3/27/2014

Enxergue o futuro III

Enxergue o futuro III

Texto: João 4.1-42

Introdução: Deus tem suas estratégias e cabe a você aproveitar as oportunidades que Ele esta dando a você.

Os Samaritanos, bem como os judeus, sempre pediam e dependiam de sinais para crerem. Comumente pediam sinais a Jesus: os fariseus o tentaram diversas vezes pedindo um sinal do céu.

Assim, temos, hoje, um evangelho já confirmado a respeito de Cristo já vitorioso. O Evangelho que pregamos não carece de milagres para confirmá-lo, pois não pregamos um Evangelho novo, e sim o “velho” e perfeito Evangelho já confirmado pelos sinais opera- dos por Cristo e os Apóstolos. Não estou dizendo com isso que os milagres cessaram, o que digo é que os milagres de hoje não são operados para confirmar a doutrina, mas tão somente para beneficiar os filhos de Deus. Se alguma doutrina carece de confirmação por milagres, essa doutrina não é de Cristo, pois a doutrina de Cristo, o Evangelho, já esta confirmada.

Eu creio que Deus tem buscado ao longo dos tempos homens e mulheres para usar.

Cristo nos constituiu luz do mundo para que o mundo recebesse nossa luz.

Ele nos fez sal da terra, para que a terra tivesse sabor a partir de nossa simples presença e interação com ela.

Não é nas igrejas que a nossa luz é mais requisitada, e sim no mundo. Não é em nossos grupos de estudo que o sal é mais necessário, e sim entre os ímpios. Não foi no templo que Jesus alcançou a mulher samaritana e sim a beira do poço. Da mesma sorte, não é no templo que se concretiza o propósito de Deus para nós, e sim nos poços da vida.

Nos poços, volta-se constantemente para buscar água. Outra vez, e outra vez, outra, e outras mais e mais...

A condição de quem busca água junto ao poço é insaciável. Assim está o mundo e, infelizmente, a maio- ria dos que se dizem cristãos. Pois tanto os prazeres mundanos quanto a busca insaciável por sinais e outros caprichos religiosos são engano e engodo.

Jesus quebrou os padrões estabelecidos pela religiosidade: conversou com uma mulher samaritana, jantou na casa de publicanos, permitiu que prostitutas lavassem seus pés, sem se importar com quem, ou o que, murmuravam dele.

Tudo isso porque Jesus veio para os enfermos e não para os sãos. Diante disso eu pergunto: é coerente o corpo de Cristo, hoje, agir diferente do próprio Cristo, seu Mestre?

Para o Mestre, era mais importante e prazeroso falar da salvação aos samaritanos, do que almoçar com seus discípulos, isso porque fazer a vontade do Pai lhe saciava infinitamente mais que a comida terrena. Quando realmente estivermos moldados pelo poder do Espírito Santo, segundo a imagem de Jesus, também agiremos como Cristo e, então, só então, seremos saciados.

Você precisa entender as estratégias

1 - Jesus sempre quebra as regras. V.6 …Jesus, pois, cansado do caminho, assentou-se assim junto da fonte. Era isso quase à hora sexta.”

Jesus veio ao mundo no momento da maior sede e esta é a hora em que mais precisamos matar a sede dos nossos corações. (hora sexta = 12:00 = calor = hora das lutas), mas Jesus está presente.

2 - Jesus sempre vai estar de esperando. V.7 - E veio uma mulher de Samaria tirar água;…”

Muitas pessoas tem comparecido às igrejas, sedentas de uma palavra de conforto e de salvação; O Senhor Jesus está assentado junto à fonte e ele tem águas vivas para matar a sede da igreja.

Ele é a fonte das águas vivas.

3 – Jesus sempre me compreende. V.9 …sendo tu Judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana ?…”

A princípio colocamos empecilhos para não ouvir a voz de Jesus. Empecilhos da razão: “sou desta religião a muito tempo“, “todas as igrejas são iguais“,

4 - Jesus é o próprio poço. V.10 …Se tu conheceras o dom de Deus…”

Aquela mulher agora tinha dois poços. Um tem água natural.

O outro tem agua espiritual.

Entenda quando Jesus te pede algo é porque ele já tem.

Sem revelação a Obra de Deus não pode ser compreendida, pois não é algo que se apreende nas enciclopédias ou cursos teológicos. Jesus é o dom gratuito de Deus. Aquela fonte era uma dádiva de Deus provida pelo pai Jacó, mas Jesus era uma dádiva de Deus provida por Ele próprio.

5 - Jesus jorra da água da vida. V.11 “…Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo;…”

– A água daquela fonte era tirada com um cântaro, mas a água da vida não era um vaso qualquer mas o vaso escolhido por Deus.

O poço mais fundo era aquele em que o pecado lançou o homem, que foi a morte, mas Jesus foi o vaso nas mãos do Pai enviado para descer até à profundidade desse poço.

Aquela mulher por alguns minutos pensou que Jesus queria ter um caso com ela.

Aquela mulher era acostumada com homens já tinha tido 6.

6 – Jesus sempre será maior. V.12 És tu maior do que o nosso Pai Jacó…”

Jesus era maior do que todos, pois Ele foi antes de Jacó e José, conforme João 8.58 - “(…) antes que Abraão existisse, eu sou.”

V.15-17: “…Senhor, dá-me dessa água…chama o teu

marido…não tenho marido…” – Se almejamos este projeto salvador, o governo de nossas vidas deve ser de Jesus. Marido, segundo o ensino bíblico, é figura de governo de uma casa, e quando encontramos Jesus temos ciência de que sem ele nossa vida não tem direção.

7 – Jesus sempre acreditou no homem. V.28 - Deixou pois a mulher o seu cântaro, e foi à cidade…”

– Deixando o coração religioso ( pesado ) e recebendo a leveza da salvação pela graça. A cidade fala do campo da nossa evangelização (familiares, local de trabalho, escolas, etc).

O Senhor sempre investiu em um homem em uma mulher.

  • Usou Adão - Para dar nomes a todos os animais. Usou Eva - Para gerar a semente.
  • Usou Noé - Para salvar sua família.
  • Usou Abraão - Para começar uma poderosa nação. Usou Davi - Para derrotar Golias.
  • Usou Gideão - Para libertar Israel. Usou Jefté - Para libertar Israel. Usou Debora - Para libertar Israel.
  • Usou a Samaritana - Para salvar Samaria.

E todos tinha problema, mais ela era a chave para libertar Samaria.

O Senhor esconde a chave onde o diabo nem imagina. Ele não esconde a chave em lugares alto. Diga eu sou essa pessoa a chave para abrir portas.

8 - Jesus é o sétimo homem. V.29 Vinde, vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito…”

Pregamos a palavra de Deus para estabelecer o “vinde”, mas todos precisam ter uma experiência individual com Jesus: “vede“, pois Ele já nos conhecia mesmo antes do primeiro encontro com o Salvador. “Vinde” é o convite para a salvação, “vede” é a busca da experiência pessoal com Jesus.

9 – Jesus sempre vira para quebrar o ciclo.

Quebre esse Ciclo de sua vida:

De novo, de novo, de novo, de novo. O sétimo quebra o ciclo.

A Bispo eu não aguento mais quebre o ciclo saia dessa mesmice.

Conclusão: O que você esta esperando...

Bispo José Antônio de Souza

Enxergue o futuro II

Enxergue o futuro II

Texto: Josué 1.1-9

Introdução: Motivação significa o conjunto de fatores, os quais agem entre si, e determinam a conduta de um individuo. Foi justamente o que Josué viveu, seu mentor Moisés estava morto, ele já havia andado 40 anos no deserto, porém, o Senhor o anima para que venha renascer em Josué as suas motivações e através deste posicionamento viver as promessas de Deus. Muitas pessoas estão sendo “roubadas” das promessas, por- que, perderam as suas motivações e consequente- mente estão morrendo no deserto.

O que quer trazer a morte das motivações:

A falta de esperança.

Quando achamos que as promessas es- tão demorando acontecer;

Muitas pessoas desistiram, ficaram desmotivadas porque acharam que estava demorando acontecer e com isso “abortaram” a promessa;

O desanimo e a murmuração.

O desanimo leva a pessoa a perder as suas motivações e após o desanimo vem a murmuração quem murmura não irá viver as promessas.

A falta de fé e convicções espirituais. Para estar motivado é necessário ter fé, crer que ainda que não estou vendo, no meu espirito eu creio e em breve irá se materializar, este sentimento te mantem motivado para viver milagres.

Por isso nesta noite, a glória do Senhor irá te envolver e Deus vai te dar motivações para viver todas as promessas que o Senhor tem para a sua vida, sua casa e a sua família.

1- Ter meus motivos em Deus e desejar continuar.

Muitas pessoas estão desmotivadas porque perderam o foco, desistem e falam: Porque Lutar?!

Neemias procurou dar motivos para viver ao povo de Jerusalém em um dos piores momentos da Reconstrução dos Muros de Jerusalém, quando o povo per- deu as forças, Neemias se levanta e os convoca a ter força para lutar pela família. Você precisa aprender a ter foco, tirar o olhar dos problemas e lutar.

Hoje o Espirito Santo vai te lembrar de que você tem motivos para continuar, lute pela sua casa, por seus filhos, pelo ministério, pelos teus sonhos enfim nós temos motivos para vencer.

Diga eu tenho motivos para vencer...

2 - Manter-me cheio da glória de Deus.

Quando a pessoa que serve a Deus está muito desmotivada, está faltando unção, pode dizer que é outra coisa, mas é uma desculpa carnal, porque quem está com a lâmpada cheia sabe que temos lutas, tribulações, dificuldades, mas aquele que há de vir virá e não tardará. O noivo chegará para abençoar a sua noiva (igreja) e quando estamos na unção, cheios da Glória do Pai, motivados, entendemos que nada irá nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus.

3 - Saber que minha família dependem de meu equilíbrio.

Então não pare enquanto não alcançar todos objetivos, metas e promessas que o Senhor tem para a sua vida em nome de Jesus.

E quando vivemos das motivações:

· Somos inabaláveis – Ninguém poderá te resistir todos os dias da sua vida;

· Vivemos um dia após o outro - Hoje foi bom, mas amanhã será melhor e depois de amanhã muito melhor ainda. Deus é Fiel.

·Iremos motivar todos ao nosso redor - Por causa das motivações na sua vida, muitos ao teu redor família, amigos irão ser motivados em ser um vencedor como você é em nome de Jesus.

Conclusão: Nesta noite o Senhor quer te motivar e não abre mão de sua vida e família.

Bispo José Antônio de Souza

Enxergue o futuro I

Enxergue o futuro I

Texto: João 4.35-38

Introdução: Para que você tem se preparado? Preparar-se é direcionar todas as suas energias para um nível de expectativa. Uma pessoa pode passar anos da vida se preparando e quando a oportunidade chega, a vê passando por seus dedos.

As oportunidades vêm para todos, mas uma pessoa despreparada perde muitas delas por não saber o que fazer quando aparecem.

É possível prevenir alguns insucessos buscando informações e estando preparado.

1. Deus lhe dá de acordo com o que você prepara.

Você foi preparado para o pior ou preparado para o melhor?

Foi preparado para o sucesso ou para o fracasso? E por que as pessoas fracassam?

Muitas, simplesmente, não sentem a necessidade de alcançar o sucesso.

Outras sentem medo ou devido o sucesso provocar desconfiança.

2. Não faça o que Deus não mandou.

Sua carga pode estar pesada porque está usando a estratégia errada e, por falta de resultado, vem o cansaço por querer ser, ter e fazer o que Deus não mandou.

O que define a tua paz não é o que tem, onde está ou o que conquistou, mas estar onde Deus lhe mandou estar.

Obedecer trás refrigério. Aprenda esperar o tempo de Deus. Enquanto espera, abra covas! Deus faz as coisas no tempo perfeito.

Deus é quem opera tudo.

Ou nós conquistamos ou esse lugar nos conquista, essa é a máxima dos conquistadores.

Na lista de heróis da bíblia vamos encontrar pessoas que se sentiam incapazes, mas o Senhor os fortaleceu.

