A natureza da Igreja neotestamentária

Natureza é a “essência ou condição própria de um ser”. É a “constituição” de ente. É a condição peculiar àquilo que é em si. Natureza da igreja é aquilo que é inerente ao ser da igreja. A natureza da igreja é conhecida através de certas qualidades que constatamos existirem na própria igreja.

Natureza é aquilo que é inalienável de um ser. Assim, temos de ver o que é a igreja através daquilo que é inseparável da igreja como igreja, isto é, daquilo que marca uma igreja como sendo igreja do Novo Testamento.

Alguns aspectos da natureza de uma igreja neotestamentária:

 

1- A igreja é “o corpo de Cristo” (ICo.12.27 ).

A Igreja Universal tem na igreja local o seu “microorganismo”. A igreja é o corpo místico de Cristo, e nós somos “individualmente seus membros”. “O corpo é um, e tem muitos membros”, mas há unidade no funcionamento desses membros no corpo, e “todos os membros… constituem um só corpo” (ICo.12.12). Há uma harmonia de funções, e tal harmonia coopera para o bem estar do corpo. Cristo “é a cabeça do corpo da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia” (Cl.1.18). Cristo é primaz, é o primeiro sobre todas as coisas. Os membros do corpo não podem agir individualística e egoisticamente, mas altruisticamente, para o bem do próprio corpo. O corpo humano é um só e tem muitos membros, e todos estes funcionam sob a direção da cabeça, de modo harmônico. A falta de comunhão dos membros desse corpo místico de Cristo, a igreja, evidencia que há doença nos “membros”, que podem ser, ou doentes espirituais ou, mesmo, ímpios, embora religiosos, aparentemente ente salvos das trevas.

A igreja, sendo o corpo de Cristo, é uma sociedade nova, divinamente vitalizada, uma nova humanidade glorificada, em transformação progressiva, que se desenvolve mais e mais na imagem de Cristo. A igreja, corpo de Cristo, é o corpo dos que tiveram a imagem de Deus (Gn.1.27) recriada “pela aplicação da obra de Cristo na vida”. Cristo pôde introduzir no seu corpo, a igreja, a vida de Deus, porque “Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação” (Cl. l. 15 ), porque é o verbo que se fez carne e habitou entre nós e em nós (Jo. l.14; 17.23 )

A igreja, corpo de Cristo, é a expressão de Deus no mundo; “somos para com Deus o bom perfume de Cristo” (IICo.2.14-15). É preciso ter consciência, é necessário saber que nossos “corpos são membros de Cristo” ( ICo.6.15).

 

2. A igreja é “ raça eleita” (IPe.2.9).

Raça é um agrupamento de indivíduos que têm ascendência e descendência e vida comuns. A vida comum que veio para a igreja procede de Deus por Cristo. A igreja é uma seleção divina de pessoas terrenas renascidas pelo Espírito Santo, herdeiras das muitas moradas celestiais (Jo.14.2). É raça ideal, “eleita”. É raça escolhida. A igreja foi eleita antes da fundação do mundo. Sua eleição não foi algo impensado de Deus. Foi coisa eterna e divinamente pensada, relacionada com “a presciência de Deus Pai” (Ipe.1.2). Nossa eleição foi consumada “segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade” (Ef.l. l1), e nossas mentes devem buscar “as coisas lá do alto, onde Cristo vive, assentado à direita de Deus” (Cl.3.1 ).

 

3- A igreja é “sacerdócio real” ( IPe.2.9 ).

I Pedro 2.5 fala da igreja como “sacerdócio santo”. A igreja é convocada à santidade, ao império do viver moral, porque ela compartilha da própria santidade de Deus em Cristo. Nosso alvo é a perfeição (Mt.5.48). Deus nos elegeu para a salvação, “pela santificação do Espírito (IITs.2.13). Nossa santificação é alvo dos ensinos neotestamentários e é uma extensão da santidade de Deus. Os sacerdotes do velho Testamento apresentavam os pecadores a Deus, para Deus perdoar-lhes os pecados. Êxodo 19.6 diz da cahal de Deus, a igreja da Velha Aliança, Israel, como sendo um “reino de sacerdotes e nação santa”, e, segundo Apocalipse 1.6, fomos constituídos por Cristo “reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai”; isto é, Cristo preparou-nos para sermos para Deus um povo muito especial, real, para reinar “em vida por meio de um só, a saber, Jesus Cristo” ( Rm 5. 1 7 ).

