A Videira Verdadeira

A Videira Verdadeira
Normalmente, todo trabalho tem em vista um resultado. Uma empresa trabalha para alcançar lucro; um time de futebol para ganhar títulos; um estudante para ser aprovado. No Reino dos céus não é diferente. Deus Pai espera que seus filhos lhe apresentem um resultado, que também pode ser chamado de fruto.

Pergunta: Qual o resultado que Deus Pai espera que seus filhos lhe apresentem?

Jesus utilizava-se de metáforas, analogias e comparações, além de ilustrações e parábolas, para ensinar os princípios do Reino de Deus. Neste texto bíblico, ele faz uso de uma metáfora baseada na viticultura, objetivando tratar sobre o resultado que Deus Pai espera de seus filhos.

Texto-base: João 15:1-8
Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que, estando em mim, não dá fruto, ele corta; e todo que dá fruto ele poda, para que dê mais fruto ainda. Vocês já estão limpos, pela palavra que lhes tenho falado. Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim. Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma. Se alguém não permanecer em mim, será como o ramo que é jogado fora e seca. Tais ramos são apanhados, lançados ao fogo e queimados. Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês, pedirão o que quiserem, e lhes será concedido. Meu Pai é glorificado pelo fato de vocês darem muito fruto; e assim serão meus discípulos.
Pergunta: Quais são as personagens dessa metáfora?

Essa metáfora nos apresenta quatro personagens: a videira verdadeira, o agricultor, os ramos e os frutos. A videira verdadeira é Jesus.

Pergunta: Por que Jesus é chamado de videira verdadeira?

Antes de Jesus ser chamado de videira, o povo de Israel o foi. Assim, Deus tinha a expectativa de que seu povo lhe apresentasse um resultado, ou frutos. Contudo, Israel falhou nisso, sendo infrutífera. Por isso, esse título lhe foi tirado e dado a Jesus, o qual se auto-intitulou videira verdadeira, pela convicção de que apresentaria ao Pai os frutos desejados.

Continuando a identificação das personagens, o agricultor é o Pai e os ramos são os discípulos de Jesus, ou os filhos de Deus. E os frutos? O que são os frutos?

Pergunta: Em sua opinião, o que são os frutos da metáfora?

Vamos desenvolver uma linha de raciocínio simples. Em linguagem popular, se Jesus é a videira, podemos dizer que ele é um “pé”, como um pé de laranja, por exemplo. O que um pé de laranja dá? Laranjas! E um pé de manga? Mangas! E um pé de uva? Uvas! E um pé de Jesus? Apesar de estranha, seguindo a linha de raciocínio, a resposta é Jesuses. Assim, os frutos da metáfora são Jesuses.

Pergunta: Quais são as funções de cada personagem? De quem é a função de produzir os frutos?

Assim como os ramos é que produzem os frutos, a função de produzir Jesuses não pertence ao Pai nem ao próprio Jesus, mas aos discípulos. Os discípulos é que devem produzir Jesuses. Como? De duas maneiras: em si mesmos e através de si mesmos. Produzir Jesus em si mesmo quer dizer ter um caráter e uma conduta como a de Jesus, ou seja, ser, de fato, um discípulo dele, permanecendo nele e imitando-o. Já produzir Jesuses através de si mesmo diz respeito a fazer de outras pessoas discípulas de Jesus, testemunhando e levando-as a seguí-lo.

E quanto às funções das demais personagens? A produção de Jesuses é o foco dessa metáfora. Por isso, as funções do Pai e do próprio Jesus estão voltadas para isso. O Pai, enquanto agricultor, cuida externamente dos discípulos, providenciando o necessário para que frutifiquem. Jesus, enquanto videira, provê internamente os discípulos, fornecendo-lhes o necessário para que frutifiquem.

Pergunta: Qual o cuidado providenciado pelo Pai aos discípulos para que frutifiquem?

Uma das ferramentas mais importantes de um agricultor é a tesoura de poda. Com ela, ele cuida dos ramos, fazendo- lhes cortes profundos ou superficiais. Os cortes profundos são necessários quando um ramo se encontra infrutífero, possivelmente por defeitos ou entupimentos em seus vasos condutores. Nesses casos, corta-se o ramo em sua origem, para que seja extraído quase que inteiramente, e um novo ramo saudável tenha a oportunidade de ser formado. Já os cortes superficiais são chamados de poda. A poda é necessária para que um ramo frutífero assim permaneça e até aumente a sua produção. Com o tempo, a substância responsável pela frutificação do ramo cristaliza-se em sua ponta, impedindo o seu próprio fluxo. A poda, então, extrai essa ponta em processo de cristalização, possibilitando que uma nova ponta seja formada. Nos dois casos de corte, o que o agricultor tem em mente é a renovação do ramo, de modo que ele seja, se mantenha ou seja ainda mais frutífero.