Muitos passaram por obstáculos, mas não se entregaram como Paulo e Silas - não é quanta dor o chicote provocou neles, mas o quanto a dor não mudou suas convicções.

A vida não é o que acontece com você, mas o que acontece em você.

3. Precisa de algo para ser alguém?

Então você é um ninguém. Você não é seu trabalho, casa, título ou posição.

Não foque a altura dos obstáculos, mas foque na decisão de passar por eles. Deus não te chamou para coisas pequenas, muitos desses que Deus usou não tinham a capacidade, mas eram cheios do Espírito Santo.

4. Busque a presença de Deus.

Precisamos fazer o que Deus nos chamou para fazer e não os que os outros fazem.

Nós estamos vivendo dias difíceis, nós estamos vi- vendo dias em que o homem tem endurecido o seu coração. Lucas 18.8 - O Senhor Jesus disse: Haverá fé na terra, quando voltar o filho do homem?

5. Há dois tipos de pessoas.

- Aquele que enxerga o mundo espiritual.

- E aquele que é apenas conduzido por regras.

Quem é conduzido por regras, é problemático, vive enroscado no pecado, vive altos e baixos na vida, mas aquele que enxerga o mundo espiritual é estra- gado para o mundo e para as coisas normais.

Hoje vamos enxergar o FUTURO que é enxergar espiritualmente e viver o tempo que Deus preparou para nossas vidas nestes dias.

Quando o homem não enxerga o futuro, ele vive uma vida inconsequente.

Exatamente o que o Senhor Jesus perguntou para os apóstolos: O que vocês estão enxergando?

E a pergunta hoje é: O que você está enxergando? Um oba-oba? Você está enxergando apenas o seu bem estar? O que você espera de Jesus? Um carro novo, uma casa nova?

Os discípulos não estavam enxergando nada.

O que é enxergar o futuro?

- É olhar pelos olhos da fé. João  11.40 - Respondeu-lhe Jesus: Não te disse eu que, se creres, verás a glória de Deus?

Você crê que Deus pode fazer coisas maravilhosas e poderosas?

- É ver o que está oculto aos olhos humanos. Jeremias 33.3 - Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes.

Deus quer te mostrar além daquilo que você está enxergando.

Deus quer te mostrar o mundo espiritual e Deus quer que você alargue as estacas da tua tenda. Chega de evangelho morto, de evangelho cego. O Senhor quer te mostrar coisas maiores.

Você vai enxergar coisas que até então você não estava vendo, o Senhor vai mostrar os planos do inimigo, quem é instrumento do maligno, aonde você deve ir, aonde você não deve ir, pessoas e situações que você tem que deixar e desligar.

Hoje as escamas caem dos teus olhos.

Conclusão: Enxergue um futuro melhor

Bispo José Antônio de Souza

Santa Ceia – Cinco Lados Para Olhar

Santa Ceia – Cinco Lados Para Olhar
Texto: I Coríntios 11:23-28

Introdução: É importante compreendermos o significado dessa reunião e usufruirmos dos seus benefícios para nosso crescimento espiritual.

A mente de cada um de nós que participa da Santa Ceia, deve olhar cuidadosamente para cinco lados a fim de receber todos os benefícios desse encontro espiritual.

1. Devemos olhar para cima. Verso 24:

“e, tendo dado graças” essas palavras nos conduzem a olhar para além deste mundo de pecado – olhar para o Pai celestial, em atitude de gratidão. Gratidão porque Ele proveu o caminho para sairmos da miséria do pecado – essa saída está no corpo e no sangue de Cristo, simbolizados pelo pão e pelo suco da uva.

2. Devemos olhar para trás.

O fim dos versos 24 e 25 conduz a esse procedimento: “fazei isto em memória de Mim.” – Olhar para trás ajuda a estabelecer entre nós um motivo comum: estamos aqui e estaremos no Céu, graças a um fato do passado: a morte de Cristo no Calvário. Cristo na cruz é um quadro que nunca apagará de nossa mente. Isaías 53:5 pinta essa imagem: “mas Ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas pisaduras fomos sarados.”

Ellen White, em Vida de Jesus, pág. 143, diz: “Cristo poderia ter descido da cruz; mas, se tivesse feito isso, jamais poderíamos ser salvos. Por amor a nós, Ele Se dispôs a morrer.”

3. Devemos olhar ao nosso redor. Verso 26:

“porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor.”
Esse verso não apenas nos leva a olhar ao redor como também nos incentiva a anunciar o evangelho aos outros. Quantos ao nosso redor estão perecendo porque lhes falta esperança. O evangelho hidrata o ser humano, dá vida. Há muitas pessoas que estão desidratadas espiritualmente e não querem saber da Água da vida.

São como um cavalo para o qual o dono leva um balde de água mas ele sequer demonstra interesse. Somente bebe quando o dono traz um bolo de sal. O cavalo prova o sal e sente sede. Não demora para enfiar o pescoço no balde para beber.

Jesus diz que precisamos ser o “sal da Terra”. Por que precisamos ser o sal? Para despertar nos outros interesse e desejo pela Água da vida, que é Cristo.

4. Em quarto lugar, quem participa da Ceia, deve olhar para a frente.

O verso 26 diz: “Anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha.”

a) Como filhos e filhas de Deus estamos aqui reunidos desejosos de contemplar o Senhor Jesus vindo nas nuvens do céu. Participe da Santa Ceia com o rosto voltado para o futuro, para o estabelecimento do reino da glória, para o dia em que iremos comer e beber à mesa com Jesus.

5. A ceia nos ensina que também devemos olhar para dentro de nós mesmos.

Este é o momento de fazer uma inspeção no coração.

a) I Coríntios 11:27 e 28 (ler). “Examinar” significa olhar com cuidado, olhar com discernimento. Estou vivendo como um cidadão do reino de Deus? Vivo em paz e em comunhão com meus irmãos?

Leia também: Algumas observações sobre a ceia do Senhor

b) Ilustração: Quando tinha seis anos de idade, uma criança ganhou de presente um caminhão de bombeiros. Era todo de madeira, inclusive os acessórios. Doze miniaturas de bombeiros acompanhavam o caminhão de brinquedo. E com facilidade o menino podia encaixar e retirar esses bonecos na cabine e na carroceria do veículo.

Na cabine havia espaço para dois bonecos e os demais ficavam na carroceria. No dia seguinte, deu nome a cada um daqueles bonecos. Ele era um deles, e seus irmãos e coleguinhas da vizinhança passaram a ser os outros. Os que eram mais amigos tinham o direito de passear com
ele na cabine. Isso variava, conforme as brigas e as pazes que mantinha com eles.

Um dia, um deles o magoou muito. E resolveu tirá-lo da carroceria. Cavou um buraco perto do pé de abacate, e depois o enterrou ali. Passaram dias. Choveu e fez sol. Esqueceu aquele boneco debaixo da terra.

Outro dia, porém resolveu brincar novamente com o caminhão e os bonecos. Pôs todos na cabine e na carroceria, mas faltava um. Lembrou onde o havia deixado. Foi atrás dele, ele ainda estava lá, mas não era mais o mesmo. O que poderia fazer por ele agora? A tinta havia soltado de algumas partes de seu rosto e de seu corpo. Ele estava bastante desfigurado!

O menino ficou muito triste. Limpou-o o quanto pode, mas pouco adiantou. Já que não podia mudá-lo, resolveu colocá-lo ao seu lado, na cabine do caminhão.

Conclusão

1. Agora é o momento de fazermos uma introspecção em nosso coração e verificar se existe algum espaço vazio. Por que falta essa pessoa em nosso coração? Por que magoamos? E enterramos no subsolo de nossa mente? E o deixamos bastante enlameado e sujo?

a) Mas se estamos arrependidos pelo que fizemos, precisamos fazer alguma coisa para continuarmos olhando com tranquilidade para nosso interior.

b) O que fazer agora? Vamos deixar nosso irmão no buraco, ou vamos retirá-lo? Por que abandoná-lo? Façamos como aquele menino. Vamos fazer todos os esforços para nos reconciliar com ele e, se possível, colocá-lo de novo na cabine de nosso coração.

Pr. Paulo Pinheiro

Experimentando a Alegria da Salvação

Experimentando a Alegria da Salvação
Texto: 2 Reis 5:1-3

Introdução

1. Perceber que foi salvo e sentir a alegria que isso significa só acontece quando se partilha a salvação para que outra vida também seja transformada.
a. A alegria da salvação é uma experiência pessoal que só pode vivenciá-la aquele que escolhe a Cristo como Senhor e Salvador e inicia uma batalha contra o “eu”.

I. Experimentando a Alegria da Salvação

2 Reis 5:1-3. Esse relato nos chama atenção para quatro personagens:

1. Naamã. Um homem importante, poderoso, que tinha tudo, mas também não tinha nada. Tinha tudo porque era um grande homem diante do rei, mas não tinha nada porque era leproso.
a) Tinha tudo, mas não tinha nada porque não tinha Jesus, porque não conhecia a Deus; não havia experimentado a salvação.
b) Quando alguém olhava para Naamã se sentia mal, pois só via lepra, só via sofrimento.

2. A menina cativa. Ela era apenas uma escrava, longe de sua pátria e do seu lar. Era alguém que não tinha nada, mas tinha tudo porque tinha o Salvador, o Deus verdadeiro em seu coração.
a) Quando alguém olhava para ela, sentia paz e esperança em seu olhar, em sua vida e em suas palavras.

3. O rei de Israel – 2 Reis 5:6, 7.
a) Aqui está alguém que tinha tudo e não tinha nada; mesmo sendo líder do povo de Deus, não confiava em Deus. Tinha o conhecimento do poder de Deus, mas não confiava o suficiente no maravilhoso Deus que traz a alegria da salvação.

4. O profeta de Deus – 2 Reis 5:8.
a) Eliseu, o profeta de Deus, era alguém que estava com Deus constantemente. Alguém que pertencia a Deus e podia sentir e transmitir a alegria da salvação.

II. Transmitindo a Alegria da Salvação

1. A menina cativa. Neste relato, ela viveu a alegria da salvação, sendo uma bênção para o necessitado e levando a salvação para o pecador.

a) Não é necessário ser adulto para partilhar a alegria da salvação nem ter condições favoráveis ou estar em situação de vantagem. Para a menina cativa tudo era adverso, mas a presença de Deus em sua vida era algo que não podia ficar escondido.

b) Aqueles que devotam a existência a um ministério semelhante ao de Cristo, conhecem o que significa a verdadeira felicidade. Seus interesses e orações estendem-se muito além de si mesmos” (Ellen G. White, Serviço Cristão, pág. 269).

c) Esse pensamento do Espírito de profecia resume a alegria da salvação, a experiência maravilhosa vivida pela menina cativa. Ao observar o sofrimento de Naamã, ela sentiu compaixão e lhe revelou o maravilhoso poder que poderia salvá-lo e transformá-lo.

2. Naamã pode experimentar a alegria da salvação e conhecer o maravilhoso poder de Deus que transforma plenamente:
a) 2 Reis 5:14 – Sua pele ficou transformada.
b) 2 Reis 5:15 – “Agora conheço”. Naamã sentiu a alegria de conhecer a Deus, sentindo Seu poder na própria pele.
c) Há muitos leprosos espirituais, escravos do pecado, sofredores, que estão ao nosso redor ansiosos por conhecer a Deus; dispostos a pagar qualquer preço pela paz, pelo alívio da dor, pela alegria da salvação.

3. Rei de Israel. Neste relato, observamos um rei que não conhecia o poder de Deus.
a) Um rei como muitos de nós hoje, que estamos na igreja mas não temos a certeza da salvação;
estamos na igreja mas não experimentamos a alegria da salvação; estamos na igreja mas não conhecemos o maravilhoso amor de Jesus.

b) Se você ainda não experimentou a alegria da salvação, por favor, desperte, acorde para as belezas espirituais da salvação oferecida por Jesus! Não há tempo para desânimo ou egoísmo, é hora de viver intensamente um relacionamento com Cristo.

c) A atitude temerosa do rei de Israel é uma advertência para despertarmos e buscarmos o conhecimento de Deus para a Salvação.

