2/28/2013

Aquele Homem ficou Curado

Aquele Homem ficou Curado

Texto Chave: João 5.9 - "No mesmo instante, o homem ficou curado, pegou a cama e começou a andar. Isso aconteceu no sábado".

Introdução: Normalmente, Jesus curava em resposta à fé das pessoas. Porém, no presente caso, Ele não exigiu nenhuma fé; o homem foi curado, exclusivamente mediante a Sua palavra.
Ainda hoje, pessoas podem ser curadas, segundo o propósito de Deus, mesmo não demonstrando fé em Cristo.

A Bíblia ensina que há três condições quanto à fé para que o milagre da cura aconteça:

1 - A fé daquele que está sendo curado - "Partindo Jesus dali, seguiram-no dois cegos, clamando: Tem compaixão de nós, Filho de Davi! Tendo ele entrado em casa, aproximaram-se os cegos, e Jesus lhes perguntou: Credes que eu posso fazer isso? Responderam-lhe: Sim, Senhor! Então, lhes tocou os olhos, dizendo: Seja-vos feito segundo a vossa fé" (Mateus 9.27-29).
Neste milagre, Jesus curou os dois cegos em resposta a fé que demonstraram, ao correrem atrás do milagre, como também, declararam com a própria boca, a fé que tinham.
Estes dois cegos tinham uma fé correta, isto é, em Jesus, aquele que pode realizar o milagre, e foram até o fim, perseverantes, não desistindo no meio do caminho. Veja as expressões: "..., seguiram-no dois cegos, clamando: Tem compaixão de nós, Filho de Davi! Tendo ele entrado em casa, aproximaram-se os cegos".
Eles seguiram a Jesus, mesmo cegos, clamando, entraram na casa de Jesus, aproximaram de Jesus.
O milagre acontece quando estamos próximos de Jesus.

2 - A fé de outras pessoas em favor do sofredor - "Quando Jesus entrou na cidade de Cafarnaum, um oficial romano foi encontrar-se com ele e pediu que curasse o seu empregado. Ele disse: — Senhor, o meu empregado está na minha casa, tão doente, que não pode nem se mexer na cama. Ele está sofrendo demais. — Eu vou lá curá-lo! — disse Jesus. O oficial romano respondeu: — Não, senhor! Eu não mereço que o senhor entre na minha casa. Dê somente uma ordem, e o meu empregado ficará bom.

Quando Jesus ouviu isso, ficou muito admirado e disse aos que o seguiam: — Eu afirmo a vocês que isto é verdade: nunca vi tanta fé, nem mesmo entre o povo de Israel!". (Mateus 8.5-8,10).
Neste episódio vemos um oficial romano exercendo a fé em prol da cura de um de seus empregados. Ele tinha tanta certeza da cura que nem mesmo aceitou que Jesus fosse à sua casa - "...! Eu não mereço que o senhor entre na minha casa. Dê somente uma ordem, e o meu empregado ficará bom". (v.8b).

Em Mateus 17.15-20, vemos os discípulos de Jesus com sérias dificuldades para expulsar um demônio de um homem epilético. Jesus disse aos seus discípulos que a dificuldade foi em decorrência da pequena fé deles - "Então, os discípulos, aproximando-se de Jesus, perguntaram em particular: Por que motivo não pudemos nós expulsá-lo? E ele lhes respondeu: Por causa da pequenez da vossa fé. Pois em verdade vos digo quê, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele passará. Nada vos será impossível"

Em Tiago 5.14-16 vemos as instruções dadas para que o doente seja ungido com óleo, e receba oração da fé - "Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados. Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo".

3 - A fé daquele que tem a unção para curar - "a outro, no mesmo Espírito, a fé; e a outro, no mesmo Espírito, dons de curar" (1 Coríntios 12.9).
Paulo nos ensina que através dos dons do Espírito Santo, isto é, através de uma manifestação sobrenatural, uma capacitação dada por Deus podemos curar os enfermos. O texto não diz que é necessário a fé de quem está sendo curado, diz sim, que a fé, e o dom que está sobre o vaso de Deus, pode curar o doente.

Conclusão: Ao analisarmos os tópicos acima, que estão de conformidade com a Palavra de Deus, vemos o empenho do Senhor em que o seu povo seja curado de todo os tipos de enfermidades e males. Veja o que diz Isaias 53.4,5 - "Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados".

Roberto Pires Gonçalves e Maria de Lourdes Effgen Gonçalves

Semente Boa, Terra Ruim

Semente Boa, Terra Ruim

Texto Chave: Marcos 4:5,6,16,17 - "E outra caiu sobre pedregais, onde não havia muita terra, e nasceu logo, porque não tinha terra profunda. Mas, saindo o sol, queimou-se e, porque não tinha raiz, secou-se. E da mesma sorte os que recebem a semente sobre pedregais, que, ouvindo a palavra, logo com prazer a recebem; mas não têm raiz em si mesmos; antes, são temporãos; depois, sobrevindo tribulação ou perseguição por causa da palavra, logo se escandalizam"

Introdução: Deus está sempre investindo em nós, semeando para que sejamos pessoas abençoadas. Ele faz isso diretamente, pelo Espírito Santo, mas também através de nossas famílias, líderes e igreja, especialmente pela ministração da sua palavra em nós. O problema é que, embora as sementes de Deus sejam boas, muitas vezes não temos o coração adequado para recebê-las e preservá-las até que frutifiquem.

Jesus contou uma parábola sobre um semeador e suas sementes. Ela pode nos ajudar a entender que atitudes em nossas vidas impedem que o investimento de Deus frutifique...

1) Incapacidade de suportar tribulações: “... mas, saindo o sol, queimou-se e secou-se (vs. 6a)... sobrevindo a tribulação ou a perseguição por causa da palavra, imediatamente se escandalizaram (vs. 17b)...”

– Muitos perdem a semeadura de Deus porque não suportam tribulações. Só permanecem na presença do Senhor quando tudo está às “mil maravilhas”. Entretanto, ao decidirmos seguir a Cristo, teremos satanás como inimigo a nos resistir. O que é melhor? Enfrentá-lo e vencê-lo ou ser “amigo” dele? Quem quer servir a Deus tem que aprender a perseverar, mesmo no calor das provas.

2) Falta de profundidade: “... outra caiu onde não havia muita terra. Logo nasceu porque não tinha terra profunda. Mas saindo o sol, queimou-se... (vs. 5B e 6a)”

- O problema de muitos é a falta de profundidade com Deus. Recebem a palavra apenas ao nível das emoções, mas não se aprofundam e, devido a essa superficialidade, estão sempre vulneráveis. Se quisermos ver os frutos de Deus em nossa vida, temos que cultivar a vida cristã, cavar mais fundo através da oração, da leitura da palavra, da obediência no discipulado, da frequência à célula e as reuniões gerais da igreja.

3) Falta de aliança: “... Mas, saindo o sol, queimou-se e secou-se porque não tinha raiz (vs. 6)... Mas, não tendo raiz em si mesmos, são de pouca duração...”

– A raiz é o que fixa uma planta no solo, lhe dá estabilidade e lhe possibilita receber os nutrientes e a água que precisa. Isso fala de aliança com Deus e com a igreja (célula). Muitas pessoas não assumem compromisso, não criam raízes na casa do Senhor. Por qualquer motivo vão para o mundo ou para outra igreja porque não desenvolvem uma vida de aliança e assim, são como “fogo de palha” ou, como diz a palavra, “de pouca duração”.

4) Dureza de coração: “... outra caiu em solo pedregoso, onde não havia muita terra (vs. 5a)...”

– Outro grande empecilho para que a palavra de Deus produza benção em nossas vidas é a dureza de coração. Quanto somos inflexíveis, não nos quebrantamos, não abrimos mão dos nossos pensamentos e gostos diante da Palavra de Deus, e a semente não tem como penetrar em nossas vidas e nos mudar. Enquanto tivermos corações orgulhosos e empedernidos, não veremos a prosperidade do Senhor nos alcançando.

Conclusão: O Pai quer te abençoar, semeando em sua vida, porém, é necessário ter uma atitude de receber a semente, aprofundar sua busca ao Senhor, assumir uma aliança com Ele, sua igreja, a célula e permitir que a Palavra mude seus conceitos. Tome, hoje uma decisão ao lado de Jesus.

O que Deus espera de mim?

O que Deus espera de mim?

Texto Chave: Miquéias 6:6-8 - "Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus Altíssimo? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros? De dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão? O fruto do meu ventre, pelo pecado da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente com o teu Deus?"

Introdução: Muitas pessoas pensam que apenas com religiosidade conseguem agradar a Deus e atrair sua benção. Acham que cumprir rituais e participar de cultos é o suficiente. Entretanto, o Senhor tem expectativas mais elevadas a nosso respeito. Nesse texto, Ele instrui o seu povo através do profeta Miquéias, especialmente no versículo 8.

1) “Que pratiques a justiça...” - Isto nos fala da SANTIDADE: Normalmente a palavra justiça na Bíblia tem o sentido de santidade, ou seja, de nossa adequação aos padrões de Deus. Esta é a primeira coisa que Ele exige de nós, que não sejamos apenas religiosos ocos, sem testemunho (como eram os fariseus), preocupados com rituais, mas cheios de comportamento pecaminosos. Se queremos agradar a Deus, temos que viver uma vida santa – Ler também Mateus 23:27-28; Hebreus 12:14 e Romanos 6:19.

2) “Que ames a beneficência...” - Isto nos fala de SERVIÇO: Beneficência ou benevolência tem o sentido de abençoar os outros de maneira prática. Podemos fazer isso através da oração, do evangelismo, da consolidação, do discipulado e nos esforçando por suprir as necessidades físicas, emocionais e espirituais de quem está à nossa volta. E mais: devemos amar a beneficência, ou seja, fazer tudo isso com paixão! Não podemos dizer que amamos a Deus, se não amamos as pessoas, e não podemos dizer que amamos as pessoas se não estamos dispostos a investir nelas. – Ler também I João 4:20 e Gálatas 6:9,10.

3) “Que andes humildemente diante do Senhor teu Deus.” - Isto nos fala de RELACIONAMENTO COM ELE: Andar diante de Deus é ter uma vida de intimidade com Ele. A religião nos faz escravos de Deus, mas Ele nos quer como filhos. A condição para isso é que tenhamos um coração quebrantado e humilde, que aceite sua palavra. Não conseguiremos agradá-lo, sem investir em práticas como a oração, a meditação na palavra e a adoração genuína – ler também João 15:13-15, Isaías 55:6 e João 14:6.

Aos Visitantes: Pergunte a eles se querem aproximar-se de Deus e comprometerem-se numa vida de obediência, serviço e relacionamento com Deus através de Jesus. Ore com eles e consolide-os.

Pr. Danilo Figueiras

Quatro Chaves para o Milagre

Quatro Chaves para o Milagre

Texto: Lucas 6:6-10

Introdução: Muitas vezes temos áreas “mirradas” em nossas vidas, problemas que nos impedem de conquistar, que nos envergonham e entristecem e até limitam nossa relação com as outras pessoas. Como esse homem da história bíblica, que tinha uma mão ressequida e precisava de um milagre, nós também às vezes precisamos.

Mas, como conseguir que Deus haja e libere as coisas que estão amarradas em nossas vidas?

1) Você precisa estar no lugar onde Jesus está "Sucedeu que, em outro sábado, entrou ele na sinagoga e ensinava. Ora, achava-se ali um homem cuja mão direita estava ressequida" (v.6)

- Muitas pessoas buscam o milagre no lugar errado ou nem buscam. Esse homem estava onde Jesus estava operando e por isso ele foi transformado. E onde é que Jesus está? Ele está no meio de pessoas que o buscam, que se reúnem em seu nome – a célula e a igreja (Mateus 18:20 - "Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles").

