Você Também é Culpado - Homem Moral - Um Estudo Sobre Romanos 2:1-5

Você Também é Culpado, Homem Moral Um Estudo Sobre Romanos 2:1-5

Um Estudo Sobre Romanos 2:1-5

Introdução: Em Romanos 1:18 – 3:20, Paulo nos mostra que todos os homens são culpados diante de um Deus santo porque todos são pecadores. O fato de ser pecaminoso leva ao resultado inevitável do juízo de Deus sobre ele por toda a eternidade, a menos que ele receba a única resposta de Deus para o problema do pecado: a morte de Cristo na cruz pelo pecado. Os homens estão perdidos sem Cristo.

Suas melhores resoluções devem ser totalmente renunciadas, suas ambições mais elevadas devem ser ultrapassadas. Você nunca deve pensar que será salvo, até que saiba que está perdido.

Imagine uma cena de tribunal: Deus é o juiz, o apóstolo Paulo é o promotor e cada indivíduo é um réu. À medida que Paulo traz os homens perante o tribunal da justiça, cada um é declarado pecador diante de Deus, culpado e merecedor de punição. Quando cada pessoa invoca suas boas obras, o julgamento é "Culpado!"

Em Romanos 1:18-32, Paulo trouxe os gentios diante de Deus e provou que eram pecadores porque eles receberam luz e rejeitaram essa luz porque eram pecadores por natureza. Esses pagãos gentios se voltaram para a religião, idolatria e imoralidade e se tornaram culpados dos pecados mais hediondos.

Em Romanos 2:1-16, Paulo traz o homem moral diante de um Deus santo para mostrar que ele também é culpado e está na fila para o julgamento de Deus. No contexto, esta seção parece se aplicar ao judeu moral que era liberal em sua teologia e religião (embora o judeu não seja mencionado até o versículo 17), mas Paulo parece levá-lo além do judeu moral e aplicá-lo a todas as pessoas morais em todos os lugares.

Havia alguns entre os gentios, e muitos entre os judeus, aos quais as descrições dos pecados no capítulo 1 não se aplicavam totalmente porque essas pessoas não se entregaram à idolatria e ao vício hediondo. Portanto, nesta seção, Paulo passa a mostrar ao homem moral ou ético que ele também é um pecador. Esses são os "benfeitores" e Paulo mostra que até eles são pecadores, não por causa da injustiça, mas por causa da justiça própria! Paulo os sacode dessa justiça própria, mostrando que o juízo é o seu justo merecimento, a menos que se arrependam. Ele não alimenta o ego do benfeitor, mas conduz o julgamento interno.

I. A Acusação - Romanos 2:1

"Portanto, és inescusável, ó homem". Paulo diz que o homem moral ou ético não tem desculpa e avisa que o julgamento virá sobre o pecador culto, refinado e civilizado, seja judeu ou gentio. O homem moral é simplesmente um pecador refinado ou um pecador respeitável.

"...qualquer que sejas, quando julgas, porque te condenas a ti mesmo naquilo em que julgas a outro". Isso nos diz por que o homem moral não tem desculpa. Ele julga os atos horríveis de pecado cometidos por outros e se considera muito melhor do que eles. Ele é culpado de orgulho! Ele se condena ao desprezar as pessoas que cometem pecados graves. Ele pode se considerar superior em raça, civilização e cultura, riqueza, educação ou ética em geral. Qualquer pessoa que, consciente ou inconscientemente, tenha julgado e condenado uma pessoa imoral provou ser um pecador sob a ira de Deus. Se o homem moral pode julgar aqueles abaixo dele por seus padrões morais, então Deus, que está acima dele, certamente pode julgá-lo por seus padrões.

O medo do juízo é o ensino mais poderoso para trazer uma pessoa que acredita na justiça própria a Cristo. Existem duas razões básicas pelas quais os homens se voltam para Cristo: 1) eles têm um senso de necessidade; 2) eles têm medo do juízo.

Certa vez, ouvi uma senhora cristã dar seu testemunho. Ela disse que, como uma pessoa não salva, ela não possuía vícios exteriores. Ela estava feliz. Ela sentia que tinha um propósito na vida. Ela tinha boa saúde física e mental e um bom marido. Ela gostava da vida que vivia e não via nenhuma necessidade real de Cristo. Certa vez, ela ouviu um pregador falar sobre o inferno e riu ao pensar que qualquer homem pudesse ter uma crença tão ridícula. Ela pensava que todos os homens eram basicamente bons e que um Deus amoroso não julgaria ninguém, muito menos ela. Mais tarde, porém, no silêncio de seu quarto, ela não poderia descartar a possibilidade de ser julgada e lançada no inferno. O pensamento a assombrava dia e noite. Foi por medo de enfrentar o juízo eterno, e somente por isso, que ela se voltou para Jesus Cristo para a salvação. Claro, agora que ela recebeu a Cristo, ela vê o quão errada ela realmente estava como uma pessoa não salva. Ela louva o Senhor pelos pregadores que pregam sobre as realidades do juízo e do inferno porque isso abala aqueles que são complacentes e hipócritas.