 

4- A igreja é “nação santa” (IPe2.9).

“Raça (, pronuncia-se guénos ), e “nação”(, pode ser pronunciado éthnos: th, como no inglês think), e “povo” (, cuja pronúncia é laós ) “são meros sinônimos”. Saibamos, irmãos, Deus nos chamou para sermos nação santa, para estarmos em processo de renovada santificação, em transformação constante a imagem de Cristo Jesus. Pureza moral e espiritual é meta que devemos perseguir sem trégua para, com isso, agradarmos ao Senhor da igreja. Caso queiramos, podemos explorar ir mais os sentidos de guénos, de éthnos e de laós. Sempre há lições válidas, desde que coerentemente tiradas.

 

5- A igreja é “povo de propriedade exclusiva de Deus” (IPe.2.9).

Somos povo possuído por Deus e, por isso, devemos ser-lhe agradáveis. De fato, “não podemos agir como melhor nos pareça”. Fomos adquiridos pelo preço “da expiação pelo sangue de Cristo”. A Cristo pertence nosso corpo, nossa alma. Quem age como quer ou como melhor lhe parece, mostra que não é de Jesus, o Cristo. Não pertence ao Senhor, embora religioso. “Agora sois povo de Deus” (IPe.2.10).

 

6- A igreja é “lavoura de Deus” ( I Co.3,9).

Ao homem cabe plantar, regar, mas só Deus dá vida e crescimento. Nem o plantador nem o que rega é coisa alguma. Deus é que é tudo. Somos só cooperadores do Senhor. como “lavoura de Deus”, a igreja deve produzir muitos e bons furtos. Deve estar livre das ervas daninhas. A igreja é chamada a apresentar “o fruto do Espírito” que é “amor, alegria paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio” ( Gl. 5.22). Que lavoura linda para Deus ! O amor é central na vida da igreja como “lavoura de Deus”. Cada gomo do fruto do Espírito é permeado pela seiva do amor. Assim, ”a alegria è a força do amor. A paz é a segurança do amor. A longanimidade é a paciência do amor. A benignidade é a conduta do amor. A bondade é o caráter do amor. A fé é a confiança do amor. A mansidão é a humildade do amor. A temperança é a vitória do amor”. Por definição, a igreja é lavoura de vidas controladas pelo Espírito Santo, produzindo o fruto cheio de graça para a vida eterna, na unção do Espírito de Deus. Esse fruto multiplica-se. Na “lavoura de Deus” não há monotonia. Não há “monocultura”. Há “policultura bendita, divina.

 

7- A igreja é “edifício de Deus” (1Co 3.9).

Esse edifício é templo para Deus morar, habitação apropriada para o Espírito Santo, que jamais pode ser manchado pelo pecado, seja qual for (1Jo. 1. 7b ).

A igreja como “edifício de Deus” é construção baseada sobre alicerces firmes, sabiamente colocados. O alicerce correto, o Único alicerce, intocável, é Jesus Cristo (ICo.311 ). Pregar “Jesus Cristo, e este crucificado”, eis o alicerce ( l Co.2.2).

Hoje, nós somos os continuadores da edificação, e Paulo nos adverte: “porém cada um veja como edifica”, isto é, sobre o fundamento, Jesus Cristo ( I Co. 3.10 ). Quem edifica deve observar o material usado, as proporções, os compartimentos do edifício. Pode haver até o perigo de se querer lançar “outro fundamento”, e muitos são os que tem lançado outro fundamento para as suas igrejas humanas. Com que estamos construindo para Deus? “Qual seja a obra de cada um o próprio fogo a provará” I Coríntios 3.11-15 deve ser levado a sério, lá no mais profundo das nossas almas. É de fazer tremer o maior gigante dos edificadores. O que estamos fazendo vai ser passado pelo fogo. A “palha” e o “feno” religiosos vão-se queimar. As “pedras preciosas”, o “ouro”, a “prata”, símbolos das verdades fundamentais, vão resistir e permanecer. CUIDADO! Deus nos oriente. Amém. Que mantenhamos os fundamentos de Deus para a igreja, e que sejamos galardoados por nossas obras sábias de edificação da igreja de Deus. Um texto como de I Coríntios 3. 14-15, merece que sobre ele reflitamos com a mais absoluta seriedade, insistimos.