Não adianta o buscarmos no meio da idolatria (Isaías 42:8 - "Eu sou o Senhor, este é o meu nome; a minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura"), ou em ambientes de pecado.

2) Você precisa vencer todo preconceito religioso"Os escribas e os fariseus observavam-no, procurando ver se ele faria uma cura no sábado, a fim de acharem de que o acusar" (v.7)

– Por incrível que pareça, a religiosidade é um dos maiores empecilhos para que as pessoas tenham um experiência com Deus. Esse homem, para ser curado, precisou enfrentar pessoas (religiosos que não queriam que ele abraçasse a fé e se tornasse um crente em Jesus) e preconceitos (idéias religiosas distorcidas, que não tinham respaldo na Palavra de Deus). Será que tudo o que você aprendeu sobre Jesus ou sobre Deus está na bíblia ou há muitas mentiras da religião? – veja Mateus 15:3 - Ele, porém, lhes respondeu: Por que transgredis vós também o mandamento de Deus, por causa da vossa tradição?".

3) Você precisa assumir publicamente a sua fé em Jesus"Mas ele, conhecendo-lhes os pensamentos, disse ao homem da mão ressequida: Levanta-te e vem para o meio; e ele, levantando-se, permaneceu de pé" (v.8)

– Às vezes queremos a bênção, mas não queremos assumir a nossa fé e obediência ao Senhor diante dos outros. Temos receio de ser rejeitados, ridicularizados ou taxados como “fanáticos”. No entanto, Deus só tem compromisso com quem assume compromisso com Ele – veja Mateus 10:32-33 - "Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus; mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus"

4) Você precisa ter coragem e humildade para reconhecer as suas deficiências "E, fitando todos ao redor, disse ao homem: Estende a mão. Ele assim o fez, e a mão lhe foi restaurada" (v.10)

– Aquele homem só foi curado quando expôs a sua vergonha, o seu problema. Da mesma maneira, quando chegamos à igreja, precisamos ser humildes o suficiente para permitir que nossos líderes e irmãos saibam as áreas que temos que mudar e assim, através do nosso quebrantamento e obediência, o Senhor nos transforme e mude o que é vergonhoso num grande testemunho – veja Tiago 5:16 - "Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e façam oração uns pelos outros, para que vocês sejam curados. A oração de uma pessoa obediente a Deus tem muito poder"

Conclusão: Vivemos um tempo em que os milagres tem acontecido em nossas reuniões, como prenúncio de um tempo de avivamento que está chegando, porém, só serão alcançados aqueles que se dispuserem a assumir a sua fé em Jesus, e crer que o que há de mirrado e amarrado em suas vidas será transformado.

Adaptado de estudo do Pr. Danilo Figueiras

Conhecimento na Palavra

Conhecimento na Palavra

Texto: João 8:32, Efésios 6:16 e 14

Introdução: O conhecimento da Palavra nos traz a níveis de conquista. Precisamos buscar um nível de conhecimento tal que a conquista possa se consumar em nossas vidas. Estamos vivendo tempos onde o aprendizado faz-se importante. Sem conhecimento da Palavra não teremos conquistas.

Desenvolvimento: A orientação de Deus a Josué era que ele deveria não só estudar (meditar), mas falar da Palavra dia e noite.

O conhecimento da Palavra nos traz:

- Prosperidade (Josué 1:8, Salmo 23:1, Isaías 1:19)
- Sucesso (Josué 1:8, Gênesis 12:2)
- Fidelidade (Josué 1:8, Deuteronômio 28:14)
- Respeito (Deuteronômio 28:10)

Conclusão: A medida que continuarmos adquirindo conhecimento, Deus vai liberando a benção d'Ele sobre nossas vidas. O conhecimento da Palavra gera poder para conquistar.

Ninguém que não conheça a Palavra de Deus poderá empreender uma conquista de êxito e duradoura.

Bispo Marco Antônio

O conhecimento na Palavra

O conhecimento na Palavra

Texto: Daniel 12:3, Efésios 6:10 e 11

Introdução: Se observarmos a Carta de Paulo aos Romanos no capítulo 10 diz que “a fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus.” Porém “COMO OUVIRÃO SE NÃO HÁ QUEM CONHEÇA A PALAVRA?

Todas as pessoas sabem muito sobre as “doutrinas” e as liturgias de suas Igrejas, porém, sabem pouco ou nada acerca da Palavra de Deus. No último estudo vimos alguns níveis de conhecimento que nos abençoam pela Palavra de Deus.

Vamos ver algo mais..

Desenvolvimento: Tudo que fizermos vai demandar conhecimento pois:
- O sábio se destaca pela sua sabedoria que vem do conhecimento da Palavra. Daniel 12:3
- O conhecimento da Palavra fortalece o Cristão.
- O conhecimento da Palavra cria em nós um nível de proteção contra os ataques do mal.
- O conhecimento da Palavra fortalece o Cristão de modo que o firma nos caminhos de Deus não o deixando desviar-se. Efésios 6:15

Conclusão: Se não conhecermos bem a Palavra de Deus, significa que também não conhecemos a Deus, portanto, é necessário tirar tempo para estudarmos a Palavra de Deus. Muitas pessoas não falam de Jesus por não conhecerem sua Palavra

Bispo Marco Antônio

O Poder do Conhecimento na Palavra

O Poder do Conhecimento na Palavra

Texto: João 8:32, Efésios 6:16 e 14

Introdução: Você já notou como um número cada vez maior de pessoas, passam pela Igreja, aceitam a Jesus e logo saem da presença de Deus e ficam até mais fracas do que quando vieram?
Você já se perguntou o porquê disso?

Desenvolvimento: Investe-se muito tempo hoje em dia, em campanhas promissoras no nível de cura, prosperidade, libertação, etc... Porém ensina-se pouco ou quase nada acerca de como manter a cura, a prosperidade e a libertação. A questão queridos é que precisamos aprender, pois a vida se faz com um aprendizado diário e ininterrupto.

Se o cristão não dispuser de tempo para o aprendizado da palavra, toda a conquista se perderá. É como colocar vinho novo em odre velho.

Vejamos:
- O conhecimento da Palavra confirma a Libertação. (João 8:32)
- O conhecimento da Palavra nos protege da ação do inimigo. (Efésios 6:16)
- O conhecimento da Palavra nos habilita a vencer o inimigo. (Efésios 6:17)
- O conhecimento da Palavra nos consolida e fortalece em nossa caminhada cristã.

Conclusão: Devemos nos aplicar ao conhecimento da palavra, para tanto queridos, precisamos ter a mente aberta à toda oportunidade que tivermos, seja Seminários, Escolas, Congressos e outros. Precisamos dar ênfase no conhecimento da Palavra de Deus, pois sem conhecermos a palavra, perecemos.

Bispo Marco Antônio

O Espírito Santo atuando na Unidade da Igreja

O Espírito Santo atuando na Unidade da Igreja

Texto: Atos 4:31

Introdução: Sabemos que o inimigo nos últimos dias tem trabalhado para manter a igreja o mais desunida possível, como?
Trazendo muito ativismo para envolver as pessoas da igreja.
Trazendo direções diferentes para líderes e pessoas da igreja.
Para fazer com que isto pare contamos com o Espírito Santo que tem trabalhado trazendo a unidade da igreja.

Em que nível precisamos estar unidos?

1- No pensamento – Filipenses 4:8
A igreja precisa entender que quando há unidade de pensamentos o caminhar fica mais tranquilo e abençoado. A igreja que tem unidade de pensamentos avança na mesma direção e amplia seus espaços.

2- Nas atitudes – Atos 4:33
A forma como agimos provoca uma reação coletiva que traz um nível de transformação tremendo para a igreja. As pessoas precisam ver em nós as mesmas atitudes.

3- Na concordância - 1 Coríntios 1:10
Quando dois de nós concordamos acerca de alguma coisa na terra Deus terá prazer em nos abençoar e fazer com que a prosperidade nos alcance.

4- Na divisão de tarefas – Atos 6:1-6
A seara realmente é grande e os trabalhadores são poucos, mas para isso é preciso que tenhamos sensibilidade na divisão de tarefas, não querer abraçar todas as atividades sozinhos. A divisão de tarefas é uma mostra de que estamos em unidade e não centralizando tudo numa só pessoa.

5- Nas conquistas – Atos 5:14
Toda conquista só se consolida se tivermos unidade dada pelo Espírito Santo. Devemos querer conquistar pela unidade e não na individualidade.

Somos templo do Espírito Santo

Somos templo do Espírito Santo

Texto: "Não sabei vós que sois templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós é santo" (1 Coríntios 3.16, 17).

Introdução: Nós fomos criados a imagem e semelhança de Deus (Gênesis 1.26). Somos feitura sua, criados para o louvor da sua glória. Deus colocou em nós o fôlego de vida e fomos criados para sermos sua habitação. Ele fez tudo isso para vir morar dentro de nós. Portanto, nosso corpo deve refletir a santidade d'Ele. Para isso acontecer temos que cuidar de nosso corpo com zelo.

Vejamos as posturas que precisamos ter:

1 - Ter cuidado com nossas atitudes

a - Com o que vemos - "A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz" (Mateus 6.22)
O nosso olhos são a porta de entrada da nossa alma, eles fotografam as imagens e guardam na mente. Precisamos vigiar para que o nosso adversário não nos pegue nessa área, pois como nova criatura, temos a mente de Cristo e ela poderá ser contaminada se não andarmos em vigilância. "..., nós temos a mente de Cristo" (1 Coríntios 2.16)
b - Com o que ouvimos - Podemos ter a alma contaminada através da audição. Vigilância e selecionar ao que submetemos os nossos ouvidos, é necessário - "a fé vem pelo ouvir..." (Romanos 10.17)
c - Com o que falamos - Nossas palavras devem ser equilibradas e conduzidas pelo Espírito Santo, para que sejam edificadoras para quem as ouve - "A nossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um" (Cl 4.6)
d - Com o que fazemos - Nossas atitudes revelam quem somos - "Sabei isto, meus amados irmãos, mas todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus. Pelo que, rejeitando toda a imundícia e superfluidade de malícia, recebei com mansidão a palavra em vós enxertada, a qual pode salvar as vossas almas. E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos" (Tiago 1.19-22)

2 - Cuidar da estética corporal

Se somos templo de Deus, precisamos cuidar da saúde do corpo.
a - Na aparência - A nossa aparência reflete como estamos interiormente, isto é, a saúde da alma. Se andamos relaxadamente, de qualquer jeito, estamos desprezando o que Deus criou de uma maneira muito linda. Portanto, o nosso vestir deve ser nobre, decente, discreto, isento de sedução. Não é preciso viver comprando roupas para mostrar que se veste bem, mas saber vestir o que tem, com elegância, combinando as peças e estar sempre limpas e cuidadas. Também precisamos fugir da aparência do mal, não usando roupas que despertem a sensualidade, cuidando para que o outro não peque (lascívia)
b - Na higiene corporal - Cuidar da higiene do corpo, tomando banho diariamente, manter os cabelos limpos e tratados, escovar sistematicamente os dentes evitando assim o mal hálito. São hábitos externos que demonstram zelo pelo Templo de Deus e também um excelente testemunho como cristão.
c - No combate a obesidade - Precisamos entender que todo peso acima do proporcional ao nosso biotipo nos causa desconforto, cansaço, aumento da pressão arterial e aceleração cardíaca, o que pode acarretar partida para eternidade fora do tempo. É necessário recuperar a auto-estima, vencer os complexos, os traumas, para que o nosso corpo reflita a glória de Deus. Vejamos o que o Apostolo Paulo escreveu em 1 Tessalonicenses 5.23: "E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, alma e corpo, sejam conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo".

3 - Ser exemplo em tudo

Como filhos de Deus devemos espelhar a sua glória, sendo Seus imitadores. - "Sede pois imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave" (Efésios 5.1, 2).
Fugir das obras da carne (Gálatas 5.19-21).

