Religião de Dentro Para Fora
Texto: Romanos 2:17-29

Introdução: Nesta seção maior da carta de Paulo aos romanos (1:18 - 3:20), ele está descrevendo um aspecto crucial de seu evangelho. É esse aspecto em que ele apresenta a cada homem e mulher sua culpa impotente diante de um Deus santo, e os convence a confessar sua necessidade do grande tema de sua carta - "justificação pela fé". Até agora, ele falou dos pecados horríveis dos pagãos que rejeitam Deus (1:18-32). Mas, enquanto o moralista incrédulo gentio ouve - balançando a cabeça e 'task-tasking' pelos pecados dos outros - Paulo exorta-o e mostra que, como o moralista condena os outros, ele também se condena. Quem condena faz as mesmas coisas (2:1-16).

Enquanto isso, no argumento de Paulo, o judeu observa e pensa como está agradecido por estar fora do circuito em tudo isso. Ele pensa que, por ser distinto do mundo gentio, ele também é distinto da condição desesperada deles no pecado. Mas é quando Paulo pega o judeu desprevenido em nossa passagem nesta noite (2:17-29) e mostra que ele também está condenado diante de Deus. Quando Paulo termina, ninguém fica inocente; e todos são forçados a reconhecer sua necessidade desesperada de um Salvador.

Como você pode ver, não há “antissemitismo” em nada disso. Longe disso, de fato. Paulo - ele próprio judeu - reconhece claramente a grande vantagem que o judeu tem (3:1-2; 9:3-5; ver também Deuteronômio 4:5-8). Mas mesmo para aqueles a quem não poderia haver maior vantagem externa da religião, ainda existe a mesma necessidade essencial absoluta - a necessidade que é verdadeira para toda a humanidade decaída - "Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3:3). As palavras de Paulo sobre o judeu na passagem desta noite têm aplicação para todos que confiam no exterior da religião, sem serem interiormente transformados pela graça de Deus através da fé em Jesus Cristo.

Vemos, primeiro, que ...

I. Ser "Religioso" Apenas no "Exterior" Traz Condenação. (vv. 17-24).

A. Podemos ter todas as características “externas” da religião e nos vangloriar delas (vv. 17-20). Isso certamente era verdade para quem:
1. Era chamado de "judeu" (ou seja, identificado com o povo escolhido de Deus - o nome judeu sendo tirado de Judá, a tribo dos filhos de Jacó através da qual o Messias viria. "O próprio Judá" significa "louvor"; e então, era um orgulho se chamar alguém que vivia para o louvor de Deus).
2. Descansava na lei (isto é, quem a possuía, a estudava, a copiava e eram os estimados administradores da auto revelação de Deus para o mundo; assim, confiando em seu relacionamento com a lei de Deus).
3. Se vangloriava em Deus (isto é, poderia corretamente se chamar um membro do povo escolhido de Deus - a menina dos olhos de Deus, como diz Zacarias 2:8).
4. Conhecia a vontade de Deus (isto é, podia discernir o que Deus exigia das pessoas para viverem piedosamente - algo que elas podiam saber através da posse de Seus preceitos, julgamentos e instruções escritos).
5. Aprovava as coisas que são excelentes (isto é, poderiam através das Escrituras discernir genuinamente o que era verdadeiro do que era falso; o que era certo do que estava errado; o que era importante do que realmente não importava - portanto, tendo um senso claro das coisas como realmente são).
6. Estava certo de que ele era um revelador da verdade de Deus para o mundo, tornando-o:
a. Um guia para cegos.
b. Uma luz para aqueles que estão nas trevas.
c. Um instrutor para aqueles que são tolos.
d. Um mestre para aqueles que são crianças.
7. Foi exclusivamente abençoado por ter a forma de conhecimento e verdade na lei.

B. Na verdade, nenhum grupo de pessoas foi mais abençoado e teve uma vantagem maior para com Deus do que o judeu. Mas se as características "externas" de tais coisas são tudo o que temos, essas coisas apenas nos trarão condenação (vv. 21-24). Para o judeu, sua posse da lei - aquilo que era seu orgulho - trouxe condenação sobre ele porque:
1. Ele ensinava a lei, mas não ensinava a si mesmo.
2. Ele pregava que um homem não deveria roubar, mas depois roubava.
3. Ele dizia que não se deve cometer adultério, mas depois cometia adultério.
4. Ele odiava os ídolos, mas depois roubava os templos (provavelmente uma referência a fazer negócios com aqueles que roubavam templos e depois lucravam com a associação; mas também pode ter sido uma referência a realmente roubar dos templos - veja Atos 19:37 Deuteronômio 7: 25-6; parece descrever a ideia de tirar ídolos dos templos e derretê-los pelo seu ouro)
5. Ele se gabava da lei, mas depois desonrava a Deus violando a lei - dando assim aos gentios motivo para blasfemarem contra Deus (Veja Malaquias 3:8; Isaías 52:5; Ezequiel 36:20).

Que condenação terrível! Religião externa que resulta apenas em pessoas incrédulas blasfemando contra Deus !! Isso nos leva à confissão de que ...

II. A Religião "Externa" Só Tem Valor se Houver Uma Transformação "Interna" (vv. 25-29).

A. As características "externas" de nossas expressões religiosas perdem seu valor se nosso "interior" não for transformado (vv. 25-27). Paulo certamente reconheceu o valor do principal "símbolo" que identificava a circuncisão dos judeus (v. 25; ver Gênesis 17). O judeu contava com essa demonstração externa de religião como um sinal de seu relacionamento de aliança com Deus. Mas Paulo também argumenta que essa exibição externa não servia de nada ao judeu se ele também não cumprisse completamente a lei. Ele argumenta que, mesmo que um gentio incircunciso cumprisse a lei (uma situação hipotética, já que ninguém jamais cumpriu a lei), então o gentio incircunciso estaria em melhor posição diante de Deus do que o homem judeu que foi circuncidado, mas que não cumpria a lei (vv. 26-27).

B. Paulo argumenta que uma transformação "interna" é mais valiosa para Deus do que uma religião "externa" (vs. 28-29). O homem judeu que confiava no exterior não percebeu que o que Deus estava procurando era um coração que estava diante dele. Ou seja, Deus estava procurando:
1. Um "judaísmo" interior.
2. Uma circuncisão do coração (Levítico 26:41; Deuteronômio 10:16; 30:6; Jeremias 4:4; 9:26).
3. Uma religiosidade no espírito, não através de obediência rígida e rígida à letra da lei.
4. O tipo de homem cujo louvor não é dos homens (que só podem ver do lado de fora), mas de Deus (que pode ver o coração).

Conclusão: O objetivo de tudo isso é levar-nos ao desespero de nossa própria justiça feita por nós mesmos; para que confessemos que somos pecadores que precisam de um Salvador e nos voltemos para Jesus Cristo pela fé para a salvação. Essa mensagem de Paulo teve esse efeito sobre você? Renovou em você uma gratidão a Deus por Sua oferta gratuita de “justificação pela fé?” Renovou em você a paixão de contar aos outros?
Postagem Anterior Próxima Postagem

Gostou? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!


Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.


Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.