4. O profeta de Deus. Neste relato percebemos Eliseu, o homem de Deus, o instrumento de transformação da vida de Naamã, rejeitando qualquer tipo de pagamento ou presentes.
a) Ele estava mostrando o modo gracioso como Deus salva. Ele estava mostrando que a alegria da salvação acontece ao pecador que é transformado, ganhando tudo sem ter que pagar nada.

Conclusão

1. Experimente hoje a alegria da salvação.
a) Se você está se sentindo como a menina cativa, escrava em um mundo estranho, rodeada de pessoas impuras numa sociedade secularizada, brilhe! Testemunhe de Jesus!
b) Conte que há um poder que está acima de todo poder, conte que há um poder restaura e traz alegria.

2. Experimente hoje a alegria de ser salvo e restaurado por Jesus.
a) Se você se sente massacrado pelo pecado, se você se sente humilhado e vencido pelos vícios, por problemas, incertezas, lembre-se de Jesus, a Água da Vida que cura a restaura.

3. Experimente hoje a alegria da salvação.
a) Se você está na igreja mas ainda não é uma testemunha do poder de Jesus, se você ainda não se entregou ao serviço do Mestre, hoje é o dia! Esta é a hora de mudar! Deus está chamando!
b) Deus está chamando para ser um instrumento de Salvação. É hora de sentir a maior alegria... a alegria da salvação!

Pr. Jonas Arrais

Jesus modelo de obediência

Jesus modelo de obediência

Texto: João 18:1

Introdução: O apostolo João no capitulo 18:1 declara que Jesus foi ao Getsêmani com seus discípulos, segundo declaram os demais evangelhos Ele foi a este lugar para ter um bom momento de oração; pelo que descreve seu clamor, se vê que este tinha a ver com seu sacrifício na cruz do calvário. Ao saber Jesus que aquele momento crítico se aproximava decidiu buscar a Deus com maior profundidade.

Bem aventurado o homem e a mulher que nos momentos críticos das suas vidas decidem buscar com maior intensidade ao Senhor.

Examinemos segundo os evangelhos. O que aconteceu no Getsêmani?

No Getsêmani:

I. Jesus experimentou sua maior crise humana. (Mateus 26:37-38; Marcos 14:33-34 )

A. “Começou” a entristecer-se e a angustiar-se de tão maneira que seu suor se tornou em gotas de sangue.

B. Jesus não só experimentou a tristeza, mas expressou sua dor diante dos seus discípulos.

C. Toda esta angustia. Dor e tristeza eram devido a tudo o que teria que padecer daí em diante (todo o calvário) Jesus sentia que morria.

D. Isso definitivamente reflete a humanidade com que nosso Senhor Jesus cristo enfrentou seu sacrifício corporal por amor a humanidade. No foi fácil para Ele saber que nele cumpriria Isaías 53

No Getsêmani:

II. Jesus pediu apoio na oração (Mateus 26:38: Marcos 14:34 )

A. Chamou os seus discípulos de maior confiança (Pedro Tiago e João) para pedir a ajuda em oração.

B. Por três ocasiões consecutivas os encontrou dormindo em vez de estarem orando. Graças ao seu Pai Celestial, não perdeu a força, nem o ânimo.

No Getsêmani:

III. Jesus submeteu sua vontade a vontade do pai. (Mateus 26:39; Marcos 14-.36 )

A. Pediu ao Pai que se fosse possível passasse dele o cálice, sem que Ele bebesse. O cálice era uma representação de todo o processo de sofrimento que ele teria que enfrentar por amor a humanidade. Tão crítica seria a situação que pede se é possível não passar.

B. Que maravilhoso é saber que Jesus esteve disposto a dar tudo por amor a nós.

C. Segundo se compreende o conteúdo da porção não recebeu uma resposta positiva do Pai Celestial em relação a não realizar o sacrifício, mas foi fortalecido pela presença angelical (Lucas 22:43).

D. Quão importante é saber que se a vontade de Deus é que façamos algo, nos fortalecerá para realizá-lo.

Conclusão: O podemos aprender de tudo isso?

1. Que a solução nos momentos de crise é a oração.

2. Que é importante contar com o apoio de outros.

3. Que é vital apoiar aos que estão passando agonia.

4. Que nos momentos difíceis Deus nos fortalecerá.

5. Que é importante fazer a vontade de Deus por sobre todas as coisas.

6. Que você e eu somos o que somos. Temos o que temos e vamos aonde vamos por que Jesus foi obediente ao seu Pai Celestial.

Desfruta de Jesus cada dia!

Pr. Aldenir Araújo

O arco-íris- Motivo de ação de graças

O arco-íris- Motivo de ação de graças

“O meu arco tenho posto nas nuvens, e ele será por sinal de haver um pacto entre mim e a terra. E acontecerá que, quando eu trouxer nuvens sobre a terra, e aparecer o arco nas nuvens, então me lembrarei do meu pacto, que está entre mim e vós e todo ser vivente de toda a carne; e as águas não se tornarão mais em dilúvio para destruir toda a carne" Gênesis 9:13-15.

I. O arco-íris na nuvem da adversidade:

"Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações, sabendo que a aprovação da vossa fé produz a perseverança; e a perseverança tenha a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma" Tiago 1:2-4.
"Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e Deus de toda a consolação, que nos consola em toda a nossa tribulação, para que também possamos consolar os que estiverem em alguma tribulação, pela consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus" II Coríntios 1:3-4. A que devemos acrescentar Romanos 8:28.

II. O arco-íris na nuvem da morte:

"Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo, a tua vara e o teu cajado, me consolam" Salmo 23:4.
“Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Porque eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; por teu resgate dei o Egito, e em teu lugar a Etiópia e Seba" Isaías 43:2-3.

III. O arco-íris na nuvem do Juízo:

1. O juízo aguarda todos os homens: "É aos homens está ordenado morrerem uma vez, mas depois disso o juízo" Hebreus 9:27.
2. Nós estaremos diante do tribunal de Cristo, que será um julgamento para determinar a nossa recompensa... não, o nosso destino eterno.
"Porque é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de Cristo, para que cada um receba o que fez por meio do corpo, segundo o que praticou, o bem ou o mal" II Coríntios 5:10.
3. Nós nunca teremos que estar em julgamento para determinar o nosso destino eterno! . ... Por que: "Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus" Romanos 8:1.

Conclusão:

Promessa de Conquista

Promessa de Conquista

Depois da morte de Moisés, servo do Senhor, disse o Senhor a Josué, filho de Num, auxiliar de Moisés: “Meu servo Moisés está morto”. Agora, pois, você e todo este povo preparem-se para atravessar o rio Jordão e entrar na terra que eu estou para dar aos israelitas. Como prometi a Moisés, todo lugar onde puserem os pés eu darei a vocês. Seu território se estenderá do deserto ao Líbano, e do grande rio, o Eufrates, toda a terra dos hititas, até o mar Grande, no oeste. Ninguém conseguirá resistir a você todos os dias da sua vida. Assim como estive com Moisés, estarei com você; nunca o deixarei, nunca o abandonarei.

Seja forte e corajoso, porque você conduzirá este povo para herdar a terra que prometi sob juramento aos seus antepassados. Somente seja forte e muito corajoso! Tenha o cuidado de obedecer a toda a lei que o meu servo Moisés lhe ordenou; não se desvie dela, nem para a direita nem para a esquerda, para que você seja bem-sucedido por onde quer que andar.

Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite, para que você cumpra fielmente tudo o que nele está escrito. Só então os seus caminhos prosperarão e você será bem-sucedido. Não fui eu que lhe ordenei? Seja forte e corajoso! Não se apavore, nem desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar”. Josué 1:1-9

– Deus tinha promessa de conquista para o povo de Israel, assim como tem para nós que aceitamos a Jesus como Salvador e Senhor de nossas vidas.

Deus prometeu:

1. Que aonde pisasse a planta do pé seria dado como conquista (v. 3). Dentro dos limites definidos por Deus, dependia apenas do avenço do povo.

2. Sua presença no meio do povo – “... como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei...” (v. 5). A garantia de sucesso para o povo era a presença de Deus. Ele estando presente a vitória é certa.

Condições para Conquista:

1. Dependência de Deus – Os novos que formavam a nação de Israel passaram parte de suas vidas no deserto, aprendendo a depender de Deus.

2. Esforço e Ânimo – “... esforça-te e tem bom ânimo...” (v. 9). Deus espera o máximo de cada um de seus servos.

3. Uso da Palavra de Deus como Regra de Vida – “... para tenhas cuidado de fazer conforme tudo quanto nele está escrito...” (v. 8). Não podemos ceder a tentação de fazermos ou deixarmos de fazer, ou mesmo ensinar, sem o respaldo da Palavra de Deus, pois a prosperidade e sucesso para nós que pregamos e vivemos está no ensino correto.

4. Santidade – “Josué ordenou ao povo: “Santifiquem-se, pois amanhã o Senhor fará maravilhas entre vocês”. (Josué 3:5) – Deus quer usar cada discípulo para conquistar, mas é necessário que estejamos em condições d’Ele usar-nos. O que falamos, pensamos, vemos e fazemos, deve estar agradando a Ele.

Se Não tivermos esses requisitos abandonaremos as batalhas, deixaremos nossos plantios pela metade e seremos atacados até que sejamos consumidos.

Deus em uma grande conquista para aqueles que crêem n’Ele.

Aproveite esse tempo, seja fiel, acredite e confie no poder d´Aquele que tudo fez.

Seja um(a) Conquistador(a)!

Jesus no meio

Jesus no meio

Textos:  João 19:16-18; 20:19,26; Mateus 18:20; I Timóteo 2:5

Introdução: O termo “no meio” dá a ideia de presença, estar junto, envolvido, intervindo. Desde o principio, na criação Jesus estava junto – João 1:1-2 – Relacionamento – “No principio era o Verbo e o Verbo era Deus e o Verbo estava com Deus. Ele estava no principio com Deus.”.
No nascimento, entre os pais – como homem precisava de proteção.
Na adolescência, entre os doutores no templo – interesse pelas coisas do Pai.
No ministério, no meio dos discípulos e multidão – amor, compaixão.

Em que sentido Jesus está no nosso meio?

1. Como o abençoador (João 20:19)

a) Numa situação critica, difícil, trancados, com medo, ali estava Jesus “no meio” para abençoa-los com paz, alegria e com o seu Espirito Santo;
b) Jesus está sempre no meio dos seus filhos, ainda que seja em momentos duros, difíceis. O Senhor está “no meio” de nós.

2. Para atender as nossas orações (Mateus 18:18-20)

a) “Tudo que ligardes na terra, será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra, será desligado no céu” (versículo 18);
b) “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ai estou no meio deles” (versículo 20)
c) Como é bom reunirmos “em nome de Jesus”... por menor que seja o grupo, a presença do Senhor ali é real.
d) Ele está presente para atender as orações.

3. Como nosso único mediador (I Timóteo 2:5)

“Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.”
a) O pecado nos afasta de Deus (Romanos 3:23) “Porque todos pecaram e carecem da glória de Deus.”
b) O homem tem procurado se aproximar de Deus de formas e maneiras variadas, e há ensinos dizendo que há outros mediadores;
c) Mas só há um mediador, que é Jesus Cristo – João 14:6 “Eu sou o caminho a verdade e a vida, ninguém vai ao Pai a não ser por mim.” E Atos 4:12 “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devemos ser salvos.”
d) Jesus é a ponte que nos reconcilia com o Pai. (2Corintios 5:18-20)

4. Como nosso maravilhoso salvador (João 19:18)

“...onde o crucificaram, e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio.”

a) No alto monte ergueram-se três cruzes. “No meio” estava o Senhor Jesus Cristo, e a sua esquerda e a sua direita os dois malfeitores;
b) No meio da dor, agonia, sofrimento, humilhação, ali estava Jesus “no meio” para salvar o ladrão arrependido;
c) Ainda hoje Jesus está “no meio” de alcoólatras, aidéticos, drogados, marginais, famintos, doentes, prostitutos, desesperados, “no meio” dos presídios, hospitais, velhos, crianças, está “no meio” dos pecadores, pronto para levantá-los, perdoá-los, restaura-los e salva-los.

Conclusão: O Senhor está no meio, no centro, ele é o Senhor. Ele está presente, Ele tem o controle de tudo.