4 - Ser santos

"Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo" (1 Pedro 1.15, 16).
a - Com unidade de Espírito - (Efésios 1.3, 4)
b - Em todo o nosso viver (1 Pedro 1.15, 16)
c - Tendo os nossos corpos em sacrifício (Romanos 12.1)
d - Tendo o Fruto do Espírito (Gálatas 5.22)

Conclusão: Somos filhos de Deus e precisamos refletir a Sua glória, não só em palavras, mas em atitudes que revelem o Deus que está em nós. Sejamos referencial de santidade a cada dia, sendo zelosos no que fazemos, no que falamos ou pensamos, buscando a santidade em amor, sendo exemplos em tudo, para glória de Deus.

2/27/2013

Suicídio; estado de desespero

Suicídio; estado de desespero

Texto: Apocalipse 21:8

Introdução:  Há muitas questões hoje em relação à vida humana.
Aborto e eutanásia são duas dessas questões. Muitos acreditam que o homem deve ter o direito legal e moral de dispor de bebês indesejados. Outros acreditam que os idosos que já não são produtivos devem ser eliminados. E há aqueles que consideram que o homem deve ter o direito legal (especialmente o suicídio assistido) e moral de tirar a própria vida, o suicídio.

I. O suicídio, um fato da sociedade.

A. Apesar do aumento do nosso padrão de vida e cuidados  de saúde, o suicídio continua. De fato, durante a temporada de férias em muitos países o homicídio e suicídio abundam. O suicídio continua a ser um dos principais matadores da adolescência.

B. Muitas pessoas estão procurando nos lugares errados a substância da vida e a respostas necessárias às questões.

a. Alguns buscam na riqueza (I Timóteo 6: 5-11; Lucas 12: 15, Eclesiastes 2: 4-11).

b. Alguns buscam na sabedoria secular (I Coríntios. 3: 18-21, Eclesiastes. 1: 12-15).

c. Alguns buscam nos prazeres para se satisfazerem (Hebreus 11: 25, Eclesiastes 2: 1-3, 11).

d. Muitos buscam as respostas para a vida nas doutrinas de homens (Mateus 15: 1-14).

II. O homem não tem autoridade para tirar a vida humana.

A. Assassinato - seja de bebês, idosos, ou de si mesmo - é pecado (Apocalipse 21:8).

a. O homem é feito à imagem de Deus (Gênesis 1:26,27). Portanto, há uma legislação contra a tirar a vida humana.

b. Quando o carcereiro de Filipos estava prestes a cometer suicídio, Paulo lhe disse: “... Não te faças nenhum mal" (Atos 16:28). Paulo, em seguida, pregou o evangelho a ele e ele foi salvo (Atos 16: 30 ss.). 

III. Suicídio indica um estado de desespero.

A. Alguns tiram a própria vida por causa de solidão extrema. Alguns porque acreditam que não têm nenhuma razão para viver. Outros se matam por causa de uma situação que consideram impossível de lidar.

B. Deus é o remédio para as causas do suicídio.

a. Deus pode afastar a solidão com a sua presença (Efésios 2:12-22).

b. Ele dá razão para viver (Eclesiastes 12:13).

c. Ele oferece soluções para circunstâncias difíceis. (Filipenses 4:13, 6, Lucas. 18: 1; Atos 2: 38).

d. Deus também remove a excessiva carga que você carrega - a principal causa de suicídio e dá coragem (Lucas 9:23, Atos 18: 9, 10).

Conclusão:  Meu amigo, Deus oferece o oposto do clima de autodestruição. "Para quem quer amar a vida e ver dias bons..." (I Pedro 3:10). 

Você acha que alguém tem o direito de tirar a própria vida? Deixe sua opinião é importante.

Pr. Aldenir Araújo

Esboço de sermão: Determinação

Esboço de sermão: Determinação

Texto: 1 Coríntios 2:1-5 

Introdução

1. Das muitas coisas que se pode dizer do apóstolo Paulo, é que ele era uma pessoa determinada.

a. Antes de sua conversão. (Atos 9:1-2)

b. Depois da sua conversão. (Atos 20:17-24; Filipenses 3:13-14)

2. Esta mensagem irá incutir essa determinação, em cada um de nós para o que deve caracterizar a vida de cada cristão. (2 Pedro 3:14) 

I. Determinação definida e ilustrada

A. Definições.

1. "Decidido, resolvido, firme, resoluto".

a. Resoluto: Firme determinação, ousado, audaz.

2. Krino, principalmente para separar, portanto, ser de opinião, aprovar, auto estima, Romanos 14:5; também para determinar, resolver, decretar, é usado neste sentido em... I Coríntios. 2:2.

3. "Para determinar, resolver, decreto". (cf. 1 Cor. 7:37 - "firmes em seu coração." )

B. Ilustrações...

1. José: Não pecar contra Deus. (Gênesis 39)

2. Daniel: A adorar a Deus. (Daniel 6)

3. Neemias: A reconstruir os muros de Jerusalém.

4. Paulo: No texto e na vida. 

II. Nós devemos ser determinados a fazer as coisas certas

A. Muitos são determinados, mas não para as coisas certas.

1. Para fazer o que quiserem.

2. Para seguir seu próprio caminho.

3. Para fazer o mal, mesmo sabendo fazer o bem.

4. Para ter a preeminência. (3 João 9)

5. Para manter as tradições. (Mateus 15:3)

B. A determinação deve ser orientada pela palavra de Deus. (2 Pedro 1:5)

1. Virtude: A determinação de fazer o certo.

2. Deve adicionar o "conhecimento" para ter virtude. ( 1 Tessalonicenses 4:1, 2:13) 

III. O que devemos estar determinados a fazer?

A. Conhecer mais da palavra de Deus. (Hebreus 2:1-3)

1. Uma vez que ela é o nosso guia, devemos estar familiarizados com ela.

a. É uma lâmpada para nossos pés. (Salmo 119:105)

b. Ele dá compreensão. (Salmo 119:104; Efésios 3:4)

2. Ela faz um cristão aprovado. (2 Timóteo 2:15, 2 Pedro 1:10)

B. Crescer como cristão. (2 Pedro 3:18, 1 Pedro 2:1-2)

1. Dois elementos necessários para o crescimento: alimento e exercício físico.

2. Amar e defender a verdade. (1 Coríntios. 16:13, Efésios 6:10)

C. Servir o Senhor fielmente. (1 Coríntios. 15:58)

1. Exige abnegação. (Mateus 16:24-25)

2. Serviço ao Senhor não é algo que você faz uma semana e esquecer na outra. (Gálatas 6:9)

D. A ir para o céu. (Atos 20:24; Filipenses 3:13-14) 

Conclusão

1. Se você está determinado a ir para o céu, estará determinado a fazer todas as coisas necessárias para chegar lá.

a. A graça de Deus e nossa determinação vai levar-nos lá.

b. Temos de ser determinados para fazer a vontade do Senhor.

2. Se não estamos determinados a ir para frente, a nossa condição espiritual irá deteriorar-se.

3. Estou determinado a fazer o melhor que posso para o Senhor. Você quer se juntar a mim? 

Pr. Aldenir Araújo

O homem de Deus em tempos perigosos

O homem de Deus em tempos perigosos

Texto: II Timóteo 3:1
Introdução:
1. Qual tempo se refere o inspirado apóstolo Paulo?
              a) Duas opções:
                     i. Ao período anterior ao fim do mundo (?)
                     ii. A dispensação cristã.
2. Os posteriores tempos = posteriores dias
               a) Atos 2:17
               b) Hebreus 1:2
               c) Judas 18
3. Devemos entender que os tempos perigosos se repetem através da dispensação cristã.
               a) O homem de Deus sofrerá perseguição.
               b) Existirá a possibilidade de perder-se.
               c) Existirá a possibilidade de perder o norte:
                         i. Prioridades pouco claras.
                         ii. A falta de confiança em Deus.

  1. Definições:

             a) Homem: Varão ou mulher criados por Deus (Gênesis 1:26-27)
             b) De Deus: Que pertence a Deus, porque foi comprado pelo preço de sangue.
             c) Tempo: Duração das coisas sujeitas a mudança, época ou período.
             d) Perigo: Risco ou contingencia iminente de que aconteça algum mal. 

I. O homem de Deus em tempos perigosos deve ter claro as suas prioridades

A. Deus em primeiro lugar, Depois as demais coisas.
1. (Marcos 12:29-31)
a. Amar com todo: O coração, a alma, a mente e as forças.
b. Depois o amor ao próximo...
2. O amor a Deus está em primeiro lugar.
3. (Mateus 10: 34-39).
a. Cristo primeiro, depois minha família.
B. É preciso agradar a Cristo, antes de agradar aos homens.
1. (Gálatas 1:10)
a. O homem de Deus em tempos perigosos deve agradar a Cristo.
2. (1º Tessalonicenses 2:4)
a. O homem de Deus em tempos perigosos fala para agradar a Deus.
b. Compare: (1º Coríntios 4:2).
3. Ter claras as prioridades não é:
a. Viver para agradar a família.
b. Viver para agradar a algumas pessoas da “igreja de Cristo”...
c. Querer agradar a Deus e aos homens ao mesmo tempo
d. Assistir os cultos no domingo sem se comprometer com Cristo
a) Para não ter problemas por nossa fé.
b) Para não sofrer a exclusão dos de fora...

II. O homem de Deus em tempos perigosos deve ter uma visão espiritual

A. Os olhos postos no galardão celestial.
1. (2º Pedro 3:13)
B. Os olhos focando através das circunstancias externas.
1. (Romanos 8:35-39)
C. Os olhos iluminados pela luz de Cristo.
1. (Lucas 2:32; Mateus 4:15-16; João 3:20-21; 8:12; Efésios 5:14-16)

III. O homem de Deus em tempos perigosos deve persistir na fé

A. Apesar da oposição.
1. (Atos 14:22)
a. O homem de Deus em tempos perigosos lembra que há um preço a pagar
2. Perseguição por causa da vida de piedade (2º Timóteo 3:10-12).

Conclusão:

1. Você é de Deus
A. Você foi comprado por preço de sangue
B. Você está rodeado de perigo.
C. Tenha cuidado
a. Recorde suas prioridades
b. Mantenha uma visão espiritual
c. Persista na fé
d. Seja fiel.

Pr. Aldenir Araújo

Ser religioso não é suficiente

Ser religioso não é suficiente

Texto: Tiago 1: 27

Introdução:  Milhares de pessoas pensam que ser adeptos de uma determinada religião garantirá o direito de salvação. Estão completamente enganadas. Não há ritual que garanta perdão de pecados e vida  eterna. A ênfase de Jesus não foi na religião e nem nas tradições, mas no tipo de relacionamento e no grau de comunhão que o homem pode travar com ele.

O cristianismo como sistema religioso, não irá abrir – lhe a porta do céu. O judaísmo era fundamentado na revelação de Deus. Todo sistema de culto era baseado no que Deus havia mostrado a Moisés. A religião judaica, porém tornou- se vazia, tirou o foco de Deus e o colocou nos rituais.

I. Jesus condenou a religiosidade dos fariseus e dos escribas

Em Mateus 23, Jesus fez um duro discurso contra os fariseus e escribas. O motivo foi o tipo de religiosidade daqueles homens

1. Religiosidade de aparências. V. 3, 4, 25 -28

a. Os fariseus gostavam de mostrar às pessoas que eram muito religiosos.

b. Os filactérios mencionados no verso 25 eram caixinhas que continham uma faixa de pergaminho com passagens bíblicas. Os judeus traziam os filactérios junto à testa e ao braço esquerdo, durante a oração matinal, para se lembrarem das palavras de Deus. Êxodo 13: 16; Deuteronômio 6: 8. Jesus afirmou que tudo aquilo não passava de aparência e pompa religiosa. Porque não havia transformação interior Mateus 23: 23 – 27

c. Aqueles homens foram comparados a sepulcros caiados, eles não praticavam o que pregavam

2. Religiosidade legalista e escravizadora. Mateus 23:4

a. Os fariseus, escribas e saduceus estavam escravizados pela lei mosaica e pelas tradições religiosas. Gálatas 4:24. Havia centenas de regras que deveriam ser rigorosamente observadas.

b. Aquela religiosidade legalista, com todas as suas tradições, afastava o adorador de Deus. Ao invés de dar esperança de salvação, trazia temor.