 

8- A igreja é “santuário de Deus” (I Co.3.16).

Cada crente verdadeiro tem o Espírito Santo. A ação maior ou menor do Espírito depende da fidelidade do próprio, indivíduo, ou, ainda, do propósito de Deus para a vida desse ou daquele indivíduo, no que acontece à salvação, à fé, à vida, ao progresso espiritual. É o Espírito de Deus o agente de tudo isso. Sem o Espírito, nada feito. Cada convertido é morada do Espírito Santo. Logo, a igreja, que é a soma dos convertidos, é “santuário do Deus vivente” (I co. 6.16), “é santuário do Espírito Santo que está em vós” ou seja, em nós (I Co 6.19). 0 termo “santuário”, em I Coríntios 3.16-17, (pronuncia-se naós ), é empregado em relação ao lugar santo e ao santo dos santos do templo dos hebreus. Ali entravam os sacerdotes (no lugar santo), e o sumo sacerdote (no lugar santo dos santos, somente uma vez por ano). Assim, em nosso interior (alma ou espírito; alma = espírito), Deus, o Espírito Santo, habita. Irmãos, sejamos santos, porque o Deus que habita em nós é Santo, é Perfeito (Mt. 5.48), I Coríntios 3.17 declara que “o santuário de Deus, que sois vós é sagrado”; isto é, nós somos os santos de Deus. A santificação plena esbarra no obstáculo do separacionismo denominacional, por quê? Porque o santuário é um corpo; e um corpo dividido, obviamente, inviabiliza o exercício em plenitude dessa santificação.

 

9 – A igreja é a fusão associativa de cada “nova criatura” em Cristo ( II Co.5.17).

A expressão “se alguém está em Cristo” é “expressão mística” que designa comunhão do nosso ser com o ser de Cristo. É por essa comunhão que nosso ser vai-se transformando no ser ou na imagem de Cristo. A igreja não é associação dos que seguem um mesmo credo, mas dos que são novas criaturas; não é ajuntamento de pessoas reformadas, modificadas externamente, mas é o congraçamento daquelas vidas recriadas, transubstanciadas, transmutadas a partir do cerne, do âmago da parte mais íntima e interior do seu ser. Igreja é a nova sociedade daqueles que se desligaram das coisas antigas terrenas, malignas, e se apegaram às coisas celestiais próprias do novo céu e da nova terra (Cl.3.1,2; II Pe.6.13).

 

10- A igreja é “sal da terra” (Mt.5.13).

Um sal misturado com outra substância pode até ter aparência de sal, mas perde o seu sabor. O sal precisa ser puro para ser útil. Assim, a igreja precisa ser pura, e, sendo pura será útil a Deus e ao povo de Deus. A figura do sal, antes de servir como determinativa das ações de adubar ou dar bom gosto ou, mesmo, de conservar a comida, alerta-nos para o fato de que a igreja precisa viver na prática diária do que professa crer.

“O ‘TALMUDE’ mostra que o sal que não era puro e útil para ser usado nos ritos dos sacrifícios (que eram oferecidos com o sal ), era lançado nos degraus e declives ao redor do templo, para impedir que o terreno se tornasse escorregadio, e assim, era pisado pelos homens”. Com isso, devemos ver que a igreja precisa ser verdadeira, autêntica, real, para ter dignidade diante de Deus, de si mesma e dos homens que a cercam.

 

11- A igreja é “a luz do mundo” (Mt.5.14).

Ai do mundo se a luz se escurecer, minguar, apagar! A luz é útil. Apague-se a luz em nossas casas e a inoperância toma conta de nós. Faltou luz no Egito, que foi coberto pela nona praga, a das trevas, “por três dias” e “não viram uns aos outros, e ninguém se levantou do seu lugar por três dias; porém os filhos de Israel todos tinham luz nas suas habitações” ( Ex.10.22-23).

A igreja deve brilhar sem obstáculos. Sem dúvida, a igreja, vivendo aquilo que diz ser, modificará a desgraça em graça, a pobreza em riqueza, a morte em vida, o medo em coragem. Tal igreja-luz será seguida por riqueza de Deus, saúde e vida abundante por Cristo. A igreja, a soma dos crentes, foi feita “luzeiros” resplandecentes “no mundo”. “Luzeiros no mundo” ( Fp. 2.5): Quem pode ser? A igreja, povo que foi iluminado pelo Cristo que é “a verdadeira luz, vinda ao mundo, ilumina a todo homem”. (Jo.1.9). A igreja, portanto, é constituída dos verdadeiros iluminados e, assim sendo, deve ser luz do mundo.