Os homens tendem a julgar suas vidas pelas vidas de outras pessoas. Quando o fazem, a maioria se considera melhor do que os outros. No entanto, quando comparamos nossas vidas a um Deus santo, não há dúvida de que "todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus". Quando estamos andando em uma rua entre outras pessoas, podemos ver quem é alto e quem é baixo e podemos fazer todos os tipos de comparações. Se olharmos para essas mesmas pessoas do topo de um prédio alto, entretanto, todas parecem ter a mesma altura. Quando Deus nos vê, embora todos nós pequemos em graus diferentes, ele nos vê como pecadores - todos nós falhamos.

"...pois tu que julgas, praticas o mesmo". Uma pessoa moral deve ser condenada porque pratica até certo ponto os pecados dos gentios pagãos. O pecado pode estar apenas no pensamento, mas existe mesmo assim.

"Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e, Quem matar será réu de juízo. Eu, porém, vos digo que todo aquele que se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e quem disser a seu irmão: Raca, será réu diante do sinédrio; e quem lhe disser: Tolo, será réu do fogo do inferno" (Mateus 5:21-22).

“Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela” (Mateus 5:27-28).

O pecado também pode ser praticado de fato, mas coberto com um manto de educação, prestígio social, cultura, etc. O pecado é relativo para o homem moral - é o que ele o faz.

Um trabalhador da construção civil entrou em um restaurante de frango frito e pediu duas porções de frango para levar. Em vez de uma sacola com seu pedido, o funcionário acidentalmente entregou-lhe uma sacola contendo o ganho do dia, $825. Quando o homem e uma amiga chegaram a Newport Beach para desfrutar de seus jantares de piquenique, ele descobriu o dinheiro. Ele prontamente voltou ao restaurante para devolvê-lo. Quando o gerente do restaurante começou a relatar à polícia que o dinheiro havia sido devolvido, o operário disse: "Por favor, não diga o meu nome. Esta senhora não é minha esposa".

II. O Primeiro Princípio do Juízo - Romanos 2:2-4

Paulo lista sete princípios básicos que Deus usa ao julgar o homem moral: 1) verdade (2:2); 2) bondade (2:4); 3) culpa acumulada (2:5); 4) obras (2:6); 5) imparcialidade (2:11); desempenho (2:13); e 7) onisciência de Deus (2:16).

"E bem sabemos que o juízo de Deus é segundo a verdade, contra os que tais coisas praticam" Paulo reconhece que os homens estão certos do juízo de Deus sobre os atos malignos dos pagãos. O homem moral está certo de que a injustiça deve ser punida, mas ele não se considera injusto porque está se comparando a outros homens. O homem moral está confiante de que escapará do juízo de Deus porque é uma boa pessoa. Ele raramente se considera culpado, mas sabe que os outros devem ser julgados. Esperamos que Deus castigue outros que precisam, mas não nós.

O juízo de Deus será de acordo com a verdade. Será justo, de acordo com a realidade dos fatos do caso. Será de acordo com a natureza e o caráter sagrado de Deus. Ele considerará os fatos e não terá preconceitos. A pessoa que diz com justiça própria: "Acabo de lançar minha vida nas mãos de um Deus justo que sabe que fiz o melhor que posso", está iludida. A verdade de Deus penetra diretamente na farsa e hipocrisia do homem!

Deus é um realista. Os psicólogos dizem que todos nós temos uma imagem mental de nós mesmos e que geralmente nos consideramos pessoas muito legais. Mas Deus nos vê como realmente somos.