3. Religiosidade que não aceitava a plenitude da revelação divina. Mateus 23:34 36

a. Jesus era o Messias preanunciado no Ant. Test., mas estava sendo rejeitado. A religiosidade dos escribas e fariseus não tinha espaço para a manifestação de Deus. Foi essa religiosidade que Jesus condenou.

b. O senhor não anunciou escravidão, mas liberdade, João 8 : 36, não pregou religião, mas transformação de vida e comunhão com o pai .

II. Condenação a religiosidade sem compromisso.

Tiago, um dos lidere da igreja do novo Testamento, condenou a religiosidade vazia sem vida sem compromisso, que tem as seguintes características:

1. Religiosidade que não busca a santidade v. 27

2. Religiosidade que faz acepção de pessoas, 2:1-6.

a. A fé em Jesus não admite que trate ninguém com parcialidade.

b. No corpo de Cristo, devem desaparecer as classes sociais, as barreiras culturais e raciais.

3. Religiosidade que não tem preocupação social. 1: 27, 2: 14 – 26

4. Religiosidade que é comprometida com o mundo. 4 : 1- 4

a. No corpo de cristo não ha lugar para se sustentar amizade com o mundo

5. Religiosidade que não é Cristocêntrica. 2:1

III. Fatores fundamentais para os que desejam ser verdadeiros discípulos de Jesus.

1. Abandono da velha vida. Atos 3: 19

2. Desprendimento.

a. Os discípulos de Jesus está pronto a negar-se a si mesmo e a colocar seus interesses abaixo dos interesses do Senhor

3. Aceitação da autoridade absoluta da palavra.

4. Caráter transformado.

Conclusão: ser religioso não é suficiente. A religião não tem o poder de salvar o pecador e nem de libertá-lo de seus pecados. Só cristo da nova vida

Pr. Aldenir Araújo

A verdadeira religião

A verdadeira religião

A verdadeira religião vem de um coração honesto. A Bíblia diz em Isaías 29:13 “Por isso o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas tem afastado para longe de mim o seu coração, e o seu temor para comigo consiste em mandamentos de homens, aprendidos de cor.”

A verdadeira religião está focada em Jesus e não em filosofias. A Bíblia diz em Colossenses 2:8 “Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo.”

A verdadeira religião produz frutos espirituais. A Bíblia diz em Mateus 21:43 “Portanto eu vos digo que vos será tirado o reino de Deus, e será dado a um povo que dê os seus frutos.”

A verdadeira religião é ajudar os outros e manter-se fiel ao Senhor. A Bíblia diz em Tiago 1:27 “A religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo.”

O significado da palavra Gospel

O significado da palavra Gospel

"Gospel" é uma palavra de origem americana. Vamos tomar as contrações das palavras inglesas "God" que significa Deus e "spell" que significa apelar, soletrar. Derivada dos "Spirituals" (Espirituais), o cântico religioso dos escravos negros americanos.

O significado destas duas contrações God + spell = Gospel significa "evangelho" "boa nova". E ao antepormos a palavra Música, temos Música Góspel que significa "música evangélica".

Além do Gospel original há vários tipos de música gospel, que para não serem confundidos com a primeira, são chamados de "Christian Music" (música cristã) nos Estados Unidos.

Depois de ficar muito tempo restrito aos negros, hoje a música gospel é um estilo musical conhecido no mundo todo, e tem sua própria parada na revista "Billboard" (EUA), uma das mais conceituadas do Musical World, e promove um prêmio para os artistas do gênero, o Dove Awards. Devido ao grande destaque a propagação da música Gospel, ela foi também incluída no Grammy (maior premiação da música mundial).

A Música Gospel ganhou força também com o apoio das Redes de TV com programas voltados ao púbico evangélico, como Record, Band, Rede TV, Etc.

Podemos estar certos de que a grande quantidade de música Gospel de excelente qualidade e que realmente falam de Deus e de seu Amado Filho Jesus Cristo e com mensagens muito glorificantes embutidas e verdadeiras pregações do Evangelho, as quais têm alcançado muitas vidas, e de forma espontânea
Muitos cantores de Musica Gospel como também dos Hinos Cristãos são realmente usados pelo Senhor para trazer sua verdadeira mensagem, aquela que propicia salvação de almas.

AMPLIANDO

Trata-se de uma palavra de origem inglesa, que significa Evangelho (traduzida do latim Evangelium e do grego Euaggélion). Exemplo: The Gospel According to St. Matthew (o Evangelho Segundo São Mateus): “And he said unto them, Go ye into all the world, and preach the gospel to every creature” (Mk. 16:15) - “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15).

Aqui no Brasil, emprega-se tal palavra com função de adjetivo. Por exemplo: crente gospel, igreja gospel, música gospel, cantor gospel, cine gospel etc. E isto é correto?

Bem. É sabido que todas as línguas do mundo sofrem influências de outras línguas. No português isso não é diferente. São abundantes as palavras e expressões estrangeiras presentes em nosso idioma. Algumas por puro modismo. Por exemplo: menu (em vez de cardápio), corner (por escanteio), back (no lugar de zagueiro ou beque), enquete (em substituição a pesquisa), premier (em vez primeiro-ministro), teens (por adolescentes) etc. Outras, entretanto, são indispensáveis, por não haver equivalentes em nossa língua. Por exemplo: dumping, rush, iceberg, pizza, hippie. Há também algumas palavras que já foram aportuguesadas e incorporadas ao nosso idioma, tais como: abajur, bife, xampu, futebol, judô, tênis, etc.

Para os gramáticos, os empréstimos linguísticos só fazem sentido quando não houver palavras para substituí-los. Quando usados por subdesenvolvimento ou colonialismo cultural, são completamente desnecessários e inúteis.

Pb Amauri Galvão

Você é Gospel ou cristão?

Você é Gospel ou cristão?

Você sabe a diferença entre ser gospel e ser cristão?

A expressão gospel (que em inglês significa evangelho) está na moda no Brasil. Faz parte da identidade que muitos evangélicos assumiram e assinam embaixo. Mas será que ser gospel significa mesmo ser cristão ( que quer dizer aquele que é de Cristo)?

Esse termo faz parte de uma enxurrada de outros termos americanos que invadiram nossas igrejas e nossa teologia, e fizeram com que perdêssemos muito da nossa essência. Você pode achar que essa é apenas uma discussão semântica, mas te convido a continuar lendo, pra perceber a diferença entre os dois.

Abaixo, querido leitor, elenquei a diferença de compreensão do evangelho e da vida por parte do ensinamento gospel e do ensinamento reformado cristão. Acompanhe:

O gospel alcança o favor do Rei para possuir a terra;

O cristão busca a justiça do Reino e confia na provisão.

O gospel decreta/profetiza a vitória e busca o novo de Deus;

O cristão suporta as provações confiando que o Deus de sempre nunca o abandonará.

O gospel vive rompendo em fé e movendo o sobrenatural a seu favor;

O cristão alcança por meio da fé (dada por Deus) a salvação de sua alma e espera ser feita a vontade de Deus.

O gospel enxerga a Bíblia como um amuleto que o livrará de todos os males da vida (se aberta em Salmos 91, é claro);

O cristão tem a Bíblia como a única regra de fé e prática.

O gospel é dizimista;

O cristão é generoso.

O gospel jejua para chamar a atenção de Deus;

O cristão jejua como forma de servir e se humilhar.

O gospel defende o que o pastor dele fala;

O cristão defende aquilo que diz a Bíblia.

O gospel gosta de modinha;

O cristão mantém os valores do Reino.

O gospel acha que é filho do Rei, por isso merece o melhor;

O cristão o sabe que é um pecador e que o que tem é fruto da Graça.

O gospel busca no evangelho satisfazer seus interesses e ser abençoado;

O cristão abençoa o seu próximo e está pronto a abrir mão do seu próprio interesse em favor do irmão.

O gospel limpa o pé pra pisar no “altar” da “casa de Deus”.

O cristão faz de todo lugar um altar e de sua vida um sacrifício pra Deus.

O gospel almeja pisar na cabeça de seus inimigos;

O cristão dá a oferece a outra face perdoando e amando aos que lhe fazem mal.

O gospel busca o Reino de Deus e a sua justiça, pois assim receberá todas as coisas;

O cristão busca o Reino de Deus e a sua justiça confiando na provisão diária.

O gospel busca a Deus e espera receber;

O cristão busca a Deus e está pronto a servir.

O gospel suporta o irmão por causa do culto;

O cristão suporta o culto por causa do irmão.

E você, o que tem sido: GOSPEL ou um simples CRISTÃO? Pense nisso!

Thiago Ibrahim

Evangélico ou Gospel?

Evangélico ou Gospel?

Você é evangélico ou você é gospel?

Uma geração que sonha os sonhos de Deus, uma geração que busca transmitir a palavra viva, uma geração que não é gospel, mas uma geração evangélica, é isso que temos que nos comprometer, tão somente com o Reino de Deus, afinal foi responsabilizada a nós o proclamar da salvação aos homens e mulheres dessa terra, pois é isso que há de melhor nesse mundo, logo se não fosse assim, Deus o supremo de nossas vidas, não teria enviando o seu único Filho, Jesus Cristo para morrer por nós, pagando assim os nossos pecados, proporcionando a cada um de nós, grandes e pequenos, ricos e pobres, ou seja, proporcionar ao Ser Humano, Vida em abundancia.

Como cidadão dos céus, conhecedores e estudiosos da bíblia, observamos dia a dia vários fatos e acontecimentos que nos remetem a uma mensagem lógica: - O fim está próximo, Jesus Cristo está à porta dos céus para buscar a sua noiva, a Igreja que é propriedade Sua. Essa igreja não é aquele prédio luxuoso, templos faraônicos, essa igreja somos nós, pessoas que servem a Jesus Cristo.

Diante das ameaças aos que professam Jesus Cristo em nossos dias, por meio de armas modernas, que não são armas de destruição em massa, e nem tão pouco as armas a laser, mas as leis que objetivam inibir os embaixadores e representantes do Reino Celestial.  Nesse pequeno trecho acabo por lembrar-me dos filmes apocalípticos que assistia em minha infância, na igrejinha modesta onde congregava, e frequentava com minha família, filmes esses que no contexto das cenas o amor a obra e principalmente a negação a Jesus Cristo eram o pano de fundo do enredo, princípios de fidelidade a Jesus Cristo eram postos a prova, sob pena de morte aqueles que defendem a ordenança de pregar o evangelho a toda criatura, e defender aquilo que de fato a bíblia ensina, sabendo que por causa do nome de Jesus Cristo seriamos mortos. A perseguição aos cristãos acontece em alguns países, uns com intensidade e outros com descrição, mas é a realidade que não estamos isentos de sofrer com intensidade em nossa geração ou na geração dos nossos filhos, e nisso eu pergunto igual à cena do filme da minha infância: - Nega a Jesus Cristo ou morre? Algo assustador não acha? Ou algo longe de acontecer e sensacionalista e exagerado da minha parte? Essa resposta é individual, portando de exclusiva propriedade sua.

