem e retribuímos com outro.

c) Fazem-nos um mal, retribuímos com a mesma moeda.

d) Como na maioria dos casos recebemos mais inales que bens, resultará disso uma paralisação espiritual, sem nenhum progresso para a perfeição.

e) Como consequência, quando a sociedade fracassar, fracassaremos com ela.

II – A Segunda Milha (a da família) – "Ninguém tem maior amor do que este".

1. A lei da amizade.

a) No mundo existe amizade sobre base egoísta.

b) Damos tanto quanto recebemos.

(1) Ainda que, às vezes, demos menos, ou nada, contudo professamos amizade.

c) No texto, a amizade é estabelecida sobre base nova.

d) O que aqui governa a amizade não são as influências externas, mas nosso coração.

2. Essa base é o sacrifício.

a) "Ninguém tem maior amor do que este".

b) Por que é o maior?

(1) Maior que o de mãe - a mãe ama o que é seu, o fruto de suas entranhas.

(2) "Dar sua vida" por um amigo, sangue que não é nosso – é a prova maior de amor.

(3) Vivem assim os cristãos em suas relações fraternais?

III – A Terceira Milha (a da perfeição) – "Amai a vossos inimigos."

1. O que significa.

a) Amar a mãe? Os filhos?

b) Amar os parentes? Os amigos?

c) Amar os inimigos? Quem são eles?

(1) É amor sem retribuição. – Amar quando nos repulsam, caluniam e ferem.

2. A perfeição do amor.

a) Jesus amou os Seus, mas também amou aos que O crucificaram.

b) Este amor requer o domínio absoluto das paixões. – Quem o pode praticar?

c) Requer que uma só lei, a lei do sacrifício e do amor, governe a vida.

d) O que assim praticar terá chegado à mais alta perfeição, seguindo de perto o ensino e o exemplo do divino Mestre.

e) Quando os homens tiverem aprendido a perdoarem-se mutuamente, estaremos preparados para o Reino celestial, e teremos alcançado a perfeição que redundará em felicidade.

Deveres do servo de Deus

Deveres do servo de Deus

Texto: Romanos 13:1

I – O Que Devemos a Deus.

1. Adoração.

2. Amor.

3. Aspiração.

4. Segurança.

5. Gratidão.

6. Obediência.

II – O Que Devemos aos Homens.

1. Boa Vontade.

2. Boas palavras.

3. Boas realizações.

III – Cumprir o Dever.

1. A exigência de Deus é justa.

2. Negligenciar isso é roubar a Deus.

3. É roubar ao nosso vizinho.

4. É roubar a nós mesmos.

Marcas de um Vencedor

Marcas de um Vencedor

Texto: “Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou” (Romanos 8.37).

Introdução: Você nasceu para vencer e não aceite outro pensamento em sua mente a não ser o da vitória. "Mas em todas essas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou".

1. Tem a grandeza de reconhecer suas limitações.
“E ele lhe disse: Ai, Senhor meu! Com que livrarei Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu, o menor na casa de meu pai. Tornou-lhe o Senhor: Já que eu estou contigo, ferirás os midianitas como se fossem um só homem” (Juízes 6.15,16).
a. Moisés - Pesado de lábios, liderou o povo.
b. Jeremias - Dizia ser muito jovem.
c. Gideão - Afirmava ser o menor, da menor das famílias.

2. Tem atitude mental positiva.
“Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Filipenses 4.12,13).
a. Josué e Calebe - "Eia! Subamos e possuamos a terra, porque, certamente, prevaleceremos contra ela" (Números 13.30).
b. Paulo – “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Mas em todas essas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou" (Romanos 8.28, 37).

3. Nunca espera a aprovação de todos.
“Recomenda estas coisas. Dá testemunho solene a todos perante Deus, para que evitem contendas de palavras que para nada aproveitam, exceto para a subversão dos ouvintes” (2 Timóteo 2.14).
“O chefe da sinagoga, indignado de ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que se deve trabalhar; vinde, pois, nesses dias para serdes curados e não no sábado” (Lucas 13.14).
a. Espere a aprovação de Deus (Atos 5.29).
b. Elias foi reprovado por Acabe, rei de Israel.
c. Jesus (Lucas 7.31-35).

4. Não se conforma, busca sempre a excelência.
“E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12.2).
a. O conformismo é a marca dos medíocres.
b. O segredo é nunca parar de crescer.
c. É preciso ter santa ambição.

5. Sabe ouvir críticas e enfrentá-las sem perder a doçura.
“Disseram os discípulos dos profetas a Eliseu: Eis que o lugar em que habitamos contigo é estreito demais para nós. Vamos, pois, até ao Jordão, tomemos de lá, cada um de nós uma viga, e construamos um lugar em que habitemos. Respondeu ele: Ide. Disse um: Serve-te de ires com os teus servos. Ele tornou: Eu irei” (2 Reis 6.1-3).
a. Onde não há críticas, tem algo enrustido.
b. As críticas nos fazem continuar buscando a excelência.
c. É preciso separar críticas construtivas das destrutivas (Gálatas 2.11-14).

6. Sabe dar significado a tudo o que faz, porque tem um ideal.
“Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar” (1Corintios 9.26).
a. Trabalha tendo um ideal (Filipenses 3.14).
b. Oração tem propósito.
c. A vida tem sentido.

7. Sabe dizer não.
“Mas Jesus lhe disse: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora”(João 2.4).
a. Para si mesmo (Gálatas 5.23). Domínio próprio.
b. Para os amigos. Respeitando os limites.
c. Para o diabo. Resistindo-o (Tiago 4.7).

Conclusão: “Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Coríntios 15.57).

Transcrito e adaptado de esboço do Pr. Josué Gonçalves