Tipos de pai

Com base numa pesquisa, pudemos traçar o perfil de seis tipos de pai e as principais influencias sobre seus filhos. Ei-los:

1 – Super-protetor.
- É o que faz tudo por todos da casa e evita qualquer tipo de frustração ou conflito do (a) filho (a).
- No fundo, quer viver a vida dos filhos. Age compulsivamente, isto é, sem saber que superprotegendo está castrando, está impedindo os filhos de crescerem como pessoas.
- O filho (ou a filha) na infância e na adolescência terá como traços marcantes a insegurança e a falta de iniciativa, e se não se esforçar bastante não chegará ao estado adulto. Sem autonomia, mesmo casado não dará um passo sem consultar o paizão.


2 - Autoritário.
- Fechado ao diálogo. Imaturo, não é capaz de acompanhar as mudanças da realidade. Não sabe colocar seus problemas e perde a calma por achar que os familiares não o compreendem.
- Acha que seu ponto de vista sempre é o certo e racionaliza: "Sou rude e mandão para seu bem, filho".
- Debocha dos fracassos dos filhos e não lhes dá o devido valor.
- O filho por certo será sonhador, influenciável, bastante sensível e com tendência ao isolamento. Ou o oposto: fechado, radical, dominador e agressivo fora de casa. Mas em casa vive calado e ansioso, pois sempre espera reações agressivas do pai.
- O adolescente ou imitará o pai na vida social ou se engajará num grupo de jovens desobedientes, no qual será um obediente carneiro.


3 - Agressivo.
- É o pai em contínuo estado de agressão. Em qualquer situação que não lhe agrada, agride com palavras. E se tem o revide, parte para a violência. Seu filho não respeita os colegas de classe.
- Possessivo, não dá, só toma dos colegas. Repete o pai, em geral um ignorante, que se de posses, é um cafona, ou seja, o que, numa festa, pensa estar abafando mas realmente está tendo uma conduta ridícula aos olhos dos mais finos e cultos, dos mais educados e refinados.

4 - Submisso.

- Não tem voz ativa no lar. É dominado, sobretudo pela mulher.
- Deixa os fatos relarem e não toma iniciativa. Espera tudo da mulher e dos filhos. O filho por certo era contra ele, subjugando-o, a exemplo da esposa.
- Não é modelo. Geralmente um filho (ou uma filha) assume o que ele não assumiu que é o papel masculino, e daí decorrem atritos com a mãe.
- Quando criança, o filho do submisso é uma pessoa indefinida e sempre segue alguém mais forte para se sentir forte. Opõe-se à professora porque esta lembra a mãe (autoridade).
- Já a filha ficará à procura de um homem forte, decidido e independente, no qual ela encontra seu belo lado masculino (forte, dominador, ativo, etc.).


5 - Ausente.
- Indiferente e impotente tal qual o submisso. Porém, é egoísta. Ao se esconder ou fugir nas horas de decisão, aparece como o sofredor que pede carinho.
- O filho (ou a filha) terá problemas na infância na definição de sua sexualidade entre 3 e 6 anos e mais tarde dos 12 aos 16. ficará procurando um amigo ou pai de amigo para com ele se identificar.
- A menina com um pai ausente ou submisso pode desenvolver uma personalidade masculina para enfrentar a mãe a partir de 3 anos de idade. (Um filme que mostra muito bem o mecanismo psicológico de identificação é Cinema Paradiso, em que Totó toma Alfredo como pai e ego ideal.)


6 - Adulto.
- Honesto, digno, sincero, amigo, amoroso e trabalhador.
- É o pai ideal, que está de bem consigo mesmo e com os outros. Respeita os sentimentos e opiniões dos filhos. Mostra pelo exemplo o lado certo da vida. Aberto ao diálogo, sabe aconselhar sem impor. Dá apoio e sabe ser severo na hora certa.
- Esse pai não existe, dirá o leitor. Sim.
- Todo tipo é um abstração. Por ex., não há o normal, o esquizofrênico, o neurótico e sociopata etc.. Somos um pouco de cada um. Porém, por muitas razões, podemos estar mais próximos ou mais distantes desse ponto imaginário a que chamamos normalidade. Mas, onde estivermos, haverá um rótulo a definir nossa condição e nossos papéis. O ponto mais próximo da normalidade tem o rótulo de adulto. Para ele caminham os que pretendem viver em paz e progredir espiritualmente.


Lannoy Dorin é professor de Psicologia Geral e Psicologia da Personalidade no curso de Psicologia da Faculdade Politécnica de Jundiaí (SP).

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá á  disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Nenhum comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links não serão aprovados!