Semanas anteriores, conversava com um amigo sobre o ser cristão em nossos dias, e particularmente creio que a mensagem deve ser anunciada de todas as formas, sejam pregações na rua, pregação no interior dos meios de transportes coletivos, por sites, telefonema amigos, canais de relacionamentos na internet, rádios, TVs em resumo, como cristãos, temos que tomar posse daquilo dito por Jesus Cristo, e o parafraseado, digo: Nos evangélicos temos feitos coisas maiores que Cristo, por meio das nossas infinitas ferramentas tecnológicas e a crescente sabedoria humana, como está escrito em João 14-12: Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai. Lembrando sempre grandes coisas para que Cristo cresça não os canais, não para que eu e você apareçamos e isso é manter a essência, o foco que é Jesus Cristo a Verdade revelada a nós, cuido irmãos com a altivez!

Voltando a conversa com amigo, observo que temos dois seguimentos na atualidade: o ser gospel e o ser evangélico, e nesse contexto deixo claríssimo, não sou adepto do modernismo exagerado e nem tão pouco do conservadorismo hipócrita dos antepassados, mas mantenho a essência, o alvo que é Jesus Cristo, não esse “je-sus moderno” que defende a união homo afetiva como grupos que se dizem evangélicos e ecumênicos defendem como exemplo de amor, tolerância e dialogo, pois ser fiel é não negociar a sua fé, e outras tais correntes da prosperidade; onde a riqueza na terra é um clichê cristão, onde todo o crente tem que ser milionário, ainda o crente da super unção disso ou daquilo e por ai segue as “tendências gospel”.

Gradativamente observo o crescimento do pirotécnico e mercadológico do gospel e a perca da essência da simplicidade em transmitir Jesus Cristo e a sua proposta de salvação, o ser evangélicos onde é realizado um convite que você aceita ou não, mas educadamente Deus concede liberdade de escolha ou livre arbítrio para cada um dos seres humanos, isso é ser soberano, por meio da liberdade não controlada, mas o Deus que permite que façamos escolha, de ir para o céu ou não ir para o céu, mas Deus também é justiça e nossas escolhas têm as suas justas consequências. Esse é um assunto polêmico, que tratarei em outra oportunidade, mas atrelado a isso observamos em nossas igrejas um esfriamento e um falso esquentar, onde comprovamos que amor de muitos já esfriou.

O ser gospel e o ser evangélico são distintos, é semelhante à palha e o trigo, é o profeta verdadeiro e o profeta falso, algo presentes em nossos dias onde muitos poderão ser tragados por conhecer, mas não viver a palavra de Deus, vivendo um falso cristianismo, uma pessoa que tão somente se envolve com as coisas de Deus, mas não se comprometem com Ele, um ser humano que deseja a benção de Deus, mas não deseja o Deus da benção.

O individuo que é gospel ele apenas leva a bíblia debaixo do braço para o templo, leva o crucifixo no peito, dá a paz do senhor ou graça e paz, veste uma determinada roupa, terno, dá aleluia, frequenta a igreja evangélica ou católica, é isso? São essas as características? NÃO! Existem três coisas que diferenciam o ser evangélico do ser gospel: primeiro; temos que ser discípulo de cristo no imitar o mestre, ou seja, Um discípulo de Cristo quer estar onde Ele está, ou seja, quer estar junto a Cristo: - Jesus anda em prostíbulo? Não! Então você também não pode. Jesus anda em lugares em que se pratica iniquidades? Então você não pode.

Sejamos, pois como Paulo que foi determinante em dizer: “Sede meus imitadores”, ele não colocou Jesus em uma posição inferior a Ele, mas Paulo se colocou em uma posição imitador de Jesus Cristo, ser imitador é ser evangélico de fato, é ter compaixão, liberar perdão, amar ao próximo e ter sinceridade, ficando, portanto ratificado que só podemos ser um verdadeiro cristão se formos discípulos de Cristo e obrigatoriamente para ser discípulo dele é necessário, ser imitadores dEle, como está escrito em 1João 2-6; Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou, ou exemplo disse é quando estudamos o livro de Atos observamos claramente que na Antioquia, os discípulos de Cristo, receberam esse nome porque as suas vidas eram parecidas com a vida de Cristo, como está escrito em Atos 11:26.

Ser Evangélico e não gospel é produzir frutos, mas esses frutos não é fruto de espírito, não é o que está escrito em gálatas 5 – 22, mas o fruto do evangélico é tudo aquilo que produzimos que glorifica a Deus e que abençoa a outros, como está escrito em João 15 – 8; Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos e baseado nisso pergunto : - você está produzindo fruto bom ou fruto podre ? Ser evangélico e não gospel é ter uma profunda comunhão com outros discípulos, esse papo de cristão isolado, que não convive com os outros e entrar mudo e sair calado é correto? É obvio que não, pois você só ama construindo relacionamentos uns com os outros para que o mundo reconheça que Jesus Cristo é o único Senhor, e muitas vezes encontramos lideres que proíbem seus liderados a ter comunhão com outros cristãos de denominação diferente, esses lideres esquecem o que diz em João 13:35; Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros. E João 17:21; Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste, para ser evangélico discípulo de Cristo é indispensável haver um profundo relacionamento uns com os outros discípulos.

Enfatizei algumas características do individuo evangélico, mas farei o contrario nesse parágrafo, falo agora de uma característica particular do ser gospel, esse pensa que está na igreja para ser servido, que pensa que está pagando ingresso para assistir um show, e só que receber, esse está quadradamente enganado, um verdadeiro cristão é servo, como está escrito em Romanos 1:1 ; Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus. E tantos outros capítulos e versículos são enfatizados o serviço, Filipenses 1:1, Tito 1:1, Tiago 1:1, II Pedro 1:1 e diversos trechos da bíblia.

Continuemos a falar e diferençar o ser gospel do ser evangélico, e isto está na fidelidade, aquilo que sempre abordo, é necessário que sejamos comprometidos e não envolvidos, sendo fiel, afinal o conceito disso é aquele que cumpre aquilo que se obriga, pois não foi você que quis aceitar a Cristo? Ele não é para você o Senhor da sua vida? Então cumpra aquilo que se obriga, seja servo! O ser gospel é não ser prudente no falar, fazendo comentários negativos da igreja, irmãos e assuntos diversos perto do ímpio e principalmente de pessoas que ainda não tiveram um encontro com Cristo, seja prudente irmão, você mesmo é o culpado de afastar teu irmão, marido, filho, amigos e vizinhos do encontro verdadeiro, esquecendo que somos humanos, e, portanto sujeitos a falhas, porém é prerrogativa de Deus julgar e não você, logo o servo, ou seja, o evangélico não causa dano ao seu Senhor nem a Sua obra, seja, portanto bom ou produtivo, eu pergunto: - O que você está produzindo no Reino de Deus? Ou será você um alisador de banco? Domingueiro cara-de-pau que só vai a eventos na igreja ou show gospel? O que você fez no Reino de Deus? O que já realizou? O que produziu para a edificação da Igreja? Será que o Cristianismo é oba-oba?

O evangélico é servo que trabalha de boa vontade, satisfeito e alegre, pois sem motivação em Cristo o resultado é ruim, não existe qualidade produtiva, mas insatisfação, e isso infelizmente têm gente uma meia dúzia de “gospel” altivo, ou seja, metidos a besta que não sabe servir a ninguém no Reino de Deus, parece até um artista na igreja que só aparecer e se promover na igreja, realizando pirotecnia gospel.

Queridão! Saiba que terá gente cheia de dons e unção com passaporte e suíte reservado no inferno! E não me venha com seus conceitos e interpretações eufimista sobre a bíblia, pois é palavra de Deus é enfático nisso, o próprio Jesus disse: "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade" Mateus 7.21-23, isso é bíblia! E afirmo ainda a você, nos textos e contextos do novo testamento Jesus Cristo pregou mais sobre o inferno do que o céu.

O evangélico é aquele que é Amigo de Cristo, tendo a marca dEle em sua vida, um pessoa que ama a Cristo, não aquele que só usa o nome dele na hora da dificuldade extrema ou sufoco, e quando está tudo bem, simplesmente dá as costa a Cristo. Você está obedecendo-o, pois se você não cumpri as sua palavras e não obedece os seus mandamentos, você não é amigo dEle. Pois saiba Jesus compartilha conosco os Ministérios de Deus para nossas vidas e nós compartilhamos as nossas necessidades. Quem é evangélico e não gospel, não tem vergonha de orar e falar o que necessita.

Jesus Cristo conhece as nossas fraqueza e necessidades, mas quer te ouvir, como está escrito em Filipenses 4-6; Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. Lembre-se, portanto o que está escrito em João 15 – 13 a 15; Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer.

Pesquisando alguns minutos pela mídia eletrônica identificamos artistas não evangélicos, mas tão somente tipificados como gospel, esses personagens do mercado que comercializa em nome de Deus, eles mesmos deixam claro que são gospel, de fato para ser evangélico como relacionados nos parágrafos anteriores, é algo profundo, e continuando digo; “tem que ser filho de Deus”, pois todo o ser humano é criatura de Deus, você tem que nascer de novo, havendo uma mudança radical de vida, aonde aqueles vícios malditos, não te dominam, porque você nasceu de novo, está liberto do poder do diabo e do pecado e vai ser verdadeiramente livre pelo poder do evangelho. O filho de Deus que não aceita a Cristo? Não é filho de Deus!  Filho de Deus que só vive no adultério, que continua vivendo na prostituição, que toma da número 1 a 51 e só vive na manguaça, ou na cocaína, maconha, por vida devassa, enrolando, enganando, roubando, comprando e não pagando ? Esse é “gospel”, não é evangélico. É indispensável ser o que está escrito em 2 Coríntios 5 – 17 Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

O filho aceita correção do Pai, como está escrito em Hebreus 12 - 6: Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho e em Salmos 119 – 71 diz; Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos. Tem talvez amado o que está acontecendo em tua vida é um aprimoramento de Deus, logo para que você tomar posse da vitória em outro patamar é essencial que você esteja aprimorado. O gospel tem dupla personalidade, pois na igreja tem uma imagem e fora dela tem outra, sendo fora da igreja um escândalo, a esses eu cito a bíblia, precisamente em Filipenses 2-15 e 16 Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo; Retendo a palavra da vida, para que no dia de Cristo possa gloriar-me de não ter corrido nem trabalhado em vão.

Concluindo ratifico que, temos que ser evangélicos e não gospel, e para ser evangélico tem que ser filho, e para ser filho tem que ser gerado e sendo filho zelamos pelo nome de Deus e consequentemente temos direito a promessa, que se cumpre em nossos dias, que é Mateus 28 – 20; Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém. Afirmo categoricamente que você não está sozinho, pois a presença de Deus para aqueles que são dEle é proteção, companhia, segurança . Em Romanos 16-20 está palavra profética aos que são verdadeiros cristãos, ao que não é gospel, mas evangélico é decretada, logo está escrito; E o Deus de paz esmagará em breve Satanás debaixo dos vossos pés. A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja convosco. Amém, esse demônio do inferno que perturba já está decretado a sentença dele. A terceira promessa está em 1 João 3-2; Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos.

Veja nesse último trecho “seremos semelhantes a ele”, quero enfatizar no contexto bíblico de como era Cristo e como o veremos; em Isaias 53 – 1 a 3 Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do SENHOR?Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos. Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.

Agora analisemos como o veremos; Apocalipse 19 – 11 a 16: E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro. E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro; e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso. E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores.

Eu tenho direito, você tem um direito porque somos verdadeiros cristãos, não somos gospel, somos discípulos de Cristo, servos de Cristo e Filho de Deus e se você não tiver essas três características, és gospel; um individuo mero religioso de meia pataca, pois cristianismo como religião é fajuto, tão somente filosófico  e não presta para nada ! Sejamos evangélicos, comprometidos com Cristo, peregrinos nessa, embaixadores de Cristo no defender seus ensinamentos condenando as obras das trevas nesse mundo, tendo em vista que somos forasteiros, estamos de passagem nessa Terra, por que cremos que a trombeta soará e definitivamente estaremos com o Senhor Jesus!