Deixe Jesus ficar no centro, no meio da sua vida!

O segredo da vida cristã vitoriosa

O segredo da vida cristã vitoriosa

Texto: Romanos 6:1-23

Introdução: A mensagem global de toda Bíblia é uma mensagem de vitória! Tudo que encontramos na palavra de Deus, ainda que venha nos disciplinar, corrigir, admoestar, quebrantar, confrontar, visa o nosso bem, paz e alegria, contentamento, realização e sentido para o nosso viver.

Estamos agora, diante de um texto especifico, que nos revela a nossa vida de vitória em Cristo Jesus! Nesses momentos que se seguem, tenho a plena convicção de que o Espírito de Deus vai revelar a todos nós a segredo da vida cristã vitoriosa, de como vive-la e assim tornamo-nos instrumentos usados por Deus para sua glória!

Qual é então o segredo da vida cristã vitoriosa?

I. O segredo é crer de forma vivencial na sua identificação com Cristo em sua morte e ressurreição – V.1-10

Não basta apenas um crer intelectual, doutrinário, mas um crer experimental, vivencial.Como acontece esse crer vivencial?

1- Crer que você foi crucificado com Cristo, mediante sua inclusão nele em sua morte e ressurreição v.1-3,6.

2- Crer que você morreu com Cristo v. 6-7.

3- Crer que você foi sepultado com Cristo v. 4 a.

4- Crer que você foi ressuscitado com Cristo v. 4b

5. E por isso está assentado com Ele nos lugares celestiais (Efésios 2:4-6).

É nesse crer vivencial na sua identificação com Cristo em Sua morte e ressurreição, que está a sua vitória na caminhada cristã.

II. O segredo é considerar estes fatos, como verdadeiros em relação a si mesmo, e apresentar-se para ser usado por Deus – V. 11-18

Há princípios espirituais aqui envolvidos:

1- Considerar, que significa reconhecer como realidade para si mesmo e descansar pela fé, neste fato imutável v.11.

2 - Ao invés de apresentar os membros do corpo, como instrumento de iniquidade, apresentar-se a Deus como vivos dentre os mortos v. 12-13.

3 - O ato de apresentar-se envolve uma decisão da vontade submissa à vontade de Deus v.16-17.

4 - Quando a nova criatura se entrega em obediência nas mãos de Deus, o pecado perde o domínio sobre a sua vida v.14

É pelo considerar estes fatos como verdadeiros em relação a si mesmo que sua vida interior é fortalecida e a vida de Cristo passa a ser refletida em seu viver.

III. O segredo é viver os dias da existência como uma nova criatura diante de Deus e das pessoas – V. 19-23

Há duas realidades aqui, para as quais precisamos atentar:

1- Na vida velha, no pecado, governados pela carne, o mundo e o diabo, vivíamos a serviço da imundícia, servos do pecado no caminho da morte v.19-21

2 – Na nova vida em Cristo fomos libertos do pecado para uma vida de santificação, sabendo que o pecado tem o seu salário, bem como, o dom da graça de Deus v. 22-23.

É por esta postura de viver refletindo a realidade interior desta nova vida em Cristo, que nos tornamos em instrumentos nas mãos de Deus para abençoar as pessoas.

Conclusão: A mensagem das Escrituras Sagradas é que Deus em Cristo nos chamou para uma vida vitoriosa, plena, significativa e com razão para viver. No entanto, para que esta mensagem se torne realidade é preciso crer de uma forma vivencial na sua identificação com Cristo em sua morte e ressurreição, considerar estes fatos como verdadeiros em relação a si mesmo e apresentar-se para ser usado por Deus, viver os dias da existência como uma nova criatura diante de Deus e das pessoas.

Peça a misericórdia de Deus, a fim de que você comece a viver a vida vitoriosa para a glória de Deus.

Pr.Cirino Refosco

Os Segredos do contentamento

Os Segredos do contentamento

Texto: Filipenses 4:11-13

Quebra gelo: você se considera uma pessoa feliz?

Introdução: Existem dois tipos de felicidade

A felicidade que atinge somente o plano físico.

Esta felicidade é passageira e inconstante, todas as realizações visam à satisfação da alma e isto reflete no corpo.

"Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha. Pelo que os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. Porque o Senhor conhece o caminho dos justos; mas o caminho dos ímpios perecerá" Salmos 1:4-6.

A felicidade que é a plenitude da satisfação.

Esta felicidade não é passageira partindo do principio que seja regada com a Palavra de Deus. As realizações desta felicidade alegram espírito e também reflete na nossa alma e corpo.

"Bem aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cujas folhas não caem, e tudo quanto fizer prosperará" Salmos 1:1-3.

A felicidade não é resultado de conquistas ou realizações. Sou feliz não por aquilo que conquistei, e sim porque alcancei a salvação através de Jesus Cristo. A minhas realizações são resultados de ações e bênçãos provenientes do Senhor.

Jesus pagou um alto preço por esta felicidade. Foi sua morte na cruz e o seu sangue derramado em meu favor. A minha felicidade tem nome: SE CHAMA GRAÇA (favor imerecido). Eu nada merecia, mas Ele tudo fez por mim.

O apostolo Paulo é exemplo de a felicidade deve estar apoiada em Cristo. Paulo passou por momentos desafiadores, mas sempre creu que a sua felicidade não era resultado das suas realizações.

"Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um;  fui três vezes fustigado com varas; uma vez, apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar;  em jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos;  em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitas vezes; em fome e sede, em jejuns, muitas vezes; em frio e nudez" (II Coríntios 11: 24-27).

Vamos aprender com Paulo:

"Digo isto, não por causa da pobreza, PORQUE APRENDI a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece" (Filipenses 4: 11-13).

Precisamos “aprender” a viver contentes em toda e qualquer situação, seja ela boa ou não. “Contentamento” não pode ser confundido com acomodação ou passividade. Pelo contrário, “estar contente” representa a atitude de manter-se físico, emocional e espiritualmente “inabalável” diante das situações, com coração grato, mesmo diante de problemas.

Vamos aprender com Paulo os segredos do contentamento:

1. É necessário aprender a estar contente.

"Digo isto, não por causa da pobreza, porque APRENDI a viver contente em toda e qualquer situação" Filipenses 4: 11.

Paulo diz que “aprendeu” a viver contente e isso não foi automático. No momento em que aceitamos a Jesus como Senhor e Salvador, o Espírito Santo se manifesta com intensidade, daí a alegria do novo convertido. Aprender de Deus é ir adiante desta manifestação inicial, é se dispuser a aprender através do discipulado. Quando isso acontece o Espírito Santo age com intensidade na vida do homem.

A infelicidade é um jugo insuportável, e que em alguns casos leva o homem a depressão e até a morte. Jesus tem a solução para o problema. "Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e APRENDEI DE MIM, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve" (Mateus 11: 28-30).

Precisamos buscar. Quando há disposição para aprender, com certeza o Senhor vai agir, e nos tornaremos felizes para Deus.

2. É necessário aprender á suportar a humilhação.

“Tanto sei estar humilhado” (versículo 12).

O ponto chave para alcançar a plenitude da verdadeira felicidade é suportar a humilhação. "Pois todo o que se exalta será humilhado; e o que se humilha será exaltado" (Lucas 14: 11). Quando aprendemos a suportar a humilhação, o Senhor nos exalta.

Aprender a suportar a humilhação é descansar no Senhor. Muitos até dizem que suportam, mas murmuram, reclamam, viram as costas para o seu ofensor, isso não é aprender de Deus. Paulo e Jesus foram exemplos de superação quando foram humilhados, eles sabiam muito bem o que era esse sentimento. "Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca" (Isaías 53: 7).

O primeiro sintoma de que não estamos suportando a humilhação é quando resolvemos abandonar tudo, é quando permitimos que seja desenvolvido em nosso coração o sentimento de baixa estima (ninguém gosta de mim). Assim como Paulo e Jesus suportaram, também devemos suportar, é nestes momentos que vamos aprender de Deus. O grande aprendizado é não transferir os momentos difíceis da vida para seu relacionamento com Deus.

3. É necessário aprender a ser honrado

“Como também ser honrado” (versículo 12).

Honra: Princípio ético que leva alguém, por causa da sua conduta a gozar de tudo o que é bom.

A honra do ponto de vista Bíblico só acontece quanto permitimos ser tratados por Deus. Quando aprendemos de Deus, recebemos Dele o reconhecimento. Não há honra maior do que ser reconhecido por Deus.

"E disse o Senhor a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem sincero e reto, temente a Deus, e desviando-se do mal"(Jó 1: 8).

O esfriamento é o primeiro sintoma de que estamos perdendo a honra diante de Deus.

4. É necessário aprender á estar contenta também nos momentos difíceis.

“de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez”.

Muitos até acham que são felizes, e que a sua felicidade fundamenta-se na Palavra de Deus, mas é quando surgem os problemas é que podemos saber qual é o fundamento da sua felicidade.

Paulo diz que em tudo era experimentado ou tinha experiência. Assim como aconteceu na vida de Paulo situações boas e ruins, também acontece em nossas vidas. As provações produzem no coração do justo; experiência.

"Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes" (Tiago 1: 2-4).

5. A base da nossa felicidade é a nossa aliança com Deus.

"tudo posso naquele que me fortalece" (versículo 13).

Aqui esta uma declaração do estado verdadeiro do verdadeiro cristão: “tudo posso naquele que me fortalece”. Paulo aprendeu e nos ensina que não há felicidade fora do Senhor.

Seu segredo estava em amar a Deus e reconhecer sua suficiência. Quando ele diz “tudo posso naquele que me fortalece”, está dizendo que pode ser honrado ou humilhado e isso não abalará seu relacionamento com Deus. Além disso, ele está testemunhando de que, não são as circunstâncias, mas seu relacionamento com o Senhor que fortalece sua vida.

Conclusão.

  • Será que sua vida não tem sido sugada por frustrações e descontentamento?
  • Quer aprender a viver acima disso?

Então você precisa fazer uma aliança com Cristo, aquele que verdadeiramente pode lhe fortalecer.

3/26/2014

Um sermão que custou a vida do pregador

Um sermão que custou a vida do pregador

Texto: Atos 7:1-60

Introdução: Estevão tinha sido acusado de falar blasfêmia contra a lei e o Templo, porque ele disse aos judeus que o Senhor Jesus Cristo tinha cumprido todos os tipos de lei e satisfez todas as suas exigências, e que todas as formas de adoração carnal deveriam ser destruídas. Estas palavras não se coadunam com os líderes religiosos e eles o apedrejaram até a morte.

1. Implícita em todo sermão de Estêvão está a doutrina da absoluta soberania de Deus na Providência.

- Começando com a chamada de Abraão, Estevão mostrou como tudo no Antigo Testamento apontavam para Jesus Cristo e foi cumprido por ele.

2. O Senhor Deus é um Deus de propósito.

- O propósito de Deus inclui todas as coisas e nada o pega de surpresa.

- O propósito de Deus é fixo e não pode ser mudado.

- Uma vez que uma pessoa reconhece a imutabilidade de Deus, ela passa a confiar em Deus.

- Tudo o que Deus fez ou permitiu ser feito, está fazendo ou deve ser feito é para o louvor e glória de seu grande nome.

- Sem Jesus Cristo e Sua grande obra da redenção, tudo o que está registrado no Antigo Testamento não teria sentido.

3. Todos os eventos da história do Antigo Testamento apontavam para a vinda de Jesus Cristo e a redenção através dele. (VV1-47)

- Todo o propósito de a Bíblia ser escrita é revelar a graça e a glória de Deus, o que Ele tem feito por meio do Senhor Jesus Cristo.

- Todos os acontecimentos do Antigo Testamento foram arranjados pela providência divina para revelar o propósito eterno da graça de Deus na redenção dos pecadores por meio de Jesus Cristo.

- Deus escolheu Abraão para iniciar o Seu povo eleito.

- Deus enviou José para o Egito para preservar o Seu povo escolhido vivo.

- Deus enviou Moisés para libertar o povo da aliança de Deus da escravidão.

- Deus estabeleceu uma casa temporária de adoração e a mobilou de tal forma a ser uma imagem da Igreja de Deus.