A luz reflete a luz do sol. A igreja é um corpo luminoso, mais que mero refletor, porque em nós habita a verdadeira luz, que nos dá natureza de luz. Assim, como igreja, somos fontes de luz para este inundo tenebroso. Qualquer que seja a luz que sejamos, nós o somos porque “Deus é luz, e não há nele treva nenhuma” e, em Cristo, iluminou-nos (I Jo 1.5 e Jo. 1.9 ). Assim resplandeçamos perante os homens através do testemunhos e das boas que falam do Cristo (Mt.5.16), cuja cidade não tem noite, mas só DIA ( Ap.21. 23,25). Deus nos abençoe com a sua luz. Somos “filhos da luz” (lTs.5.5 ).

 

12- A igreja é o corpo universal de Cristo que engloba todos os filhos de Deus por Cristo, único Salvador e Senhor; sem limite temporal ou espacial.

A igreja inclui todos aqueles que foram remidos pelo sacrifício expiatório de Cristo Jesus na cruz. A “Igreja Universal” é a “Igreja de Deus” (ICo.10.32). Esta difere das “igrejas de Deus” (lTs.2.14), e nelas se divide, evidente e neotestamentariamente por causa exclusiva da localidade. E a igreja mencionada em Mateus 16.18.

 

13- As igrejas são a corporificação local de todos os filhos de Deus remidos pelo sacrifício expiatório de Cristo na cruz, existentes na localidade.

A igreja local tem a ver com o tempo e o espaço. É estreita, é pequena, está ao alcance dos irmãos da localidade. Ela ouve, analisa, compreende e dá solução para os problemas dos seus membros. A igreja da localidade engloba, apenas, os salvos que residem na localidade.

A única permissão do Novo Testamento para dividir a Igreja Universal em igrejas é a localidade, como já vimos. Não vemos nas páginas do Novo Testamento nenhuma igreja denominacional, estatal, nacional, internacional ou mundial. A igreja local aparece em Mateus 18. 17.

Diz o irmão Watchman Nee: “verificamos que as escrituras falam da “Igreja de Deus” No singular ( I Co 10.32 ), mais encontramos as mesmas Escrituras referindo-se às “igreja de Deus” no plural ( I Ts 2.14 ). Como esta unidade se torna uma pluralidade? Como foi que a Igreja, que é essencialmente uma, veio a tornar-se muitas? A Igreja de Deus se dividiu em igrejas de Deus, por causa da diferença das localidades. Localidades é a única base bíblica para divisão da Igreja em igrejas” (“A Vida Normal da Igreja Cristã”, p. 51,3ª edição – 1991).

 

14 – A igreja é a “casa de Deus”.

Timóteo deve saber “como se deve proceder na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo” ( I Tm 3.15 ). Em Gênesis 28. 11-17, Jacó chamou um certo lugar de “casa de Deus, a porta dos céus”. Gênesis 28.22 menciona certa “pedra” erigida por Jacó como “a casa de Deus”. No Velho Testamento, Deus morava no meio do seu povo através de um lugar, o santuário. Aí, Ele habitava ( Ex. 25.8). Jacó encontrou a Deus num certo lugar. O povo de Isrrael encontrava a Deus no tabernáculo ou no templo. O mundo pode encontrar a Deus em nós, pois somos “o santuário do Deus vivente” “II Co 6.16”. O Mundo pode ver Deus em nós. Somos nós a casa de Deus. Senhor, habita-nos, somos tua residência. Amém.

No Velho Testamento, foram casa de Deus: A “pedra” de Jacó, conforme Gênesis 28.11-22; o “santuário”, de acordo com Êxodo 25.8; o “templo” , segundo Habacuque 2.20. Hoje, vemos que a casa de Deus, somos nós. Somos o “santuário do Deus vivente” (II Co. 6.16). Timótio deve saber “como deve se proceder na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo” ( I Tm. 3.15). Essa “casa de Deus é “casa” de Cristo, é tal “casa somos nós”, diz Hebreus 3.6.

Assim, a igreja é a casa de Deus. Nós somos a igreja. Logo, somos a casa de Deus.

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá á  disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Nenhum comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links não serão aprovados!