Texto: Salmo 126

 

Introdução: Este Salmo é pós-exílico. O povo estava experimentando a tão sonhada libertação, depois do cativeiro na Babilônia.

1) O impacto da libertação (v.1-3)

- Saímos da realidade (v.1). Muitas pessoas, ao se converterem, ficam tão impactadas com o Reino de Deus, que ficam como quem sonha.
- Louvor automático (v.2): Quando experimentamos a libertação, um sentimento forte de louvor e gratidão nos invade.
- Espanto entre os vizinhos (v.2b): Muita gente não entende, não acredita que, por exemplo, o vizinho rabugento, violento, possa de uma noite para o dia tornar-se uma pessoa amável e feliz.

2) Restauração da sorte.

Quando eles chegaram do cativeiro, tiveram também o impacto da terra abandonada há 70 anos, em ruínas. Por isso disseram "Restaura a nossa sorte".

Quando éramos cativos do diabo, abandonamos áreas da nossa vida e agora temos o impacto de vê-las em ruínas. Apenas quando nos convertemos é que vemos os danos que o pecado causou em nossas vidas:
- Família - Falta de relacionamento, de confiança, de diálogo, amizade...
- Trabalho - Desajustes, falta de realização, demissões com justa causa, irresponsabilidades.
- Comportamento moral - Má fama, prisões...
- Pode ser no corpo - Prostituição, vícios, doenças provenientes desses comportamentos...

3) Trabalho árduo (v.5)

O trabalho era penoso, pois a terra estava desolada. Trabalhar em nossas áreas em ruínas também é duro e muitas vezes custam lágrimas. É duro reconquistar a confiança da pessoa amada depois de tê-la traído.

4) Recompensa (v.6)

Ainda que pareça difícil, e até loucura, a restauração de áreas de nossa vida, nós devemos trabalhar, pois a recompensa é certa.
Assim como o trabalhador semeia com lágrimas, mas com júbilo vai colher os frutos.


Conclusão: Fomos libertos para restaurar e não para vivermos em ruínas morais, psicológicas, físicas e materiais. Sua vida pode ser uma terra em ruínas, mas Jesus a restaura e o incentiva a plantar nela o bom fruto do Espírito.