4. Agora que Jesus Cristo veio e a redenção foi cumprida por Ele, todas as ordenanças carnais do Antigo Testamento foram abolidas para sempre. (Vv48-50)

- Deus aboliu para sempre o velho sistema de adoração.

- Jesus predisse o dia em que Deus seria adorado nos corações dos homens e mulheres, e não em um lugar particular.

5. Contínua e voluntária rejeição da verdade divina resulta em reprovação eterna. (Vv51-53)

- Deus não vai brincar com quem brincar com ele.

- O propósito de Deus não foi afetado, mesmo os judeus tendo rejeitado Seu Filho, o Senhor Jesus.

6. Deus inclusive anula e usa as mãos de homens maus para cumprir o Seu propósito de graça para seus eleitos. (Vv54-60)

- Mesmo que o ato de apedrejamento de Estevão foi um ato imperdoável de maldade, Deus predominou e o usou para realizar o Seu grande propósito da graça.

- Estevão foi para a sua glória.

- Saulo de Tarso veio a conhecer o Senhor Jesus Cristo, a quem Estevão pregou tão corajosamente.

- A Igreja de Deus teria um novo apóstolo para ajudar a espalhar a palavra sobre Jesus - Paulo.

Conclusão:

1. O que aconteceria se este mesmo sermão fosse pregado no mesmo lugar aos descendentes dos que ouviram o sermão, quando foi pregado pela primeira vez?

2. Deus tem um propósito para tudo o que Ele permite ou não permite.

3. O Senhor Jesus Cristo trouxe o Novo pacto de Deus (Testamento), que anulou o Antigo Pacto (Testamento).

4. Deus vai cumprir a Sua vontade, apesar de Satanás e as pessoas más tentarem impedi-lo.

5. Uma vez que Deus não muda, nem pode a Sua vontade ser alterada, é seguro confiar plenamente em Deus.

Pr. Aldenir Araújo

3/23/2014

"Deus é Deus!"

"Deus é Deus!"

Texto: Gênesis 1:1 Êxodo 3:3-6; 13-14 Jó 38:1 

Introdução: As palavras "Deus é Deus!" foram proferidas por Yule Brenner em seu papel como Faraó no filme "Os Dez Mandamentos".

Após a pragas que Deus enviou ao Egito o faraó finalmente admitiu que o Deus dos israelitas era de fato "O" Deus. A medida que vivemos nossas vidas, muitas vezes apanhados nas atividades da vida, por vezes, nos afastamos da percepção de que o nosso Deus é de fato o verdadeiro e único Deus e, portanto, precisamos ser lembrados e estar convictos, a nossa fé renovada de que o Deus da nossa Bíblia é realmente Deus.

Vamos aplicar algum tempo e atualizar a nossa fé lembrando algumas coisas sobre o nosso grande Deus.

1. Deus é compassivo: Ele tem um cuidado constante, interesse, preocupação com toda a sua criação. Ele até sabe quando um único pardal cai. Quanto mais ele se importa conosco, os crentes, filhos de sua própria família.

2. Deus é condescendente: Ele permite, inclusive convida a Sua criação para se comunicar com ele (como no caso de Adão e Eva); encoraja-nos a orar com a garantia de que Ele vai nos ouvir.

3. Deus é fiel: Ele cumpre Sua Palavra, Suas promessas, Seus pactos. Ele é uma fonte inesgotável de conforto e segurança para nós, Seus filhos.

4. Deus é Bom: Seu caráter natural é tratar toda a sua criação com bondade e tem nossos melhores interesses sempre no coração, nos dando tudo o que pedimos em linha com o que é melhor para nós.

5. Deus é Santo: Ele é justo em todos os seus caminhos. A santidade motiva suas ações e a santidade é visível em tudo o que faz.

6. Deus é imutável: Ele é auto existente, imutável. Deus É e nunca será maior ou menor do que Ele é neste exato momento. Um conforto maior assegurado. Em nosso Deus sempre podemos confiar, pois Ele sempre será o mesmo.

7. Deus é incompreensível: Nossas mentes não podem compreender sua existência eterna, nem os Seus caminhos. Ele teve que usar a terminologia humana conosco para nos ajudar a entender um grau de compreensão sobre ele, (ouvidos, mãos, olhos, etc.).

8. Deus é Justo: Ele tem direito absoluto e autoridade sobre todas as coisas, uma vez que existe por Sua criação e vontade. Deus sempre trata com justiça e de forma justa com toda a Sua criação. Um pensamento reconfortante.

9. Deus é longânimo: um atributo maravilhoso que tem contribuído para a longevidade de alguns de nós nesta terra. Também o fato de que muitos se voltaram para Jesus Cristo depois de muitos e muitos anos de resistência.

10. Deus é amor: Ele é a fonte inesgotável de todo o amor. Ele não poderia ser Deus sem amor. É o principal motivo de tudo o que Deus faz.

11. Deus é misericordioso: Mesmo ao pecador mais difícil, Ele ainda é misericordioso e não querendo que nenhum pereça. O grau de misericórdia de Deus para nós é visto na Cruz. Se Ele nos amou quando éramos Seus inimigos, quanto mais deve Ele nos ama agora que estamos em Sua família.

12. Deus é Onipresente: Sua perfeição exige que ele esteja em toda parte ao mesmo tempo, caso contrário, Ele não seria Deus. Ele fez espaço para as coisas e não ser uma "coisa" Ele não requer espaço.

13. Deus é onisciente: É de nosso Deus, que todo o conhecimento vem. Ele é a fonte de todas as informações e fatos. Ele compreende todas as coisas do passado, presente e futuro, possível, talvez, etc. E os nossos pensamentos mais íntimos.

14. Deus é Onipotente: Tudo o que é, e sempre foi, ou será alguma vez veio de Deus. Tudo o que Ele quer, acontece. Ele não tem igual. Ele é a fonte de toda a autoridade e poder.

15. Deus é soberano: Uma vez que todas as coisas vieram de Deus, todas as coisas são subordinadas a ele. As coisas criadas e coisas resgatadas (nós). É Deus quem colocou tudo no seu respectivo lugar e propósito. Não foi "Acaso"

16. Deus é Verdade: Sem ser VERDADE, Deus não seria Deus. Ele não seria crível nem confiável. Ele implantou dentro de Sua criação a capacidade de reconhecer a VERDADE

Conclusão:

1. A Bíblia foi dada a nós por Deus. É a Sua revelação para nós e contém tudo o que precisamos saber para estar bem uns com os outros e acima de tudo, com ele.

2. A Bíblia descreve o autor em milhares de formas e descreve seus atributos com grandes detalhes.

3. Que grande conforto encontramos no fato de que o nosso "Deus é Deus!"

4. Cada coisa criada dará conta de seu criador, Deus.

5.  Deus nos deu a Bíblia para nos informar e nos preparar. Seria muita tolice ignorar a Palavra de Deus.

6. O que você acha da Bíblia? O que você acha de Deus?

7.  Esperemos que esses pensamentos tenham renovado e revigorado sua confiança e amor a Deus, pois não há outro Deus, senão o Deus da Bíblia, nosso Deus.

Pr. Aldenir Araújo

A maior honra

A maior honra

Texto: Gênesis 1:1

Introdução: Quando criança em um momento ou outro você chegou a pensar que seus pais não te amavam?

Eles não deixaram você fazer o que queria e na decepção e até mesmo com raiva você pronunciou as palavras: “vocês não me amam mais"? Nossos filhos dizem as mesmas coisas quando não permitimos eles fazer determinada coisa, não é mesmo?

Agora, como adultos, muitas vezes, pensamos e falamos as mesmas palavras quando a vida nos apresenta as dificuldades e parece que Deus não pode ser encontrado. "Por que eu?" "Por que isso tem que acontecer neste momento comigo?", etc.

Era verdade que seus pais não te amavam quando não permitiram que você fizesse algo quando criança? É verdade que você não ama seus filhos quando você não deixa eles fazer o que querem? Então, é verdade que Deus não nos ama mais quando as coisas dão erradas e ele não responde as nossas orações?

Deus já nos mostrou que Ele nos ama, independentemente do que fazemos ou falamos. Nunca diga que Deus não se importa quando as coisas ruins acontecem com você, lembre-se da cruz de Jesus. Deus tem nos mostrado pela cruz que Ele sempre nos amou e sempre nos amará.

I. Estar bem com Deus é a coisa mais importante na vida de alguém. Mateus 22:37-38

1. Você poderia dizer a Jesus, face a face, "Eu te amo com todo meu coração, com toda a minha alma, com toda a minha mente e toda a minha força", e estar dizendo a Ele a verdade?

2. Tudo na vida de alguém; tudo sobre conhecer e experimentar o Senhor Jesus, tudo sobre conhecer Sua vontade, depende da "qualidade" do amor de alguém e de estar bem com Deus.

3. A coisa mais importante na vida de qualquer pessoa é estar bem "certo" com Deus; essa é a condição de Deus.

II. A honra maior que se pode ter é ser amado por Deus. Mateus 6:24, 31-34; Deuteronômio 6:10-15

1. Sempre que você canta o hino: "Precioso para mim é Jesus...", você estava dizendo a verdade?

a. Você prefere ter Jesus a prata, ouro, riquezas incalculáveis​​, casas e terras?

b. Você prefere ter Jesus a aplausos de homens e fama mundial?

c. Você prefere ter Jesus que, ser o rei / rainha de um vasto domínio?

d. Você prefere ter Jesus a qualquer coisa que este mundo oferece?

2. Por causa do grande amor de Deus por nós, Deus provê tudo o que precisamos quando amamos somente a Ele.

3. Deus tem um propósito para cada um de nós e Seu propósito vai muito além de nossas vidas nesta terra, mas para a eternidade.

a. Os pensamentos de Deus não são os nossos pensamentos, porque os nossos pensamentos estão fixos no tempo e nas coisas.

4. No que exatamente você está investindo todo o seu tempo, a sua própria vida, seus recursos?

a.  O que em sua vida passará? O que vai ser para sempre?

III. Deus começou tudo. Romanos 3:10-12, João 6:44-46

1. Deus começou tudo, Deus nos escolheu, Deus nos ama, Deus revela Seu propósito eterno para nossas vidas.

2. Ninguém deliberadamente, por conta própria, procura Deus.

a. Quem é justo por si mesmo?

b. Quem entende as coisas espirituais de Deus por si mesmo?

c. Quem corre atrás de Deus ansiosamente buscando-o, tudo por conta própria?

d. Quem faz o bem por conta própria o tempo todo?

3. É Deus que nos atrai a Si mesmo.

a. Quem pode vir a Jesus por ele mesmo? Ninguém.

b. O que acontece quando uma pessoa ouve o Espírito Santo e aprende sobre o grande amor de Deus e de Jesus? Ele se aproxima de Deus.

c. A única maneira que uma pessoa pode se tornar parte da família de Deus é sendo transformada por Deus em primeiro lugar.

4. Não se pode conhecer Jesus ou os Seus caminhos se Deus não tomar a iniciativa de revelar a essa pessoa e, em seguida, essa pessoa deve escutar e obedecer ao que é revelado.

Conclusão:

1. A maior honra que você pode experimentar durante a sua vida é ser amado por Deus

2. A maior coisa que você pode fazer em sua vida é estar bem com Deus.

3.  O que ou quem você ama mais do que a Deus? Ele já mostrou o quanto Ele o ama.

Pr. Aldenir Araújo

3/22/2014

Deus e o homem - A luta visível

Deus e o homem - A luta visível

Texto: Gênesis 1-3

Introdução: A Bíblia tem apenas uma história, a história de Deus e o homem, a relação e a luta de Deus com o homem. A Bíblia descreve a história da humanidade, onde o homem se esforça para ser o dono de si mesmo, para fazer as coisas à sua própria maneira, cometendo todos os tipos de mal e maldizendo a Deus.

A Bíblia revela quem o homem é realmente, mas também revela quem Deus é realmente, intervindo e a fonte da salvação do homem através do próprio Filho de Deus, o Salvador, o Messias, Jesus Cristo. Esta luta entre Deus e o homem é experimentada por todo ser humano no coração e na mente todos os dias de sua vida.

