O servo fiel é especial para Deus

O servo fiel é especial para Deus
Texto: Salmo 127:2

Introdução: O profeta Ageu declara que Deus é o dono de todo ouro e prata que há na terra (2.8). Esta verdade equivale a dizer que Deus detém em suas mãos todas as riquezas que há no mundo. Já o salmista Davi – em uma linguagem poética – afirma que: “Ao Senhor pertence a terra e tudo O que nela se contém, o mundo e os que nele habitam” (SI 24.1). Em outras palavras, o salmista está dizendo que Deus é o dono da terra, exatamente porque a criou e sustenta!

O texto que vamos analisar na sequência está contido no Salmo 127, o salmo da família que, entre outras coisas, revela o cuidado amoroso de Deus para com seus filhos nas diversas áreas do lar. Como garantir o sustento do amanhã? Melhor, como viver de maneira despreocupada – do ponto de vista econômico – diante de um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, exigente e estupidamente selvagem? A resposta não está no homem, com suas ciências econômicas, políticas e sociais) e soluções paliativas, relativistas e circunstanciais, mas em Deus, e em sua Palavra, que é fiel e verdadeira, pois não falha e tem seu cumprimento garantido, veja Isaías 55.10,11; Mateus 6.33).

Proposição: A manutenção financeira no lar depende da devoção sincera de seus membros a Deus.

I. “Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde”.

- A crítica é dirigida a uma pessoa trabalhadora, que busca prosperar por meio de muito trabalho. Dirige-se a indivíduos que não se importam em levantar às quatro horas da madrugada, e dormir após a meia noite. De forma geral, a maioria das pessoas pensam e age desse modo!

- Por que Deus considera inútil o esforço árduo de um trabalhador? Será que Ele tem alguma coisa contra o trabalho honesto e suado? (Veja Gênesis 3.17-19). Em absoluto. Na verdade, Deus não tem nada contra o trabalho, muito ao contrário, Jesus afirmou diante de alguns fariseus que Deus nunca parou de trabalhar desde a Queda do homem (João 5.17), além disso, o apóstolo Paulo determinou aos tessalonicenses que “…se alguém não quer trabalhar, também não coma” (2 Tessalonicenses 3.10).

- A palavra inútil significa: “baldado, vão, estéril” (Dicionário Aurélio) e o sentido que mais se harmoniza ao que o salmista escreveu tem a ver com algo sem resultado concreto, que todo esforço não levará a lugar algum.

- Há duas palavras hebraicas que traduzem bem o conceito de inutilidade; veja: shãw: vacuidade, vaidade, falsidade e tem o sentido de “em vão, inutilmente ou à toa”, shãw ’ tem a ver com tudo aquilo que é impalpável, sem valor real; a outra palavra é mais forte: beliya’al inutilidade, belial é uma palavra derivada de beli (não, sem) + ya’al (ser de uso, útil, lucrativo). Fonte: Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento (Ed. Vida Nova).

- Na verdade, a crítica divina é dirigida a uma pessoa que confia em si mesma, que vê no trabalho ou no esforço pessoal a única forma segura de prosperar (veja Deuteronômio 8.17,18), que não inclui em sua lista de “investimentos” o Reino de Deus, que à semelhança do homem louco e avarento denunciado por Jesus, amontoa em celeiros sem se importar com o iminente juízo divino (Lucas 12.20 – prestação de contas).

- A inutilidade está no resultado final de todo esforço, na insegurança do amanhã sem Deus, no desperdício que deverá ocorrer quando o “devorador” atacar (veja Malaquias 3.11). Para esse, o pão é sempre penoso, ou é um “pão de dores” (ARC), que custa caro, que vem apenas com trabalho árduo.

II. “…aos seus amados ele o dá enquanto dormem”.

- O sentido correto desta frase aparece na bela tradução da Bíblia NVI, vejamos: “O Senhor concede sustento aos seus amados enquanto dormem”. Está claro que Deus age no “turno da noite”, que opera num momento que muitas vezes ignoramos. Dormir nesse caso tem a ver com “descansar” em Suas promessas. O texto nos faz lembrar do povo de Israel no deserto, pois o maná descia pela madrugada, quando todos dormiam (veja Êxodo 16.7).

- A expressão “seus amados” é uma referência direta a pessoas especiais. Mas, afinal quem são os amados do Senhor? Será que Deus faz acepção de pessoas? Será que Ele é parcial, amando um mais do que outro? Absolutamente não! Não é Ele quem muda segundo as circunstâncias ou se determina pelas aparências, o problema não está em Deus, mas nos seus filhos (veja Efésios 6.9).

- Estamos diante de pessoas que conhecem e se adaptam à vontade de Deus. Está em foco aqueles crentes que confiam em Deus e por isso Ele não os decepciona. Essa confiança se converte em atos concretos de obediência irrestrita e inegociável da Palavra de Deus. Quem dizima e oferta regularmente, cumpre a sua mordomia fielmente e expressa com isso a sua confiança na providência divina.

- Jesus disse a seus discípulos qual é a “marca registrada” do nosso amor a Deus; veja: “ (…) Se alguém me ama, obedecerá à minha palavra. Meu Pai o amará (…) Aquele que não me ama não obedece às minhas palavras” (João 14.23,24 – NVI). Quem ama a Deus não questiona as Suas leis, não prioriza os seus próprios interesses, antes busca dar ao Senhor e a seu Reino a primazia, as primícias, o melhor e não as sobras (veja Provérbios 3.10,11; Mateus 6.33).

- Segundo o salmista, Deus demonstra o Seu amor, contentamento, alegria com os Seus filhos obedientes por meio de atos de providência, de abastança, de abundante suprimento. Paulo confirma isso quando ora pelos crentes fiéis (na mordomia- v. 15 e 16) de Filipos: “E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades” (Filipenses 4.19). O crente que deseja crescer financeiramente, deve se esforçar não por trabalhar demasiadamente, mas em ser fiel a Deus.

Conclusão: O esforço humano para melhorar de vida, como estudar, trabalhar, poupar e fazer bons investimentos, somente terá resultados positivos e duradouros, se contar com a bênção integral de Deus. No Antigo Testamento, encontramos uma história interessante que apoia a compreensão do resultado da nossa obediência à mordomia do dinheiro, e trata da mãe de Moisés que não podendo ocultá-lo dos soldados de Faraó, acabou por “entregá-lo” aos cuidados de Deus e Ele por sua vez devolveu a criança para Joquebede, mas acompanhada de um salário regular (veja Êxodo 2.1- 10). Pois é precisamente isso que nos acontece quando decidimos entregar ao Senhor nossos dízimos e ofertas, Ele nos abre as janelas e portas do céu a fim de suprir ricamente cada necessidade que tivermos (Malaquias 3.10).

Pr. Josias Moura de Menezes

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá á  disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Nenhum comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links não serão aprovados!