Que essa palavra viva torne você um evangélico de direito e fato não para honra e glória de pastor, líder, ministério, mas tão somente para honra daquele que pagou um preço alto para que tivéssemos vida em abundancia, Jesus Cristo o único Salvador das nossas vidas hoje e sempre amém!

Érico Teixeira

O que é Cristianismo Bíblico?

O que é Cristianismo Bíblico?

O Cristianismo não é apenas uma filosofia de vida,nem código de ética, tampouco um padrão de comportamento. O cristianismos é um relacionamento pessoal com o Deus Criador vivo e Todo-Poderoso através da fé em Seu filho Unigênito,o Senhor Jesus Cristo.

Se tirássemos Buda de Budismo,Maomé do Islamismo,Allan Kardec do Espiritismo,e outros fundamentadores de outras religiões,pouca mudanças ocorreriam.Mas,tire Jesus Cristo do Cristianismos e não sobrará mais nada do que uma simples fachada.

O Cristianismo é um relacionamento pessoal com o Cristo vivo. A sua mensagem é uma só a cruz.Quem é seguidor de Jesus,sabe que tem que passar pela cruz,tem que verdadeiramente morrer para este mundo e nascer de novo,deixar de ser criatura,para sermos filhos de Deus.
Cristo vive em você?
Gálatas 2:20 "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim."

Quer realmente ter um relacionamento pessoal com Deus ,tenha três atitudes: Arrependa-se (Mateus 3.2) dos seus pecados , renúncia os seus desejos e siga a Cristo,e não aos homens e as obras , o foco é Cristo,a entrega é á Ele.Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Mateus 16.24
Jesus está te braços abertos esperando por você!

"A recompensa do cristianismo é o próprio Cristo."

Max Lucado

O que é Cristianismo?

O que é Cristianismo?

O cristianismo é uma religião monoteísta baseada na vida e nos ensinamentos de Jesus de Nazaré, tais como estes se encontram recolhidos nos Evangelhos, parte integrante do Novo Testamento. O cristianismo começou no século I como uma seita do judaísmo, partilhando por isso textos sagrados com esta religião, em concreto o Tanakh, que os cristãos denominam de Antigo Testamento.

À semelhança do judaísmo e do islão, o cristianismo é considerado como uma religião abraâmica. Segundo o Novo Testamento, os seguidores de Jesus foram chamados pela primeira vez "cristãos" em Antioquia (Atos 11:26).

Acreditam hoje os cristãos que a fé em Jesus Cristo proporciona aos seres humanos a salvação e a vida eterna. Alguns julgam que precisam cumprir certas obras para obter a salvação e ainda outros que, embora o que salve seja a fé, esta apenas pode ser demonstrada se a pessoa agir de acordo com aquilo que crê. O Cristianismo prega o amor, a Deus acima de todas as coisas, depois ao próximo como a si próprio.

A salvação espiritual é oferecida gratuitamente a quem deseja aceitá-la buscando a Deus na figura de seu filho Jesus e que a busca de Deus é uma experiência transformadora da natureza humana.

Podemos considerar três períodos que definem a concepção e filosofia do Cristianismo:

*Cristianismo primitivo: Caracterizado por uma heterogeneidade de concepções.

*Patrística: Ocorrida no período entre os séculos II e VIII, com a transformação da nova religião em uma Igreja oficial do Império Romano por Constantino e a formação de um clero institucionalizado, e cujo doutrinário expoente foi Santo Agostinho.

*Escolástica: A partir do século VIII e cujo expoente foi São Tomás de Aquino, que afirmou que fé e razão podem ser conciliadas, sendo a razão um meio de entender a fé.

Para poder entrar na concepção e filosofia do Cristianismo Protestante, teremos que ter tempo, pois são tantas denominações que requer muito tempo...

O que é religião? O que é evangelho?

O que é religião? O que é evangelho?

Religião:

Religião é um conjunto de crenças e filosofias que são seguidas, formando diferentes pensamentos. Cada religião tem suas diferenças quanto a alguns aspectos, porém a grande maioria se assemelha em acreditar em algo ou alguém do plano superior e na vida após a morte.

Entre a grande quantidade de religiões existentes hoje no mundo, existem aquelas que se sobressaem e conseguem conquistar um grande número de fiéis. Podemos enumerar:

  1. Judaísmo
  2. Cristianismo
  3. Islamismo
  4. Hinduísmo
  5. Budismo

Religião é um sistema qualquer de ideias, de fé e de culto, como é o caso da fé cristã.

Religião é um conjunto de crenças e práticas organizadas, formando algum sistema privado ou coletivo, mediante o qual uma pessoa ou um grupo de pessoas é influenciado.

Religião é um corpo autorizado de comungantes que se reúnem periodicamente para prestar culto a um deus, aceitando um conjunto de doutrinas que oferece algum meio de relacionar o indivíduo àquilo que é considerado ser a natureza última da realidade.

Religião é qualquer coisa que ocupa o tempo e as devoções de alguém. Há, nessa definição, um quê de verdade, já que aquilo que ocupa o tempo de uma pessoa é geralmente algo a que ela se devota, mesmo que não envolva diretamente a afirmação da existência de algum ser supremo ou seres superiores. E a devoção encontra-se na raiz de toda religião.

Religião é o reconhecimento da existência de algum poder superior, invisível; é uma atitude de reverente dependência a esse poder na conduta da vida; e manifesta-se por meio de atos especiais, como ritos, orações, atos de misericórdia, etc.

Evangelho:

O Evangelho por sua vez é Cristo crucificado, sua obra consumada na cruz. E pregar o evangelho é apresentar Cristo publicamente como crucificado.

O evangelho não é apenas as boas novas de um nenê na manjedoura, de um jovem numa banca de carpinteiro, de um pregador nos campos da Galileia, ou mesmo de uma sepultura vazia.

O evangelho trata de Cristo na cruz. O evangelho só é pregado quando Cristo é “publicamente exposto na sua cruz”.

Quando pregamos o evangelho, temos de nos referir a um acontecimento (a morte de Cristo na cruz), expor uma doutrina (o particípio perfeito “crucificado” indicando os efeitos permanentes da obra consumada de Cristo), e fazê-lo publicamente, ousadamente, vivamente, para que as pessoas vejam como se o testemunhassem com os seus próprios olhos.
Enquanto as religiões feitas pelos homens enfocam o esforço humano; o cristianismo enfoca a obra de Cristo.

Diferenças Entre Religião e Evangelho:

A religião é obra do homem. O Evangelho nos foi dado por Deus.
A religião é o que o homem faz por Deus. O Evangelho é o que Deus tem feito pelo homem.

A religião é o homem em busca de Deus. O Evangelho é Deus buscando o homem.

A religião é o homem tentando subir a escada de sua própria justiça, na esperança de encontrar-se com Deus no último degrau. O Evangelho é Deus descendo a escada da encarnação de Jesus Cristo e encontrando-se conosco, na condição de pecadores, no primeiro degrau.

A religião é constituída de bons ponto-de-vista. O Evangelho de boas novas.

A religião traz bons conselhos. O Evangelho, uma gloriosa proclamação.
A religião toma o homem e o deixa como está. O Evangelho toma o homem como está e o transforma naquilo que ele deveria ser.
A religião termina como uma reforma exterior. O Evangelho termina com uma transformação interior.
A religião passa uma caiação. O Evangelho alveja.
A religião muitas vezes torna-se uma farsa. O Evangelho é sempre uma força, o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê (Romanos 1.16).
Há muitas religiões, mas apenas um Evangelho.
A religião enfatiza o “fazer”, enquanto o Evangelho enfatiza a condição de “ser”.
A religião diz: “Faça o bem, continue a fazer o bem e eventualmente você se tornará bom”. O Evangelho diz: “Primeiro, você nasce de novo, pela Graça de Deus. A consequência natural disso assim como o dia segue a noite, é que você fará o bem”.
A religião coloca em destaque princípios e preceitos, códigos e credos. O Evangelho coloca em destaque uma pessoa: JESUS.
A religião diz: “Alcance”. O Evangelho: “Obtenha”.
A religião diz: “Tente” O Evangelho: “Receba”.
A religião diz: “Esforce-se”. O Evangelho: “Confie”.
A religião diz: “Desenvolva-se a si mesmo”. O Evangelho: “Negue-se a si mesmo”.
A religião diz: “Salve-se”. O Evangelho: “Entregue-se”.
A religião diz: “Faça… faça isso, faça aquilo, e será salvo”. O Evangelho afirma: “Já foi feito. Creia e será salvo”.

A religião pretende manifestar a boa vontade do homem; o Evangelho é a boa nova do amor de Deus. Podemos nos guardar das religiões humanas fazendo as seguintes perguntas sobre qualquer grupo religioso:

1 – Este grupo enfatiza as regras e tabus criados pelo homem em vez da graça de Deus?
2 – Este grupo promove um espírito crítico em relação aos outros, ou exercita a disciplina de forma discreta e amorosa?
3 – Este grupo enfatiza fórmulas, conhecimento secreto ou visões especiais mais do que a Palavra de Deus?
4 – Este grupo exalta a própria justiça, honrando aqueles que guardam as regras, ao invés de exaltar a Cristo?
5 – Este grupo negligencia a Igreja Universal de Cristo, reivindicando ser um grupo de elite?
6 – Este grupo ensina a humilhação do corpo como um meio para o crescimento espiritual em vez de enfocar o crescimento da pessoa por inteiro?
7 – Este grupo desconsidera a família em vez de tê-la em grande estima, conforme os ensinamentos da Bíblia Sagrada?

João 14.10 – …As palavras que eu digo não são propriamente minhas, mas do Pai que vive em Mim. E Ele faz a sua obra.

Amém.

Pastor Claudio Morandi, líder da igreja batista em São Jose do Rio Preto -SP.

O que é religião verdadeira?

O que é religião verdadeira?

A religião pode ser definida como “crença em Deus ou deuses a serem cultuados, geralmente expressada em conduta e ritual” ou “qualquer sistema específico de crença, adoração, etc., geralmente envolvendo códigos éticos.” Bem mais de 90% da população mundial adere a alguma forma de religião. O problema é que há tantas formas diferentes de religião. Qual é a religião verdadeira?

O que é religião verdadeira?

Os dois ingredientes mais comuns em religiões são regras e rituais. Algumas religiões são essencialmente nada mais do que uma lista de regras, de faça e não faça, que alguém tem que observar para ser considerado um seguidor fiel daquela religião e, portanto, justificar-se com o Deus daquela religião. Dois exemplos de religiões que são baseadas em regras são o Islamismo e Judaísmo. O Islamismo tem os cinco pilares a serem seguidos. O Judaísmo tem centenas de comandos e tradições a serem observados. As duas religiões, até um certo ponto, clamam que através da obediência de suas regras alguém pode ser considerado justo diante de Deus.
Outras religiões se focalizam mais na sua lista de rituais ao invés de obedecer uma lista de regras. Por oferecer um sacrifício, executar uma tarefa, participar de uma cerimônia religiosa, comer certa refeição, etc., uma pessoa é justificada diante de Deus. O mais conhecido exemplo de uma religião que é baseada em rituais é o Catolicismo Romano. O Catolicismo Romano ensina que por ser batizado em água quando um bebê, por ir à missa, por confessar os pecados ao padre, por oferecer orações ao santos no céu, por ser untado por um padre antes de morrer,etc.,etc., Deus vai aceitar tal pessoa no céu depois da morte. Budismo e Hinduísmo também são religiões primeiramente baseadas em rituais, mas também podem, até certo ponto, ser consideradas religiões que se baseiam em regras.