Os cortes que o Pai faz nos discípulos para que sejam frutíferos podem ser entendidos, de modo geral, como disciplinas. Veja o texto de Hebreus 12:4-11:
Na luta contra o pecado, vocês ainda não resistiram até o ponto de derramar o próprio sangue. Vocês se esqueceram da palavra de ânimo que ele dirige a vocês como a filhos: “Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor nem se magoe com a sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho”. Suportem as dificuldades, recebendo-as como disciplina; Deus os trata como filhos. Ora, qual o filho que não é disciplinado por seu pai? Se vocês não são disciplinados, e a disciplina é para todos os filhos, então vocês não são filhos legítimos, mas sim ilegítimos. Além disso, tínhamos pais humanos que nos disciplinavam e nós os respeitávamos. Quanto mais devemos submeter-nos ao Pai dos espíritos, para assim vivermos! Nossos pais nos disciplinavam por curto período, segundo lhes parecia melhor; mas Deus nos disciplina para o nosso bem, para que participemos da sua santidade. Nenhuma disciplina parece ser motivo de alegria no Pergunta: Qual a provisão fornecida por Jesus aos discípulos para que frutifiquem?momento, mas sim de tristeza. Mais tarde, porém, produz fruto de justiça e paz para aqueles que por ela foram exercitados.
Pergunta: Qual a provisão fornecida por Jesus aos discípulos para que frutifiquem?

Para que os ramos frutifiquem, eles precisam receber da videira a chamada seiva elaborada. Nela estão todos os nutrientes e hormônios de que os ramos precisam para dar frutos. O curioso é que a seiva elaborada não pode ser vista por quem observa a videira. Ela corre da videira para os ramos por vasos condutores internos. Sabe-se que ela está presente a agindo por causa dos frutos que aparecem.
Qual é a seiva elaborada dada por Jesus aos seus discípulos? Trata-se do Espírito Santo. Ele é tudo o que os discípulos precisam para dar frutos. É dele o fruto que gera no discípulo o caráter e a conduta de Jesus e são deles os dons que fazem com que o discípulo gere outros discípulos de Jesus.

Conclusão: Podemos concluir que toda a Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo) está em ação para que os discípulos de Jesus sejam frutíferos. O desejo de Deus é que eles apresentem frutos e, por isso, trabalha arduamente para que isso aconteça, nutrindo, disciplinando e esperando o tempo necessário para que os frutos apareçam e amadureçam.

Se somos de fato seus discípulos, então estamos aqui para cumprirmos a vontade de Deus e trazermos glória para o seu nome através de uma vida frutífera.

O segredo é permanecer em Cristo, palavra que aparece dez vezes. Este é o pensamento central de Jesus. O segredo para uma vida frutífera e transbordante não é fazer mais por Jesus, mas estar mais com Jesus. Permanecer em Cristo é vital para produzir fruto, pois ele disse “Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo … pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma” (v. 4,5). Fora da videira o ramo é estéril, é inútil. Contudo, quando o ramo está ligado à videira, sendo podado na hora certo, ele produz muito fruto.

Pergunta: A partir disso, quais são os tipos de discípulos que podem existir?

Tomando por base os tipos de ramos, podemos dizer que existem pelo menos três:
  1. Ramo desconectado, ou o não-discípulo;
  2. Ramo infrutífero, ou o discípulo infrutífero;
  3. Ramo frutífero, ou o discípulo frutífero.
Pergunta: Qual é a vontade de Deus para cada um desses tipos?

  1. Que seja conectado à videira e dê fruto, ou que se torne um discípulo de Jesus e dê fruto. Para isso, é necessária a conversão a Cristo;
  2. Que seja frutífero e, para isso, disciplinas e nutrientes serão necessárias;
  3. Que permaneça e seja ainda mais frutífero. Este é o desejo do Pai para todos os discípulos de Jesus, que produzam muito fruto. Para isso, provações e disciplinas poderão ser necessárias.

Pergunta: Em qual desses tipos você se encaixa? O que precisa fazer para que a vontade de Deus se realize em sua vida?

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá á  disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Nenhum comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links não serão aprovados!