9/19/2013

A luz do evangelho

A luz do evangelho

Texto: I João 2:8

I – As trevas do passado.

1. As trevas do paganismo.

2. As trevas do judaísmo.

3. As trevas de um Cristianismo corrupto.

4. As trevas da nossa ignorância.

II – A luz do presente.

1. A Bíblia.

2. A pregação da Palavra.

3. A imprensa bem intencionada.

4. O rádio bem dirigido.

5. A educação bem orientada.

III – A glória a ser revelada.

1. Progresso universal.

2. Fraternidade universal.

3. O triunfo universal da verdade.

O coração do evangelho

O coração do evangelho

Texto: II Coríntios 5:14-15

I – Todos estão mortos.

1. Mortos em ofensas e pecados.

2. Sofremos de doença incurável – pecado.

3. Estamos condenados à morte por um crime imperdoável – o pecado.

4. Estamos mortos em vida, na morte, no julgamento; mortos para Cristo, para o céu.

II – Cristo morreu por todos.

1. Para revelar o amor de Deus.

2. Para redimir nossas almas.

3. Para nos reconciliar com Deus. – Isaias 53:4-6; João 3:14-18; I João 2:2.

4. Para vencer a morte e nos abrir a portas da Nova Terra.

III – O amor de Cristo nos constrange.

1. Levando-nos ao arrependimento.

2. Levando-nos a aceitar Sua salvação.

3. Levando-nos a confessá-Lo.

4. Levando-nos a trabalhar por outros.

A difusão do evangelho

A difusão do evangelho

Texto: Salmo 72:16

I – A insignificância do Evangelho na sua origem

1. Na sua introdução no mundo.

a) O mundo estava em trevas e no apogeu da filosofia pagã.

2. Na sua estrutura como um sistema religioso.

3. Na sua operação sobre o coração.

II – A improbabilidade do seu sucesso.

1. A agência era fraca.

a) Homens humildes e indoutos.

2. A oposição era poderosa.

a) Saulo, fariseus, saduceus etc.

b) Sacerdotes e governadores.

III – Seus estupendos resultados.

1. O número de seus seguidores, apesar da forte oposição. - Atos 2:37-41, 47; 4:4; 5:14; 6:7.

2. Sua influência no mundo.

a) O Evangelho hoje é universalmente conhecido.

"Sob tua palavra"

"Sob tua palavra"

Texto: Lucas 5:1-11

I – Por que falhamos como ganhadores de almas.

1. Indiferença – Não nos importamos do sucesso.

2. Inatividade – Não desejamos obedecer a Deus.

3. Indolência – Desanimamos facilmente.

II – Por que devemos ser grandes ganhadores de almas – "Sob tua palavra".

1. Tua Palavra ensina o perigo do perdido.

2. Tua Palavra revela o amor do Salvador. - II Coríntios 5:14-15.

3. Tua Palavra mostra a tarefa do cristão. – Mateus 28:19.

4. Tua Palavra oferece a recompensa do ganhador de almas. – Daniel 12:3.

III – Como podemos nos tornar grandes ganhadores de almas: "Sob tua palavra".

1. Viver a vida de Jesus. - I Coríntios 9:18-22.

2. Orar como Jesus orava. – Mateus 9:38; Marcos 9:29.

3. Ir como Cristo foi. – Marcos 10:5-7; 16:15-20.

"Eis-me aqui; envia-me a mim"

"Eis-me aqui; envia-me a mim"

Texto: Isaias 6:8

1. "Eis" – Chamando atenção. Cada pessoa é importante. Jesus teria morrido para salvar a um só, se fosse preciso. Todos são preciosos aos Seus olhos.

2. "Me" – Não olhemos aos outros. Não um outro. Nem aos meus pais, Ele sabe que não temos talento. Conhece nosso temperamento. Preparo. oportunidade. Lugar. Vontade.

3. "Aqui" - Sabe onde estamos. No Brasil, na China. Cidade. Campo. Fábrica. Escritório. Nossas dificuldades e impossibilidades. Montanhas e rios fechando-nos de todos os lados. Ele nos conhece e nossas casas.

4. "Envia" – Não estou contente. "Envia", usa-me no Teu serviço. Um outro trabalho, talvez dentro do nosso próprio lar.

5. "Envia" a uma outra experiência. Ao Colégio, campo ou colportagem. Deixar Deus enviar-nos.

6. "Me" – Não esperar para melhorar a vida. "Envia-me" agora, não amanhã. Toma-me tal qual estou.

Testemunhando com poder

Testemunhando com poder

Texto: Atos 1:8

As qualificações necessárias

I – Conhecimento pessoal de Cristo.

1. É essencial que uma testemunha tenha experiência pessoal e conhecimento dos fatos que ela testifica,

II – Consistência pessoal.

1. Há uma vida para viver, bem assim uma história para contar. O testemunho da vida é mais poderoso.

III – Coragem pessoal.

1. Coragem real é necessária para falar a verdade sob qualquer circunstância.

IV – Paciência pessoal.

1. Paciência é uma virtude para a qual graça especial é concedida.

V – Poder pessoal.

1. Equipamento divino – o revestimento do indivíduo pelo Espírito Santo.

Semeando a semente

Semeando a semente

1. O que semear – Preciosas sementes. – Salmo 126:6.

a) A Palavra de Deus. – Lucas 8:11.

2. Como semear - Com lágrimas. – Salmo 126:6.

a) Liberalmente. - II Coríntios 9:6.

3. Quando semear – Desde o amanhecer até à noite.

a) O conselho divino. – Eclesiastes 11:6.

4. Onde semear – Junto a todas as águas. – Isaias 32:20.

5. Por que devemos semear? – Porque ceifaremos.

a) Esta é a promessa de Deus. – Gálatas 6:7; Isaias 55:11.