A religião verdadeira não se baseia nem em regras nem em rituais. A religião verdadeira é um relacionamento com Deus. Duas coisas que todas as religiões ensinam é que a humanidade é de alguma forma separada de Deus e precisa se reconciliar com Ele. A religião falsa procura resolver esse problema através de obediência a regras e rituais.

A religião verdadeira resolve o problema ao reconhecer que só Deus pode corrigir essa separação, e que Ele já fez isso. A religião verdadeira reconhece o seguinte:
• Todos nós temos pecado e somos, portanto, separados de Deus (Romanos 3:23).
• Se não corrigida, a penalidade justa pelo pecado é a morte e separação eterna de Deus depois da morte (Romanos 6:23).
• Deus veio a nós na Pessoa de Jesus Cristo, morreu no nosso lugar, carregou sobre Si a punição que merecemos e ressuscitou dos mortos para demonstrar que a Sua morte foi um sacrifício suficiente (Romanos 5:8; 1 Coríntios 15:3-4; 2 Coríntios 5:21).
• Se recebermos Jesus como Salvador, confiando na Sua morte como pagamento completo por nossos pecados, somos perdoados, salvos, redimidos, reconciliados e justificados com Deus (João 3:16; Romanos 10:9-10; Efésios 2:8-9).

A religião verdadeira tem regras e rituais, mas existe uma diferença crucial. Na religião verdadeira, as regras e rituais são observados por causa de gratidão pela salvação que Deus tem providenciado – NÃO como um esforço para obtê-la.

A religião verdadeira, a qual é o Cristianismo Bíblico, tem regras a serem obedecidas (não mate, não cometa adultério, não minta, etc.) e rituais a serem observados (batismo na água por imersão e a Santa Ceia). Observar essas regras e rituais não é o que justifica a pessoa perante Deus. Ao invés, essas regras e rituais são o RESULTADO do relacionamento com Deus, pela graça através da fé em Cristo apenas como o Salvador. A religião falsa consiste de se fazer coisas (regras e rituais) para ganhar o favor de Deus.

A religião verdadeira é receber Jesus Cristo como o Salvador e através disso ter um relacionamento correto com Deus – e então fazer coisas (regras e rituais) por amor a Deus e por ter um desejo de crescer nesse relacionamento e se aproximar dEle.

Fonte: http://www.gotquestions.org

O que é religião

O que é religião

“Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus” (Mateus 4.4)

No texto bíblico em referência, Jesus nos remete à consideração de que os homens não têm apenas de alimentar o corpo físico.

Há o clamor da alma, que não se contenta somente com o trigo; ou seja, com o alimento material. Existem perguntas que insistem em atravessar os séculos em busca de respostas. É o lado espiritual do homem reivindicando o seu espaço no tempo, em meio às diversas culturas e sociedades. A história da religião acompanha a história da sociedade. Onde estiver o ser humano, aí estará, igualmente, a religião.

O sentido da vida e da morte está relacionado a indagações religiosas antigas que, em nossa época, se mostram influentes e vigorosas, ainda que se apresentem por meio de símbolos secularizados. Em verdade, a religião é constituída de símbolos utilizados pelos homens, mas os homens são diferentes e, consequentemente, seus mundos sagrados também, e, por conta disso, suas religiões são distintas. Os símbolos são variados: altares, santuários, comidas, perfumes, amuletos, colares, livros... E todos eles inspiram alguma forma de sagrado, um sagrado que não se reflete apenas nas coisas, mas também em gestos, expressões e ações, como, por exemplo, o silêncio, os olhares, as renúncias, as canções, as romarias, as procissões, as peregrinações, os milagres, as celebrações, as adorações e, até mesmo, o suicídio. Edmund Burke chegou a dizer que o homem, em sua constituição, é “um animal essencialmente religioso”.

Apesar disso, como sabemos, não foram poucos os que profetizaram a decadência e a extinção do sagrado entre os homens. Que crente jamais se indignou com a famosa declaração de Karl Marx: “O sofrimento religioso é, ao mesmo tempo, expressão de um sofrimento real e protesto contra um sofrimento real. Suspiro da criatura oprimida, coração de um mundo sem coração, espírito de uma situação sem espírito: a religião é o ópio do povo”. Esta é uma das definições de religião, mas foi assiduamente combatida, e não é a única.

Vejamos outras.

Definições e classificações da religião

O vocábulo português “religião” é oriundo do latim religare, que significa “religar”, “atar”. Alguns cristãos se opõem frontalmente à classificação do cristianismo como religião baseando-se em sua supremacia e distinção em relação às demais crenças. Mas, ao agirmos desta forma, estamos, na verdade, criando a nossa própria definição do termo, cujo significado é inaceitável para os dicionaristas e enciclopedistas, pois acabamos apresentando definições incompletas em si mesmas. Assim sendo, independente desta discussão filosófica e do posicionamento que o leitor defende, é válido considerarmos alguns conceitos do que seria uma religião. A saber:

Religião é um sistema qualquer de ideias, de fé e de culto, como é o caso da fé cristã.

Religião é um conjunto de crenças e práticas organizadas, formando algum sistema privado ou coletivo, mediante o qual uma pessoa ou um grupo de pessoas é influenciado.

Religião é um corpo autorizado de comungantes que se reúnem periodicamente para prestar culto a um deus, aceitando um conjunto de doutrinas que oferece algum meio de relacionar o indivíduo àquilo que é considerado ser a natureza última da realidade.

Religião é qualquer coisa que ocupa o tempo e as devoções de alguém. Há, nessa definição, um quê de verdade, já que aquilo que ocupa o tempo de uma pessoa é geralmente algo a que ela se devota, mesmo que não envolva diretamente a afirmação da existência de algum ser supremo ou seres superiores. E a devoção encontra-se na raiz de toda religião.

Religião é o reconhecimento da existência de algum poder superior, invisível; é uma atitude de reverente dependência a esse poder na conduta da vida; e manifesta-se por meio de atos especiais, como ritos, orações, atos de misericórdia, etc.

A partir destas tentativas de definição, podemos nos atrever a classificar as religiões em tipos de acordo com a similaridade de suas crenças. Especialistas no assunto destacam pelo menos dez classes de religiões. Mas, como o leitor perceberá, há casos em que a distinção é mantida por uma linha muito tênue, o que faz que surja certa mistura de conceitos (tipos) em uma única religião. De fato, os tipos de religiões mesclam-se em qualquer fé que queiramos considerar, e, geralmente, as religiões progridem de um tipo a outro ao longo de sua trajetória. Assim, os vários tipos de religiões alistados a seguir não são necessariamente contraditórios ou excludentes entre si.

Acompanhe:

Religiões animistas. Sistemas de crenças em que entidades naturais e objetos inanimados são tidos como dotados de um princípio vital impessoal ou uma força sobrenatural que lhes confere vida e atividade.

Religiões naturais. Pregam a manifestação de Deus na natureza, e, geralmente, rejeitam a revelação divina e os livros sagrados. Segundo seu pensamento, toda e qualquer revelação à parte da natureza não é digna de confiança.

Religiões ritualistas. Enfatizam as cerimônias e os rituais por acreditar que estes agradariam as divindades. Tais ritos e encantamentos teriam o poder de controlar os espíritos, levando-os a atuar para o bem ou mal das pessoas.

Religiões místicas. São também revelatórias, porém, seus adeptos acreditam na necessidade de contínuas experiências místicas como meio de informação e crescimento espiritual. Os místicos regem sua fé pela constante e diligente busca da iluminação.

Religiões revelatórias. Na verdade, seriam uma espécie de subcategoria das religiões místicas. Este grupo de religiões fundamenta-se nas supostas revelações da parte de deuses, de Deus, do Espírito, ou de espíritos desencarnados que compartilham mistérios que acabam cristalizados em livros sagrados.

Religiões sacramentalistas. São grupos que têm nos sacramentos meios de transmissão da graça divina e da atuação do Espírito de Deus. Estas religiões, geralmente, acreditam que o uso dos sacramentos por meio de pessoas “desqualificadas” impede a atuação do Espírito de Deus. Os sacramentos constituem-se em veículo para promoção do exclusivismo.

Religiões legalistas. São construídas sob preceitos normativos, algum código legal que deve governar todos os aspectos da vida de um indivíduo. Este código é usualmente concebido como divinamente inspirado. O bem é prometido aos obedientes e a punição aos desobedientes.

Religiões racionais. Neste grupo, a razão recebe ênfase proeminente e a filosofia é supervalorizada. A razão, segundo acreditam, seria algo tão poderoso que nada mais se faria necessário além de seu cultivo bem treinado e disciplinado.

Religiões sacrificiais. Pregam a salvação por meio de sacrifícios apropriados. O cristianismo é uma religião sacrificial, no sentido de que Jesus Cristo é reputado como o autor do sacrifício supremo necessário à salvação. A suprema palavra do Senhor declara: “E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão” (Hb 9.22).

"Nem só de pão viverá o homem"

Todos estes princípios de crenças sustentam, cada qual à sua maneira, a religiosidade do mundo em que vivemos. Não foram poucas as declarações de filósofos e intelectuais que vislumbraram o desaparecimento destes sistemas. Mas eis que a religião ainda persiste, manifestando-se de diversas formas, em todos os lugares e coisas, em pleno século XXI, tão forte e influente quanto a mais recente descoberta científica. Por quê? Porque o homem não vive só de pão, mas também de religião. É justamente ela (a religião) quem se candidata a responder ao “drama da alma humana”, o traço magno de todo interesse espiritual. Um mundo caído sem religião não é concebível.

Em sua famosa canção, “Imagine”, o célebre cantor e compositor John Lennon nos convida a imaginar um mundo ideal, sem coisas ruins (entre as quais ele destaca as religiões), propõe um mundo em que as pessoas pudessem viver em paz e sugere a religião como fonte incentivadora das guerras. Em verdade, não há como negar que o abuso das atitudes religiosas produziu sangrentas guerras entre nós. Entretanto, temos de ponderar que as guerras não nasceram das convicções religiosas, mas, sim, do comportamento errado diante delas, o que é diferente.

Se os homens são tão ímpios com religião, o que seriam sem ela?

Não é possível desfazer-se das religiões simplesmente tentando ignorá-las. É por isso que, nas matérias que seguem, convidamos os leitores a um passeio panorâmico pelo mundo das religiões.

Fonte: http://www.icp.com.br

Libertando-se do Stress

Libertando-se do Stress

Texto: Mateus 6.25-34

Texto Complementar: "No to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não pasmes, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares" (Josué 1.9).

Introdução: Estamos vivendo dias de crise profunda na área da segurança no país, crimes bárbaros que tem chocado a nação inteira, e o assunto do momento é a preocupação dos cidadãos das grandes metrópoles com as chamadas balas perdidas, que tem vitimado a muitas pessoas inocentes, também enfrentamos corrupção no poder público, caos aéreo, catástrofes ao redor do mundo. Contudo, precisamos aprender a desfrutar da segurança do Senhor e saber que se Ele não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela (Salmos 127.1)

1 - O que as preocupações geram em nós? - "Humilhai-vos debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte; lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós (1Pedro 5.6, 7)
a - Inquietação
b - Irritação
c - Stress
d - Ansiedade
e - Medo
f - Doenças físicas
g - Doenças emocionais
Como foi o seu dia hoje e como você está?

2 - Qual a causa das nossas preocupações e atitudes de insegurança?
a - Fé vacilante ou superficial (Mateus 6.30)
b - Falta de maturidade espiritual e conhecimento da provisão de Deus (Êxodo 16.35)
c - Falta de desprendimento de valores e bens materiais (Mateus 6.19,20)
Como você tem lidado com suas preocupações e atitudes de insegurança?