As tentações em pensamento ou atos provoca uma luta entre seguir a Deus e fazer o bem ou ceder e desobedecer a Deus. Esta luta começou desde o início, no Jardim do Éden com os primeiros seres humanos criados por Deus.

1. Adão e Eva: uma relação perfeita com Deus é quebrada (Gênesis 1 - 3)

A. O relacionamento perfeito (Gênesis 1-2)

- Deus criou o homem com a finalidade de cobrir o homem com amor, bondade e graça.

- Deus colocou o homem em um lugar perfeito e a responsabilidade do homem era manter o relacionamento vivo, obedecendo a Deus.

- A desobediência traria morte, física e eterna, com a separação permanente de Deus.

- Por uma quantidade desconhecida de tempo tudo estava bem e Deus e Adão e Eva viviam em comunhão.

B. O relacionamento quebrado (Gênesis 3:1-7)

- Houve um dia em que Adão e Eva escolheram desobedecer a Deus e a relação foi cortada.

- A pena tomou efeito e eles (homem) foram separados de Deus, condenados a morrer.

C. O relacionamento restaurado (Gênesis 3:8-24)

- Deus, que é tão amoroso, interveio e procurou o homem (Adão e Eva) e prometeu restaurar o relacionamento perfeito com a "semente da mulher...”.

2. Noé e o Dilúvio: (Gênesis 6-10)

A. O homem continuou a desobedecer a Deus (Gênesis 6:1-7)

B. Em Amor, Deus interveio. (Gênesis 6:8-10; 10)

- Deus encontrou um homem justo, Noé, e salvou a raça humana por meio dele.

3. A Torre de Babel: (Gênesis 11:1-9)

A. O homem (pessoas) tentou construir um império mundial.

B. Um império e uma religião que estava totalmente oposta a Deus.

C. Em Amor, Deus interveio.

D. Deus confundiu as línguas, forçando as pessoas a espalhar por toda a terra.

4. Abraão e Israel (Gênesis 11:10 - Gênesis 50)

A. O homem (pessoas) continuou a fazer nada de diferente em relação a Deus, depois da Torre de Babel.

B. Deus intervém mais uma vez, escolhendo um homem, Abraão para ser pai de uma nova nação.

- Para ser um povo que ama a Deus acima de tudo e dar-lhe a sua primeira lealdade.

- Para ser uma testemunha para o resto do mundo que Deus é o único Deus vivo e verdadeiro.

- Para ser a linhagem escolhida por meio de quem Deus enviaria o prometido, o Messias.

- Ser o canal da revelação escrita de Deus para o mundo, a Bíblia.

- Para dar a Israel a terra prometida e para colocar diante do mundo o objetivo de um prometido "céu".

C. Os descendentes imediatos de Abraão continuaram a falhar com Deus e de novo e o livro de Gênesis termina com Israel em cativeiro como escravos do Egito.

5. Moisés e a Lei: (Êxodo - Deuteronômio)

A. Deus, em amor, interveio novamente, levantando Moisés para tirar Israel da escravidão no Egito e dar a Sua lei para Israel e para o mundo:

- Ensinar ao homem que Deus é santo, justo e bom.

- Ensinar ao homem que ele é incapaz de salvar a si mesmo.

- Para ensinar a necessidade do homem para com o Prometido, o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.

B. O povo de Israel não foi fiel em seguir a Deus de forma consistente.

A. Eles escolheram se afastar de Deus e seguir seu próprio caminho ao longo da sua peregrinação no deserto.

6. O estabelecimento de um reino: Josué, Juízes, Saul, Davi, Salomão, outros reis de Israel: (Jó - Ester).

A. Através da coragem de Josué e os juízes, Israel conquistou terra suficiente para mover-se em Canaã.

- Agora, na terra prometida, Israel rejeitou novamente o governo de Deus e exigiu um rei.

B. Deus novamente interveio e deu ao povo de Israel uma linhagem de reis.

- Alguns dos reis eram bons e outras ruins e a nação de Israel tornou-se mais e mais como o resto dos reinos do mundo.

- As pessoas se tornaram mais e mais mundanas e etc.

- Israel finalmente caiu, assim como todos os outros reinos do mundo caem e, mais uma vez entrou em cativeiro.

7. O Grito dos Poetas e Profetas: (Jó - Malaquias)

A. Deus levantou poetas e profetas para pleitear com Israel para voltar a Ele, mas Israel continuou a fazer o que eles queriam, rejeitando a Deus e caminhando cada vez mais para longe d'Ele.

8. A Suprema Intervenção de Deus - Jesus Cristo: (Mateus - Judas)

A. No Novo Testamento

- Deus é visto intervindo na história da humanidade e do mundo, enviando o prometido, o Seu próprio Filho, Jesus Cristo, para salvar a humanidade. (Mateus - João)

B. O homem rejeitou o Filho de Deus e O mataram em uma cruz.

C. No entanto, Deus ainda não exterminou o homem sobre a face da terra, Deus interveio mais uma vez:

- Ao morrer na cruz, Deus colocou os pecados do mundo sobre Seu Filho, que, em seguida, morreu pelos pecados do homem.

- Deus, então, levantou o Seu Filho dos mortos.

D. O resultado foi surpreendente:

- Incontável número de pessoas tem confiado no Filho de Deus, Jesus Cristo como seu Salvador.

-  Eles creem que Deus disse que Jesus Cristo realmente morreu por seus pecados na cruz e quando eles creem, eles recebem o Espírito Santo de Deus.

-   A Igreja nasceu e começou a marchar em direção ao glorioso dia da redenção. (Atos - Judas)

9. A maior intervenção culminante de Deus ainda está por vir: (Apocalipse)

A. A história humana terminará com o retorno do Filho de Deus, Jesus Cristo, para trazer todas as pessoas em juízo.

Conclusão:

1. Não pode haver dúvida sobre isso: Deus ama as pessoas, ou então Ele teria destruído a humanidade da face da Terra há muito tempo.

2. Desde o início da raça humana, as pessoas têm substituído a Deus com suas próprias ideias e invenções, mas Deus nunca desistiu.

3. Deus providenciou um meio de salvação para as pessoas se aceitarem, e é através de Seu Filho, Jesus Cristo.

4. Está chegando o tempo, talvez muito em breve, quando Deus porá um fim a toda a Sua misericórdia para com a raça humana e acabar com esta velha terra e todos os que rejeitaram Sua oferta de amor da vida eterna através de Seu amor, graça e Filho.

5. Então, como estão as coisas entre você e Deus? Com você e Jesus Cristo, Seu Filho? Você está entre aqueles que aceitaram o Filho de Deus e tem a vida eterna? Se não, agora é a hora de recebê-lo como seu Senhor e Salvador.

Pr. Aldenir Araújo

3/21/2014

Olhando para trás

Olhando para trás

Texto: Gênesis 47:9; 31:42; 35:3; 32:10; 33:11; 48:15-16

Introdução: A Bíblia está cheia de exemplos para nós; exemplos que devemos seguir e não seguir. O texto é sobre um homem, Jacó que passou algum tempo refletindo sobre sua vida, resumindo o passado; uma espécie de olhar por cima do ombro.

Parte do que ele se lembrava, era um pouco escuro e não tão bom; parte foi quando sua vida estava cheia de aflição, trabalho, sofrimento, mas admitiu que Deus tinha sido misericordioso. Então, quando sua vida começou a desacelerar, ele refletiu sobre como Deus estava com ele o tempo todo e como ele tinha saído do mal e dos problemas.

Vamos dar uma olhada em cada uma das quatro áreas que Jacó refletiu e suas conclusões.

I. Houve um tempo em que ele reclamou

1. "... poucos e maus têm sido os dias dos anos da minha vida...”.

2. Quando perguntado sobre sua idade e vida passada pelo Faraó, Jacó deu a resposta que nem todos tinham sido bons e ele estava realmente reclamando, embora Deus lhe houvesse dado muitos anos e bênçãos.

3. Ele estava querendo passar a impressão de que ele era um "ninguém".

- Jacó teve problemas familiares em criar seus filhos.

- Os irmãos de José queria matá-lo, mas resolveram vende-lo como escravo.

- Jacó se culpava pelo que tinha acontecido com José

- Jacó se lembrou de sua própria infância, quando ele e seu irmão Esaú discutiram sobre os benefícios da primogenitura, o seu ódio de Esaú, suas mentiras a seu pai em disfarçar-se como Esaú, com a ajuda de sua mãe, a fim de ser abençoado por seu pai.

- Jacó teve de fugir para outro lugar por anos, então entrou em outra disputa com seu sogro.

- Todos os erros que seus próprios pais tinham cometido, havia se repetido em sua própria casa, em direção a seus próprios filhos.

- Ao refletir sobre o passado, parecia que sua vida tinha sido cheia de erros, falhas e omissões.

4. Dê uma olhada por cima do ombro em sua vida passada. O que você vê? Há erros? Existem coisas que você gostaria de fazer de novo? Há erros cometidos por você em seu passado? Se assim for, você não é o único.

II. Houve um tempo em que ele teve que admitir que Deus o ajudou.

1. "... Deus viu a minha aflição e o trabalho das minhas mãos..." "... que me respondeu no dia da minha angústia, e que foi comigo no caminho por onde andei...”.

2. Ainda falando sobre suas aflições, angústia e seu trabalho, do jeito que ele teve de viver, Jacó teve que admitir que Deus o ajudou.

- Embora a aflição, a angústia e o trabalho tinha sido difícil e duro, Jacó teve de admitir que Deus se importava, apesar de ter sido difícil, ele teve que finalmente admitir que Deus tinha estado com ele.

3. Ao olhar para trás através de sua própria vida, mesmo os tempos difíceis, quase impossíveis, você está aqui, agora e pode dizer o que você quer dizer, mas você tem que admitir que talvez você não soubesse, mas Deus estava com você o tempo todo.

- VOCÊ, todos nós, podemos dizer como Jacó disse: "... Deus viu a minha aflição e o trabalho das minhas mãos...". Seu ouvido estava aberto para você (nós), e Ele andou a cada passo com você (nós).

-   Depois de pensar um pouco, não é que parece que Deus merece mais do que uma má vontade, concessão fraca?

III. Houve um tempo de pensar sobre Deus

1. "... Eu não sou digno da menor de todas as tuas beneficências e de toda a fidelidade que tens usado para com teu servo...”.

2. Jacó está começando a entender sobre a sua própria vida, quando ele finalmente percebe que, apesar de todo o mal nos seus dias, Deus estava lá com a Sua graça.

3. Olhando para trás ao longo da vida revela o quão frequentemente o amor perdoador de Deus se encontrou com sua necessidade, renovando a fé, gerando para hoje humildade e contrição.

- "... Eu não sou digno... Ele foi gracioso...”.

IV. Houve um momento de compreensão, reconhecimento, realização.

1. "... Deus tem sido bondoso para comigo..." "... o Deus que me sustentou durante a minha vida até este dia, o Anjo que tem me livrado de todo o mal, abençoe estes rapazes...”.

2. Jacó finalmente fala dos outros.

- De Deus, dos "rapazes" (os filhos de José para receber a bênção) e da nova geração que viria.

-  Jacó percebe que a vida é também sobre outros.

3. Quando o cristão olha para trás em sua vida, como fez Jacó, finalmente ele vai "absorver" que a vida é sobre os outros, e que não foi tão ruim quanto parecia porque Deus esteve lá o tempo todo e é uma vergonha que tenha demorado tanto tempo para perceber a verdade.

Conclusão:

1. Cada uma das áreas de reflexão de Jacó, lembrando, os pensamentos podem ser identificados com cada um de nós; para todos nós que temos coisas do passado que não eram boas, e olhando para trás, podemos ver que nós realmente nunca estivemos sozinho porque Deus estava lá o tempo todo, e que Deus tem sido muito amoroso, atento e gracioso quando nós certamente não merecíamos e, finalmente, percebemos que a vida não é tudo sobre nós, é sobre os outros.

2. Por que não fazer como fez Jacó e voltar através de sua vida e descobrir que Deus estava lá o tempo todo.

3. Dê graças a Deus que Ele estava lá, e Ele está com você agora e Ele estará com você por toda a eternidade.

Pr. Aldenir Araújo

3/19/2014

Encontrando o verdadeiro descanso

Encontrando o verdadeiro descanso

Texto: Mateus 11.28-30

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve."

