Texto: Lucas 15.11-24

Introdução:

  1. Mostrar que a palavra pródigo significa esbanjador.

  2. Mostrar que só esbanja quem não dá valor às coisas.

  3. Mostrar que o filho pródigo não valorizou o que possuía: um lar, riquezas, segurança.

  4. Mostrar que muitas vezes nós assumimos a personagem do filho pródigo e não valorizamos a nossa condição de filhos de Deus.

  5. Anúncio do Temas

Proposição: Precisamos valorizar a nossa condição de filhos, pois a mesma foi adquirida através do sacrifício de Cristo, na cruz do calvário, por nós.

Às vezes como o filho pródigo somos:

  1. INDIVIDUALISTAS (Egoísmo, Egocentrismo)

  • O filho pródigo foi individualista. Só pensou em si mesmo. Não pensou no sofrimento que estava infringindo ao pai, não pensou que estava desrespeitando a primogenitura do irmão, não pensou na falta que faria àquele lar.

  • Às vezes nós também não valorizamos o amor do Pai (Jo 3.16; Ro 8.38,39), não valorizamos o sacrifício de Jesus (Fp. 2.5ss), não valorizamos o corpo de Cristo (Jo 17.21)

  1. INSATISFEITOS

  • Insatisfação fala de desagrado, falta de satisfação.

  • O fato do filho pródigo ter se ausentado de seu lar demonstra que ele estava insatisfeito.

Referências: Hino “Satisfação”, Hino 83 HC, Pv 19.23.

  1. INDEPENDENTES

  • Que não depende, que não se sujeita, que está livre de qualquer laço ou compromisso.

  • O filho pródigo queria ser livre, não queria mais estar debaixo da autoridade do seu pai.

Referências: Jo 15.5, Lc 12.20, Tg 4.13

Conclusão:

Ainda que muitas vezes assumamos o papel de filho pródigo e sejamos individualistas, insatisfeitos e independentes o Pai nos espera de braços abertos, disposto a nos restaurar!

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Evangelista: Fábio Magalhães