3 - Passos para desfrutar da segurança do Senhor:
a - Buscá-lo em primeiro lugar (Mateus 6.33)
b - Crer sempre na sua provisão (Mateus 6.30-32)
c - Buscar envolvimento com os valores do seu reino e com a sua justiça (Colossenses 3.1,2)
d - Velar para que o inimigo não semeie dúvidas no seu coração (Hebreus 3.12-14)
e - Viver em Comunhão diária com Ele e com a igreja.
f - Reconhecer suas limitações físicas e emocionais e ocupar-se somente com os afazeres do dia de hoje, crendo que o amanhã está nas mãos de Deus (Mateus 6.34)

Conclusão: Você tem andado estressado, inquieto, ansioso, sem segurança? Coloque sua vida na ordem certa buscando a Deus em primeiro lugar, e tudo o que você precisar Ele fará por você. Mateus 6.33.
O salmista nos dá um conselho que nos trará qualidade de vida: "Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; ..." (Salmos 46.10a).

Pr. Paulo Cézar Martins

Uma Decisão Vitoriosa

Uma Decisão Vitoriosa

Texto: Lucas 15.20a - "E, levantando-se, foi para seu pai,...".

Introdução: O Filho Pródigo, de uma maneira insensata, tomou uma decisão que trouxe dores e prejuízos, porém, ele teve oportunidade de arrependimento e então, tomou a decisão mais acertada de sua vida. Vejamos:

1 - Uma fé correta - Agiu com fé na sua restauração: "Ao que Jesus lhes disse: Tende fé em Deus;" (Marcos 11.22). O filho pródigo não duvidou do amor do seu pai e que ele seria recebido em casa, mesmo que fosse como um empregado da fazenda.
A instrução de Jesus é para termos fé no Deus verdadeiro, criador dos céus e da terra.
No Antigo Testamento vemos a história de Jabez, um homem que buscou o Deus verdadeiro: "Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Oh! Tomara que me abençoes e me alargues as fronteiras, que seja comigo a tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido" (1 Crônicas 4.10).

2 - Declarou - "Vou voltar para a casa do meu pai e dizer: "Pai, pequei contra Deus e contra o senhor e não mereço mais ser chamado de seu filho. Me aceite como um dos seus trabalhadores." (vs.18, 19) - Ele cumpriu uma instrução que Jesus nos deixou em Marcos 11.23 que diz: "Eu afirmo a vocês que isto é verdade: vocês poderão dizer a este monte: Levante-se e jogue-se no mar. Se não duvidarem no seu coração, mas crerem que vai acontecer o que disseram, então isso será feito". É necessário declarar aquilo que cremos para que a fé funcione.
Quem crê declara a sua vitória sem medo de frustração.

3 - Agiu - "Então saiu dali e voltou para a casa do pai" (v.20a) - Ele não apenas declarou, como está escrito no verso 18, como tomou a iniciativa de sair do meio da criação de porcos e retornou para a casa do pai.
Além de declarar é necessário agir: "Sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor" (Hebreus 11.6).

4 - Recebeu - "Mas o pai ordenou aos empregados: “Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Ponham um anel no dedo dele e sandálias nos seus pés" (v.22) - Ele sentiu-se perdoado, apesar de ter pecado, e recebeu, com alegria, os direitos de filho amado, simbolizados pela maravilhosa recepção proporcionada pelo pai.
Para alcançarmos as vitórias que o Senhor Jesus tem para nós é necessário, além, de confessarmos os pecados e recebermos o perdão, também nos perdoarmos.
A culpa é a ladra das bênçãos daquele que não se perdoa e vive se punindo por aquilo que o Pai já o perdoou. Isaias 43.25 diz: "Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro".

5 - Testemunhou, manifestou (contou) - "porque este meu filho estava morto e viveu de novo; estava perdido e foi achado. — E começaram a festa" (v.24) - Depois de abater o melhor bezerro, fizeram a grande festa, com muito júbilo, danças, para comemorar e declarar a todos a grande vitória, pois o filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado.
É necessário testemunhar acerca das bênçãos recebidas e manifestar a alegria pelas conquistas. O Salmo 115.17 diz: "Os mortos, que descem à terra do silêncio, não louvam a Deus, o SENHOR". Se estamos vivos e achados pelo Pai, precisamos nos expressar com grande alegria.

Conclusão: No nosso dia-a-dia tomamos decisões continuamente, que nem sempre acertamos, visto que, podem ser tomadas fora do tempo de Deus e também dos princípios de Deus. Esses passos acima, se vividos no nosso cotidiano, após uma decisão precipitada, teremos a certeza da restauração, de uma vida vitoriosa e cheia de qualidades. Jesus nos afirma em João 10.10 que o nosso adversário veio roubar, matar e destruir, mas Ele o Senhor veio nos proporcionar vida abundante.

Faça, ainda hoje, uma aliança com o Pai através de Jesus entregando a sua vida a Ele, e posso garantir, sem dúvida alguma, que você será mais do que vencedor.

Roberto Pires Gonçalves

Esboço de pregação: Precipitação

Esboço de pregação: Precipitação

Texto: Provérbios 19.2 - "Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado".

Introdução: Ser precipitado é agir ou falar sem pensar nas consequências daquilo que faz, sem buscar a Deus, é a causa do sofrimento de muitas pessoas.

1 - A palavra precipitação vem de precipício: abismo, perdição, ruína.
2 - Louco - A Bíblia diz quem age precipitadamente é louco: "O longânimo é grande em entendimento, mas o de ânimo precipitado exalta a loucura" Provérbios 14.29.
3 - "A precipitação é a mãe do fracasso" (Heródoto - historiador grego).
4 - Precipitação nas palavras - " Tens visto um homem precipitado nas suas palavras? Maior esperança há para o insensato do que para ele' (Provérbios 29.20). De acordo com o dicionário, insensato é: Falto de senso ou razão, demente, louco - A Bíblia diz que há mais esperança para o louco do que para o que fala precipitadamente.
Vejamos também: "A boca do insensato é a sua própria destruição, e os seus lábios, um laço para a sua alma" (Provérbios 18.7).
Medite em Provérbios 18.21 e Provérbios 6.2.
5 - Algumas decisões precipitadas:
- Avalizar alguém em um negócio, emprestar cheques, nome para fazer compras, afiançar um aluguel.
- Viagem de carro - ultrapassagem fora de local permitido, velocidade acima do permitido. Consequências: dor, morte, cadeira de rodas, prejuízos.
- Construir em lote alheio: Pais, sogros, parentes.
- Pedir demissão do emprego, por pressão. Sair fora do tempo de Deus.
- Sair da igreja onde Deus o colocou – Hebreus 10.25...
- Deixar a liderança que Deus o colocou - 2 Pedro 1.10,11.
- Mudar de cidade por decisão humana, sem a direção de Deus.
6 - As consequências de um ato precipitado:
- Sara, Abraão e Agar: (Gênesis 16.1-6). Resultado: Ismael pai dos árabes e Isaque pai dos judeus, é um conflito que se estende por gerações.
- Esaú e uma escolha precipitada: (Gênesis 25.27-34). Esaú vendeu o direito de primogenitura.
- José e as consequências de palavras precipitadas: (Gênesis 37.5-11). Falou irrefletidamente e suscitou invejas.
7 - A precipitação nos torna escravos: "Aquele que é vencido fica escravo do vencedor" (2 Pedro 2.19).
- Decisão de fazer mal a alguém: consequências: justiça, condenação, prisão, destruição da vida e da família.
- Casamento precipitado sem ouvir os pais, pastor, o líder: Choro e angústia.
- Incluir alguém em uma liderança ou cargo de confiança sem primeiro prová-lo: Perdas irreparáveis para ambas as partes.
- Dar crédito a uma palavra profética sem antes prová-la: Tendência em ouvir o que a alma quer.
- Tomar uma decisão sem antes ouvir conselhos (Provérbios 15.22). Comunicar uma decisão é diferente de buscar um conselho.

Conclusão: Aquietai-vos:
Quando passamos por dificuldades, ficamos tentados a agir de maneira precipitada. Mas qual é a ordem do Senhor para estas ocasiões? Aquietar, parar, esperar.
- "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra" (Salmo 46.10).
- "Espera pelo Senhor, tem bom ânimo, e fortifique-se o teu coração; espera, pois, pelo Senhor" (Salmo 27.14).
- "Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não produz a justiça de Deus" (Tiago 1.19,20).

Roberto Pires Gonçalves

O Rico e o Camelo

O Rico e o Camelo

Texto: Mateus 19.23-24 - "Jesus então disse aos discípulos: – Eu afirmo a vocês que isto é verdade: é muito difícil um rico entrar no Reino do Céu. E digo ainda que é mais difícil um rico entrar no Reino de Deus do que um camelo passar pelo fundo de uma agulha"

Introdução: Jesus, neste texto de Mateus 19.23, 24, faz um comparativo entre o comportamento de um rico, que o tira do Reino de Deus, isto é, perda da salvação e um camelo que é o modelo de um verdadeiro cristão.

Vejamos o modelo do camelo que devemos imitar:

1 – É um animal constituído de grande capacidade para enfrentar desertos e condições adversas
- Os dias são maus
- Somos um povo do deserto
- O treinamento de um profeta é no deserto – Lucas 1.80 - "O menino cresceu e ficou forte de espírito. E viveu no deserto até o dia em que apareceu diante do povo de Israel"
- Todos os que são cheios do Espírito são levados ao deserto
- Antes de iniciar o cumprimento da missão somos levados ao deserto para o teste da convicção do chamado.
2 – Ajoelha para ser montado e conduzido
- Ser dócil
- Ser tratável
- Ser servidor
- Amar uns aos outros
- Saber qual a sua missão e se dispor a cumpri-la
3 – Animal que armazena grande quantidade de água para grandes travessias
- Analise o exemplo das virgens sábias de Mateus 25.1-13
- Muitos vão à igreja, ouvem a mensagem, porém, no próximo dia já não se lembra
- Deus só da a quem tem zelo e guarda (anotar e meditar) – Salmos 119.11
- Tudo o que ouve e escreve fica registrado
- A igreja eficaz é a que armazena uma grande quantidade de água (ensinamentos pela Palavra de Deus)
4 – O camelo é uma animal cargueiro
- Aguenta peso
- Isaque foi aperfeiçoado carregando lenha
- Quer ser herdeiro. Carregue lenha para o sacrifício
- Isaque carregava lenha juntinho a Abraão, seu pai.
- Quando obedecemos e carregamos lenha, andamos juntinho ao Pai
5 – É um animal ruminante
- É a igreja de Bereia
- Ouvir, anotar, rever, meditar e orar
- Dar credibilidade à Palavra e seus princípios que geram vida
6 – Os pés do camelo é constituído de forma que não atola no deserto
- Uso do calçado apropriado, isto é, equipamentos adequados para cada situação - Efésios 6.15 - "Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz"
- Deus quer que caminhemos no deserto sem atolar
- "Irmãos, eu quero que vocês lembrem do que aconteceu com os nossos antepassados que seguiram Moisés. Todos foram protegidos pela nuvem e passaram pelo mar Vermelho. Como seguidores de Moisés, eles foram batizados na nuvem e no mar. Todos comeram da mesma comida espiritual e beberam da mesma bebida espiritual. Pois bebiam daquela rocha espiritual que ia com eles; e a rocha era Cristo. Mas Deus não ficou contente com a maioria deles, e por isso eles morreram, e os seus corpos ficaram espalhados no deserto" 1 Coríntios 10.1-5
- Foram batizados na nuvem e no mar, comeram da mesma comida espiritual, que é Cristo. Porém, muitos foram rejeitados
- Só sobrevive no deserto quem é protegido e guiado pela nuvem (Espírito Santo)
- Métodos humanos não funcionam sem o governo do Espírito Santo.

Conclusão: A vida cristã é comparada ao comportamento de um camelo pois, o Reino de Deus só é tomado por esforço, e renúncia total até a morte do "eu" (João 12.24).

Roberto Pires Gonçalves