Introdução:
• Onde estão nossas preocupações?
• Por que concentramos tantas energias na resolução de problemas e, ainda assim, não temos sucesso em tudo? O que está faltando?
• Por que estressamos nossos cônjuges, filhos, amigos, discípulos, discipuladores, com nossos problemas e esquecemos do ensino do Messias quanto a buscar o verdadeiro descanso e solução para os nossos problemas?

Hoje, vamos falar um pouco sobre a busca do descanso. Jesus ensinou sobre o verdadeiro descanso. Dentro da cultura judaica vigente, naquela época e ainda nos dias de hoje, alguns tabus impedem que a essência da Palavra seja vivida quanto ao descanso.

1. O que é o descanso? Por que Deus se preocupou com isso?

Deus sabia desde o princípio que o homem precisaria de refrigério, de descanso.
Des. can. sar
v. 1. Tr. Dir. Dar descanso a, aliviar da fadiga. Cessar o trabalho, os afazeres, aliviar as cargas.
Segundo o modelo da Bíblia, descansar é tudo isso e muito mais. Quando Deus criou o universo, Ele nos ensinou acerca do descanso. O Texto diz que de todas as suas obras Ele, o Eterno, descansou! No Novo Testamento, encontramos, na pessoa do Mashiach Yeshua, o respaldo para um descanso verdadeiro.

Gn 2.1-3 "Assim, pois, foram acabados os céus e a terra e todo o seu exército. E, havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera.”.
Por que insistimos em não ouvir a voz de Deus? Não estamos falando de uma doutrina, mas de um princípio criado por Deus para o nosso bem estar. É impressionante como nos convertemos rapidamente a ensinos fora das escrituras, a doutrinas disfarçadas e num instante estamos mergulhados no paganismo, em contrapartida, nos opomos a tudo o que a Bíblia nos mostra quando se refere à quebra de “tradições”.

Somos resistentes, mesmo que esteja claro na palavra de Deus. O Eterno nos fala sobre a dura cerviz, é isso que encontramos, muitas vezes, durante a caminhada da fé, pessoas que sempre se opõe aos ensinos da palavra, porque preferem ficar na “tradição” de ensinos fora das bases das escrituras.

O texto de Mateus nos diz: vinde a mim. Não diz eu vou a você, não diz: fique onde está, parado, infuncional. Não, o texto diz: VINDE A MIM. Às vezes procuramos tudo, todos aqueles que achamos que podem resolver os nossos problemas. Mas esquecemos daquele que realmente resolve todos os problemas.

2. A quem é dado o direito de buscar descanso?

A alguns? A certos grupos sociais, elitizados? A uns poucos? Não, não é isso o que as escrituras dizem. O texto diz: TODOS! DIGA: TODOS!!! Isso inclui você. Deus não lhe excluiu! O mundo pode fazer isso. As pessoas podem fazer isso. A família, sem Deus, pode fazer isso, mas Deus não! Ele sempre estará com as portas abertas para receber os excluídos, os rejeitados, os marginalizados, os doentes no físico e na alma, nas emoções. O mundo exclui, Jesus recebe. Ele mesmo disse: “eu vim para os doentes, para os necessitados...” (Mt 9.12,13).

A quem Jesus recebe? Todos os cansados, sobrecarregados, oprimidos. Você está cansado de lutar para resolver problemas, está sobrecarregado? Vá a Jesus.

3. por que devemos buscar o descanso em Deus?

Há uma promessa para quem busca o descanso em Deus, para quem vai até Ele. O texto diz: EU VOS ALIVIAREI!!! ALELUIA!!! Quer alívio, quer experimentar o verdadeiro descanso? Vá até Ele! Não fique aí, chorando como quem não tem solução, como se o seu problema não tivesse jeito, vá até Ele. Não que você não possa chorar que não tenha o direito de chorar, não é isso, você tem esse direito, mas não mergulhe no problema, não deixe que ele roube a sua alegria, ofusque o seu brilho que vem de Deus. Salmo 30.5 declara, na parte b do verso: “... o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã...”, ou seja, o chore “pode”, isso implica possibilidade, direito, tempo limitado, determinado, e não o resto da vida. O Eterno sempre nos dará livramentos, sempre nos dará descanso, alívio, porque Ele é um Deus de pactos, de alianças e cumpre a todas as Suas promessas. O que fazer? Apegar-se a elas, estudar cada uma delas, examiná-las e acima de tudo, vivê-las.

Não precisa ser especial para achegar-se a Ele, simplesmente vá. Ele diz: vinde, vinde, vinde a mim!

4. Quais os benefícios de quem busca o descanso em Deus?

Quem aprende a descansar em Deus tem alívio, tem refrigério. Aprende Dele, pois Ele é manso e humilde. Isto significa alguém que se permite ser acessível, disponível, pois a mansidão abre caminhos, abre portas. Não há impedimentos. Diferente de alguém agressivo, repulsivo, que ninguém pode se aproximar. Você parou para pensar que pessoas agressivas não têm amigos, são solitárias, ninguém gosta de estar perto delas, pois nunca sabe quando “ a bomba vai estourar”. Entretanto, os mansos herdarão a terra (Mt 5.5).

Vemos duas características da personalidade de Jesus aqui, manso e humilde. Humildade fala de simplicidade. Fala de portas abertas para a multidão se aproximar, independente de sua posição social, seu nível intelectual, todos podem aproximar-se de um homem manso e humilde. Não é alguém arrogante, prepotente, mas humilde. Essa figura descrita na palavra dá-nos sempre, a certeza de que temos livre acesso a Ele.

Um dos maiores benefícios que encontramos na busca do verdadeiro descanso, é que temos a certeza que vamos achar o que procuramos. Deus se preocupa com a nossa saúde emocional, com a nossa alma. Ele diz: “achareis descanso para vossas ALMAS”. E ele termina dizendo: porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.

Conclusão: Os benefícios do verdadeiro descanso também estão descritos no Salmo 23. Vemos aplicação dentro de um contexto que vivemos em nossos dias. Encontrar o verdadeiro descanso não significa ausência de problemas, mas alívio em meio a eles. Passamos por tribulações, problemas, alguns diriam vales, até mesmo o vale da sombra da morte, mas quando entendemos quem é o nosso verdadeiro descanso, somos capacitados, por Ele, a ultrapassar as barreiras, as dificuldades, e contemplar o Deus que está acima de todas as coisas, que nos ensina a elevar os nossos olhos para além dos montes, pois certamente nos virá o socorro. Faça deste salmo a sua oração pessoal hoje, e deixe que unção da paz que excede a todo entendimento, venha sobre sua vida. Deixe que a letra deste salmo transforme-se em canção na sua vida. Que tal fechar os olhos e concentrar-se por alguns instantes no Criador, Elohim, enquanto esse salmo ministra ao seu coração...

Salmo 23: "O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará. Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda. Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre.”
Que o Eterno te abençoe e te guarde... e Ele te dê Shalom!!

O Fruto do Espírito Santo e o Caráter do Cristão

O Fruto do Espírito Santo e o Caráter do CristãoTexto: Gálatas 5.22-25

O fruto do Espírito Santo é em si como um prezado e desejado fruto.

Introdução – A famosa passagem de Paulo sobre o fruto do Espírito Santo é em si como um prezado e desejado fruto. Não somente devemos admirá-lo, senão, também, ingeri-lo e beneficiar-nos dele. Aparece em uma seção da epístola do Apostolo Paulo aos Gálatas, na que explica a maneira correta de usar nossa liberdade e autonomia cristã, mediante o fruto e o caráter cristão (Gl 5.13-26).

I. Os versículos (13-15)

1. Os versículos 13-15 declaram que nossa liberdade da escravidão à lei (5.1), não deve converter-se em uma escusa para egoísmo.
2. Não devemos abusar de nossa liberdade permitindo que a carne, nossa antiga natureza egoísta, seja salga com a sua.
3. Não devemos utilizar nossa liberdade para dissimular a maldade, (1 Pe 2.16).
4. Como troca, devemos praticar a liberdade em amor: “Servindo-nos uns aos outros com amor”, (Gl 5.13).
5. A carne, o egoísmo e a iniquidade – É a capacidade de pecar que persiste nos crentes. É o inimigo em nosso interior que busca destruir nossa liberdade em Cristo e levar-nos a uma escravidão ou pior. Portanto, os filhos de Deus necessitam de uma mão que os ajude e contenha para protegê-los de usa própria natureza maligna.
6. Achamos esta ajuda no paracleto divino (o consolador) que habita em nós. Mediante o Espírito Santo, podemos caminhar um passo de cada vez, dia a dia, semana a semana, mês a mês, ano a ano, sempre e em toda a vida, e ter a fortaleza para não satisfazer aos desejos da carne (5.16).
7. O Espírito Santo pode controlar-nos de tal maneira que impeça que nos entreguemos aos nossos próprios caprichos e à gratificação dos desejos da antiga natureza.
8. Por meio do Espírito Santo podemos dar morte às atitudes negativa e aos maus hábitos, que são as atividades naturais de nossa própria natureza e viver (Rm 8.13).
9. Se pertencermos verdadeiramente a Jesus Cristo – temos tomado a decisão de considerar o “velho homem” (Rm 6.6), ou a carne, com suas paixões e desejos, como algo crucificado (Gl 5.24).
10. Nosso eu antigo – sem a regeneração, o que sabíamos ser antes, nunca pode converter-se. A mudança somente ocorre quando o “homem novo” se converte no dominante.
11. O Espírito Santo e a carne – O Espírito Santo que habita em nós e a “carne”, ou a natureza ímpia, são antagônicos no cristão. Cada um deles possui o desejo profundo de reprimir ao outro. Estão travados em constante batalha. Estão entrincheirados em uma atitude de oposição mútua de modo que o cristão não pode fazer o que deseja. Paulo desenrolou este fato de uma forma mais extensa, em Romanos (7.14-25), ao relatar sua própria experiência inicial como Cristão.
12. Quando o Espírito Santo penetra em nós no momento de nossa conversão – É como a invasão dos aliados em Normandia durante o período da Segunda Guerra Mundial. Deus tem regressado a ocupar o que lhe pertence por direito. Quanto mais coopere o novo crente, como os habitantes franceses na Normandia, com o “Invasor”, tanto mais pronto se poderá reclamar e liberar por completo o território que se encontrava nas mãos do inimigo.

II. O contraste das obras da carne e o fruto do Espírito Santo

1. Primeiro: Adultério, fornicação, impureza e lascívia (atentados irrefreados e deliberados contra toda a decência), relacionados com a imoralidade sexual. Boa parte disso nem sequer era considerada pecado pela sociedade em geral. Porém, a Igreja do Senhor Jesus Cristo, não pode admitir pensar ou regrar-se de tal maneira como o mundo.
2. Segundo: Idolatria (tanto as imagens, como aos deuses que representavam, como, também, à pessoa e objetos), e Feitiçaria (inclusive a magia, os encantamentos (espirituais e humanos), e o uso de drogas nos rituais religiosos), relacionados com as religiões de origem humana.
3. Terceiro: Inimizades (ódio), porfias (contendas, discórdia, brigas, discussões), emulações (inveja daquilo que os outros têm), iras (explosões de raivas, perda de paciência); pelejas (intrigas por motivos mercenários, devoção aos próprios interesses, como na busca de empregos públicos, vantagens, etc.), heresias (diferenças de opinião, especialmente ao ponto de causarem divisões), invejas (expressadas em termos de má vontade e de malícia), e, homicídios (resultados dos motivos citados: ver Mateus 5.21-23; 1 João 3.14,15). Todas essas coisas relacionam-se com os conflitos que surgem nos próprios impulsos naturais e os desejos egoístas.
4. Quarto – Bebedices e glutonarias (com as orgias, farras e pândegas).
São esses os nossos impulsos naturais que guerreiam contra os desejos que o Espírito Santo tem para o nosso bem. A civilização, a educação, a cultura, a criação numa boa família podem revestir coisas de uma camada superficial, para deixar o descrente com boa aparência. Usualmente, porém, pouca coisa já basta para essas obras da carne romper a superfície.
O cristão, ao identificar-se com o Salvador salvífico e crucificado, realmente crucificou a carne com as suas paixões e concupiscência. Mas, aquela vitória, que é potencialmente nossa, deve e tornar ativa e real. Nós, como cristãos, vivemos no Espírito Santo, no sentido de termos nossa vida mediante o Espírito Santo de Deus. Mas, também, devemos andar no Espírito para as tendências, os impulsos, e os desejos da carne ser realmente purificados na nossa experiência diária (Romanos 8.4,5).