6. O que não devemos semear – A discórdia entre os irmãos. – Provérbios 6:1 e 9.

9/04/2013

Amor - Principio para a Comunhão

Amor - Principio para a Comunhão

Texto: I João 4.7-8

Introdução: Não podemos falar de comunhão sem falar de amor. E a igreja é uma comunidade de amor. Mas por que muitos não conseguem ter bons relacionamentos? Será que para ter uma qualidade de vida melhor, preciso aprender a me relacionar com as pessoas?

A principal evidência de maturidade cristã é um amor cada vez maior por Deus, pelo próximo, pelo serviço na igreja e pelas almas perdidas.

“O amor é o sistema circulatório do corpo de Cristo.”

Precisamos buscar amadurecimento em nossa caminhada cristã. Devemos crescer em amor, pois ele é duradouro – A ORIGEM DO AMOR ESTÁ EM DEUS.

“Então não seremos mais como crianças, arrastados pelas ondas e empurrados por qualquer vento de ensinamentos de pessoas falsas. Essas pessoas inventam mentiras e, por meio delas, levam outros para caminhos errados.” Efésios 4.14
“Porém continuem a crescer na graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” II Pedro 3.18

Em I Coríntios 13.4-5Paulo está tratando dos problemas dos coríntios: divisão, mau uso dos dons de Deus, invejas, impaciência, egoísmo, falta no servir na casa de Deus – tudo que envergonhava o nome do Senhor.

Neste texto, Paulo nos ensina a respeito do amor, que estão ligados intimamente com o fruto do Espírito, em Gálatas 5.22.
1 – Paciente – lento em se ofender, em se irar.
2 – Bondoso – que gosta de servir, é servo, trata bem a todos, mesmo que lhe tratem mal.
3 – Não Inveja – não se entristece com a prosperidade ou alegria do outro.
4 – Humilde – não se vangloria, não se ensoberbece com nada, reconhece as suas fraquezas, não afronta os outros.
5 – Não é Orgulhoso – não é altivo, não se infla com ninguém.
6 – Não maltrata – tem boas maneiras, não afronta ninguém na frente dos outros, levando a se envergonhar, não retribui o mal com mal, mas com o bem.
7 – Altruísta - não procura seus próprios interesses, trabalha em prol do outro, até abrindo mão dos seus, pelo bem do outro.
8 – Não se ira facilmente – é equilibrado, buscando não irritar ninguém, não se amargura ante as ofensas reais ou imaginárias.
9 – É simples – não guarda rancor, não é maldoso, não imagina o mal de ninguém.

Para me relacionar bem com as pessoas preciso amar em três dimensões:

1 – Amar a Deus – Mc 12-30-31 – Se relacionar bem com Deus - “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma, com toda a mente e com todas as forças. E o segundo mais importante é este: “Ame os outros como você ama a você mesmo.”

2 – Amar o próximo – I João 1.7 –“Porém, se vivemos na luz, como Deus está na luz, então estamos unidos uns com os outros, e o sangue de Jesus, o seu Filho, nos limpa de todo pecado.”

3 – Amar a si mesmo – autoimagem positiva, autoestima.
Coração em crise torna a língua uma arma que destrói. Mateus 12.34b – Pois a boca fala do que o coração está cheio.

Portanto:
- Fomos criados para comunhão – I João 1.7
- Temos um coração perdoador – Efésios 4.32b - E perdoem uns aos outros, assim como Deus, por meio de Cristo, perdoou vocês.
- Olhamos as pessoas como Jesus olha, o lado bom.
- Somos tolerantes com o próximo e exigente com nós mesmos.

Conclusão: Bons relacionamentos dependem mais de mim do que do outro.

Declaração: Declaro que perseverarei em amor a Deus e ao meu próximo, sabendo que o amor se revelará naquele grande dia que estivermos com Cristo na eternidade. Reconhecerei que sem amor, as minhas obras de nada valem e, por isso necessário é que minha vida esteja pautada no vínculo da perfeição que é o amor. Desenvolverei atitudes de amor para com o próximo de modo a refletir a glória de Deus em mim.

Texto de Josué Gonçalves
Adaptado por Lourdes E. Gonçalves

Prega a Palavra

Prega a Palavra

Texto: II Tessalonicenses 3:1

I – O tema do pregador.

1. Não fatos científicos.

2. Não teorias filosóficas.

3. A mensagem da salvação.

4. Cristo e Ele crucificado. - I Coríntios 2:1-2.

II – O alvo do pregador.

1. A difusão da Palavra. – "Livre curso".

2. A salvação da humanidade – "Glorificado".

III – Os auxílios do pregador.

1. A simpatia moral do povo de Deus.

2. As orações do povo de Deus.

3. A assistência do Espírito Santo.

4. A bênção de Deus.

5. O resultado certo. – Isaias 55:11.

Chamado ao Serviço

Chamado ao Serviço

I – Deus requer o nosso serviço.

1. A cada um o seu trabalho. – Marcos 13 :34.

2. "Se alguém Me serve, siga-Me", – João 12 :26.

II – A necessidade é uma chamada ao serviço.

1. Para anunciar o Evangelho. - Atos 16:9-10.

2. Multidões abandonadas, sem pastor. – Mateus 9:36-38.

3. O tempo é agora, logo virá a noite. – Gálatas 6:10; João 9:4.

III – Aquele a quem Deus chama, qualifica para o serviço.

1. A cada um o que for útil. - I Coríntios 12:4-7, 11.

2. Deve haver dedicação. – Romanos 12:6-8.

3. A cada um será concedida graça. – Efésios 4:7.

A quem Deus chama ele dirige. - Atos 13:1-3; 10 :19.-20.