"E tu, ó homem, que julgas os que praticam tais coisas, cuidas que, fazendo-as tu, escaparás ao juízo de Deus?". O homem coloca um mecanismo de defesa e racionaliza o julgamento de Deus. Ele pode realmente fazer ou pensar exatamente as coisas pelas quais condena os outros, mas ainda pensa que de alguma forma escapará do juízo de Deus. Ele se sente muito melhor do que os outros. O raciocínio do homem moral não passa de especulação humana. Deus nos diz que o homem bom será julgado. Ele não escapará do juízo de Deus. Se ele julgou outra pessoa mesmo uma vez, criticou apenas uma vez, alguma vez teve um pensamento maligno ou praticou qualquer tipo de pecado - esticando a verdade, perdendo a paciência, fofocando, etc. - ele cai na categoria de "pecador" e permanece sob a ira de Deus. Não há como escapar desse juízo; é inevitável; é certo. Aquele que continua no pecado da justiça própria não pode escapar deste juízo!

III. O Segundo Princípio do Juízo - Romanos 2:4

"Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade?". O homem moral mostra seu desprezo por Deus por desprezar a bondade de Deus. Ele pode ou não dar consentimento intelectual a Deus, mas leva todo o crédito por tudo de bom que acontece. Deus trata todos os homens como Suas criaturas na graça comum - Ele provê lar, filhos, comida diária, prosperidade, amigos, saúde, etc. Com o próprio fôlego que Deus lhe dá, o homem moral se orgulha de seus esforços e realizações.

O homem moral despreza a tolerância de Deus. Deus retarda Sua punição para que os homens se arrependam e se voltem para Ele, e o homem moral zomba disso. Ele acha que não haverá juízo. Mas o homem moral não terá a última palavra; não há como escapar do juízo de Deus. O homem moral despreza a longanimidade de Deus, que está pacientemente retendo Seu juízo para que o homem possa se voltar para Cristo, mas o homem apenas ri do conceito de que Deus é um Deus de ira.

"...ignorando que a benignidade de Deus te conduz ao arrependimento?" As boas ações de Deus têm por objetivo levar o homem moral ao arrependimento, mas o homem voluntariamente ignora isso, vivendo apenas para si mesmo e sua moralidade. Arrepender-se significa mudar de ideia. Deus está esperando que os homens mudem de ideia sobre Jesus Cristo, para que não tenham que enfrentar Sua ira inevitável. A rejeição da bondade de Deus é suficiente para trazer a ira de Deus sobre os homens, e se os homens fizerem isso, Deus os julgará por essa mesma bondade.

IV. O Terceiro Princípio do Juízo - Romanos 2:5

"Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti..." Por estar constantemente desprezando a bondade de Deus, o homem moral está acumulando culpa que será creditada em sua conta no dia do juízo. Ele não quer saber a verdade - ele endurece seu coração para o fato de que ele é um pecador. Ele continua vivendo em um mundo de sonhos de fantasia sobre sua própria condição e sua responsabilidade para com Deus. O endurecimento das artérias pode levar alguém à morte prematura, mas o endurecimento do coração contra Deus o levará para o lago de fogo!

"...no dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus" O juízo está chegando para todos os homens, morais e imorais. Será um julgamento justo, de acordo com a verdade. Não há como escapar!

Conclusão

Deus julgará todos os homens, morais e imorais, hipócritas e injustos, bons e maus:

“porquanto determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que para isso ordenou; e disso tem dado certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos” (Atos 17:31)

“E discorrendo ele sobre a justiça, o domínio próprio e o juízo vindouro, Félix ficou atemorizado e respondeu: Por ora vai-te, e quando tiver ocasião favorável, eu te chamarei” (Atos 24:25).

O pensamento de julgamento deve gelar o sangue.

A verdade das Escrituras é que nenhum homem precisa permanecer condenado e nenhum homem precisa temer a morte ou o juízo. Deus fez uma provisão na morte de Cristo pela qual Ele pode ser justo e julgar o pecado e os pecadores, e ainda perdoar os pecadores se eles confiarem em Jesus Cristo como Senhor e Salvador:

"Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E o julgamento é este: A luz veio ao mundo, e os homens amaram antes as trevas que a luz, porque as suas obras eram más" (João 3:17-19).

O homem moral deve perceber que Deus não salva e não salvará aqueles que se consideram bons. Ele salva apenas aqueles que se reconhecem pecadores: “Não vim chamar justos, mas pecadores, ao arrependimento” (Lucas 5:32).

O profeta Ezequiel, ao implorar a Israel que se arrependesse para que não caísse em julgamento, disse:

“Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Deus, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas sim em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que morrereis, ó casa de Israel?" (Ezequiel 33:11).

Sua resposta deve ser que você morre porque se recusou a aceitar a única solução de Deus para o seu problema com o pecado. A resposta de Deus é Jesus Cristo.

Postar um comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.
6. Anônimos

Para outros assuntos use a página de contato do blog

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem
Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.