III. Reflexões sobre a vida cristã e o fruto do Espírito Santo

Depois de enumerar várias das diversas práticas horrorosas da carne (Gl 5.19-21), Paulo nos ilustra um maravilhoso contraste. É como encontrar uma vide carregada de suculentas uvas, ou uma árvore coberta de maças maduras e vermelhas, em meio a um matagal e brejos, sujos e maltratados. “Numa mudança, o furto do Espírito Santo é Amor, Alegria, Paz, Longanimidade (paciência), Benignidade (amabilidade), Bondade, fidelidade (fé), mansidão (humildade) e Domínio Próprio”, (vv. 22-23).
1. No versículo 22 a palavra “fruto” está no singular, tendo a enfatizar a unidade e a coerência da personalidade daqueles que andam no Espírito Santo. Visto que o Espírito os guia e dirige e controla, sua vida é íntegra, curada e abundante. Em contraste, a palavra “obras” ou “feitos” ou “frutos” em (5.19) estão no plural, para fazer ressaltar a falta de organização e estabilidade da vida regida pelos ditames da carne. A vida impenitente se encontra fragmentada e em conflito com ela mesma.
2. Paulo sempre utiliza a palavra “fruto” (karpos) como um substantivo coletivo no singular, exceto em (2 Timóteo 2.6). De modo que não devemos considerar o amor como o único fruto, o qual está descrito em seus diversos aspectos pelas oito palavras que se seguem. Sem dúvida, alguns preferem considerar o furto do Espírito como um ramo com suas uvas individuais, ou como uma laranja com seus diferentes gumes ou seguimentos.
3. Nada demonstra isso mais do que nosso relacionamento uns com os outros. Se cobiçarmos as vanglórias (se nos tornarmos jactanciosos, com ambições excessivas), provocamos e invejamos uns aos outros (Gálatas 5.26). Se formos espirituais (vivendo no Espírito, andando no Espírito, vivendo em comunhão ativa com Ele), seremos humildes. Em vez de rebaixarmos nosso próximo, de buscarmos nossa própria vontade, levemos as cargas uns dos outros e sejamos solícitos em restaurar o irmão caído (6.1,2).

IV. O fruto do Espírito Santo e suas manifestações em nossa vida diária – amor - (nossa relação com Deus).

Em 1 Coríntios 13 se descreve o amor de uma maneira belíssima.
1. O amor ágape – É o amor inteligente e com propósitos, que é mais um ato da vontade que emoção e sentimento;
2. O amor é força interior que dá energia e ativa a nossa fé e a motiva a atuar: “A fé que atua mediante o amor” (Gálatas 5.6).
3. O Amor se revela pelo serviço mútuo (5.13);
4. Sua única fonte, a qual é Deus (Jo 4.7-8), é a que nos concede esta classe de amor.
5. Deus tem derramado seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo (Romanos 5.5; 2 Timóteo 1.7).
Esta é uma ilustração do fruto do Espírito Santo que começa com o Amor, e que se resume no Amor. É chamado Fruto do Espírito, porque brota do Espírito. Não cresce naturalmente do solo da nossa carne humana.
6. O amor é idêntico ao que Deus demonstrou no Calvário, quando ele enviou seu filho para morrer por nós, enquanto ainda éramos pecadores (Romanos 5.8).
7. O amor é descrito em 1 Coríntios 13.4-7, como:
8. Sofredor – Paciente com os que nos provocam e nos lesam;
9. Benigno – Que paga o mal com o bem;
10. Livre de inveja – Inclusive da malícia e da má vontade;
11. Humilde – Sem se encher da sua própria importância;
12. Sempre cortês – Pronto para ser gentil e dedicado;
13. Nunca egoísta – Voltado para o próprio, mas ao servir;
14. Nunca cobiçoso – Que deseja o que é de outrem não contentando-se com o seu;
15. Nunca irritável – Que se irrita com facilidade e com os debilidades de outrem;
16. Não facilmente provocado – Levando em consideração as fraquezas dos mais fracos e, também, quando uma provocação lhe visa descontrolar;
17. Nunca levando em conta os danos que sofre – Trabalhando para evitar isso, mas, se os tiver, tratá-los com moderação sempre;
18. Não se alegra nas falhas ou desgraças alheias – Mas de condoer e desejar o bem;
19. Tudo sofre – Mesmo que em sacrifício, o que não significa lerdeza;
20. Tudo crê – Sempre procura acreditar nas pessoas, mesmo que elas às vezes, procurem o seu mal, vence o mal com o bem;
21. Tudo espera – Ajuda, orienta, sugere, instrui e tudo espera das pessoas, espera sempre o bem e nunca o mal;
22. Tudo suporta – É muito edificante quando, no que depender de mim e você, suportemos as fraquezas dos mais fracos, procuremos ajudá-los, e, quando se trata de alguém maldoso, não se pague mal com mal, mas com o bem; e, quem por índole própria deseja o nosso mal, Deus tratará e retribuirá conforme a promessa feita a Abraão: “ Abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem...” (Gêneses 12.1-7).
23. O amor suporta tudo e todas as circunstâncias da vida com e esperança.
Verdade - não é de se admirar que o verdadeiro amor nunca falhará ou fracassará e nunca cessará.
24. A caridade nunca falhará, mas havendo profecias; serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; Porque, em parte, conhecemos e, em parte profetizamos. Mas, quando vier aquele que é perfeito, então, o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria e procedia como menino; mas, agora, que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque, agora, vemos por espelho e por enigma; mas, então, veremos face a face; Agora, conhecemos em parte, mas, então, conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estas três, mas, a maior destas é o amor.
25. O amor não é baseado em sentimentos humanos. É o vínculo da perfeição, a maior das virtudes cristãs (1 Co 13.13; Cl 3.14), é divino. É como já falamos, o ágape, ou o que vem de Deus, derramado, pelo Espírito Santo sobre nós; exercido pelo coração e pela mente, englobando sentimentos e vontade. É idêntico ao demonstrado por Jesus no Calvário, enviando Seu Filho, para morrer por nós, quando não merecíamos, sendo nós ainda pecadores (1 Co 13.4-7: Rm 5.8; Jo 6.16).

Pr. Jônatas Câmara

O que é que Deus pede de Nós

O que é que Deus pede de Nós

Textos: Miqueias 6.8; Mateus 5.3, 6, 7

Introdução: Não é difícil viver como cristão, como filho de Deus. A Bíblia tem muitas passagens com instruções claras, das quais a de Miqueias é uma das mais belas. Que tipo de vida Deus quer produzir em nós?

1. A Prática da Justiça.

O que é praticar a justiça? É andar em retidão, é fazer tudo para glória de Deus, é colocar Deus em tudo o que fazemos, é honrar a Deus. Vivemos o mundo das injustiças: fome, desemprego, impunidade, roubo, sonegação, menores desassistidos, aborto, crimes, violência, concentração de riquezas, discriminação. Cabe a nós ser diferente, dar o exemplo, fazer diferença.
1.1. A justiça é a base do trono de Deus (Salmo 89.14).
1.2. A justiça exalta as nações, estabelece o governo (Provérbios 14.34-36).
1.3. Em nós mesmos, pelos nossos méritos, não temos justiça (Isaias 14.6). Cristo Jesus é a nossa justiça (1 Coríntios 1.30; 2 Coríntios 5.21).
1.4. A justiça é uma das pedras preciosas que ornamentam o caráter do cristão (Mateus 5.6; 1 João 2.29; Apocalipse 19.8).

2. O Amor, a misericórdia

2.1. Deus é misericordioso (Salmo 103.8; Joel 2.13; Jonas 4.2).
2.2. Amar a misericórdia é o mesmo que amar o próprio Deus. Deus se agrada mais da misericórdia do que de sacrifícios e holocaustos (Mateus 9.23; 12.7).
2.3. A pratica da misericórdia é a maneira através da qual amamos o nosso próximo (Lucas 10.36, 37).
2.4. A misericórdia é um dom do Espírito Santo que está no mesmo pé de igualdade com os demais. E este dom tem que ser exercido com alegria e sem murmuração (Romanos 12.8; Mateus 5.7)

3. Andar com Deus em humildade (Mateus 5.3).

3.1. Bem, não é possível andar com Deus se não for em humildade.
3.2. Humildade é esvaziamento de nós mesmos, é dar a Deus o primeiro lugar, a primazia, o lugar de honra, humildade é o reconhecimento das nossas fraquezas, limitações, insuficiência.
3.3. Isaias 57.15 nos mostra de quem Deus se agrada e com quem ele habita. O orgulho nos afasta de Deus, mas a humildade dele nos aproxima.

Conclusão: Deus pede de nós: justiça, amor e misericórdia e andar com Deus em humildade. Estes são atributos de Deus. Ele é um Deus justo, misericordioso e que, em Cristo, se humilhou até a cruz. Se estamos em Cristo, seus atributos transparecerão em nós.

Messias Anacleto Rosa

A viúva de Sarepta

A viúva de Sarepta

Texto base: 1 Reis 17
 
Às vezes o justo sofre por causa da maldade do mundo (SL 7:11 = Deus derrama a Sua ira diariamente sobre a Terra por causa do pecado).

Satanás e seus anjos tomaram posse da Terra, mas Jesus vai tomar de volta. Pessimismo não deve ter lugar na vida do verdadeiro cristão.
Deus está de olho nos Seus filhos. Ele sabe exatamente do quanto você tem e do que você precisa.

Elias poderia ter sido mandado ao rei da cidade ou a alguém rico, mas Deus não quis que acontecesse assim. Deus quis chamar uma viúva pobre e desesperada. Nunca pense que você não tem nada a dar para o Reino de Deus.

No livro de Judas, Deus fala que, no futuro, os pastores teriam interesse apenas no salário, no dinheiro, nos benefícios, na própria honra, e não na Obra. E esse momento já chegou. Pastor deixou de ser chamado para ser profissão. Esse não era o plano de Deus para o pastorado.
 Quem serve a Deus tem que lembrar que está servindo ao Senhor e não ao dinheiro.
 Há vários tipos de pastores, mas viver do evangelho não significa viver em riqueza.
 A lição é: busque primeiro o Reino de Deus. O primeiro pão da viúva foi para o profeta.
 Mateus 6:33 = Dê prioridade total a Deus, do seu tempo, dinheiro, dons, talentos, oportunidades. Deus garante sustento. Onde está o seu tesouro?
 Verso 16 = Mas Jesus é um profeta maior que Elias. Deus continua sendo fiel em Suas promessas. Mas se a viúva não tivesse tido fé, ela não seria abençoada, pelo contrário, morreria de fome.
 Às vezes o que consideramos um peso, um fardo, um problema, na verdade é o motivo pelo qual Deus está te abençoando. Se o profeta fosse embora, a farinha acabaria.
 Você é abençoado para abençoar os outros.
 Fé + Obediência = Bênção!
 Versos 17-18 = Temos a tendência de colocar a culpa em Deus, ou na igreja, ou nos líderes.
 Elias clamou ao Senhor, pois sabia que só Ele poderia resolver aquela situação. Não dá pra ficar arrumando “esquema” ou “jeitinho” pra tudo. Só Deus resolve.
 Verso 24 = Não damos bola para os milagres que Deus opera em nossa vida diariamente. “Pra agradecer a Deus e reconhecer o Seu poder, só se Ele ressuscitar um morto!”
 Neemias 8:10 = A alegria do Senhor é a nossa força.
 Repare nos milagres do dia-a-dia. É sempre maravilhoso perceber o seu coração batendo, as cores, os sons... ter mais um dia de contato com Deus aqui na Terra.
 Reflita: Quanto eu gosto de Deus de verdade?
 
Obs: A tradução bíblica utilizada nesse esboço é a NVI.

Pr. David Hatcher