O pecado na Bíblia

I- Um dos grandes objetivos da Bíblia é tratar dos fatos da vida humana, estabelecer a sua significação e efeito, e algumas vezes derramar luz sobre a sua causa. No caso do pecado há dois fatos principais:

a) O  homem é pecador;
b) Todos os homens cometem pecado.

Pode, portanto esperar-se que a Bíblia derramará luz sobre o sentido da palavra pecado e sobre seus efeitos; e nos fará conhecer a causa da sua influência universal nos homens e o remédio para esse grande mal.

II- Segundo a Bíblia, a causa dos pecados encontra-se duma maneira definitiva (tanto quanto se considera a vida terrestre) no pecado de Adão e Eva, com as suas consequências, transmitidas à posteridade. A este fato se chama a Queda. Basta dizer-se aqui, que, por mais baixo que estivesse o primeiro homem na escala da humanidade, se ele era homem devia ter tido, na verdade, algum conhecimento rudimentar do bem ou do mal; e depois da sua primeira voluntária desobediência ao que lhe dizia a consciência, devia ter ficado numa situação moral inferior à dos tempos passados. A primeira transgressão feita com conhecimento do mal não pôde deixar de ser uma queda moral, por maior que fosse a sua sabedoria adquirida no caminho da vida. Além disso há razão para acreditar que as crianças, nascidas após a queda, haviam certamente de participar da natureza dos seus pais, a ponto de ficarem mais fracas com respeito à moralidade do que não tendo os seus pais transgredido. Esta crença muito razoável apresenta-se como sendo o pensamento central da narrativa de Gn 3. O escritor bíblico está, evidentemente, revelando mais do que a simples enunciação do pecado de Adão e Eva como tal. Ele deseja fazer ver que a pena alcançou toda a humanidade. Todos entram no mundo com a tendência original duma modificada natureza para o mal. Não é, por consequência, para admirar que cada pessoa realmente caia no pecado. Nos capítulos seguinte são plenamente expostos os terríveis e profundos efeitos daquele primeiro pecado.

III- Os diferentes aspectos do pecado, que se apresentam aos escritores bíblicos, podem ver-se do modo mais próprio nos vários nomes que lhe dão. Porquanto a Bíblia é muito rica em termos que significam o pecado, o mal, a iniquidade, a maldade, podendo ser mencionados neste lugar os mais importantes:

a) Palavras que têm o sentido de "falta, omissão, erro no fim em vista", etc.  Em hebraico háchêt e termos cognatos (Sl 51.9); em grego, hamartia (Rm 3.9), hamartêma (1Co 6.18).
b) A perversão, a deturpação, implicando culpa, são faltas designadas pelo termo hebraico avon(1Rs 17.18).
c) Há várias palavras que indicam a transgressão duma lei, ou a revolta contra o legislador. Em hebreu peshã (Pv 28.13; Is 53.5); em grego parabasis ("transgressão, Rm 4.15), paraptoma("delito", Ef 2.5), anômia ("Iniqüidade", 1Jo 3.4, onde se lê: "hamartia é anômia"), asebeia("impiedade", 2Tm 2.16).
c) Imoralidade, o hábito do pecado, e muitas vezes violência, se indicam com o hebraico rêshã(1Sm 24.13), e o grego adikia (Lc 13.27).
d) A infidelidade, e a deslealdade para com Deus e o homem, são significadas kpelo hebraicomá’al (Js 22.22).
e) A culpa, que pede sacrifício expiatório, acha-se indicada pela palavra ãshãm (Pv14.9).
f) O pecado é considerado como uma divida na oração dominical, õpheilèma (Mt 6.12).

IV- Entre os grande efeitos do pecado podem mencionar-se:

a) O medo de Deus em contrastes com o temor reverencioso e filial (Gn 3.10).
b) O endurecimento gradual da vontade contra o bem e as boas influências (Ex 7.13)
c) A consumação da força e vida da alma, assemelhando-se à lepra que vai consumido o corpo.
d) E tudo isto atinge o seu maior grau na separação de Deus ( Gn 3.24; Lv 13.46; 2Ts 1.9)

V- Na Bíblia, porém, o remédio para o pecado é, pelo menos tão proeminente como a sua causa, a sua natureza, e o seu efeito. Frequentes vezes, na realidade, se apela para os pecadores, a fim de que deixem os seus pecados, fazendo-lhes ver os grandes males que caem sobre eles; e ao mesmo tempo há as promessas de serem amavelmente recebidos por Deus todos os que se arrependem (notavelmente em 2Sm 12.13), sendo os meios humanos o arrependimento e a fé. Mas tanto o AT como o NT claramente nos ensinam que é preciso mais alguma coisa. No cap. 53 de Isaías, o sacrifício do Servo Ideal no patenteia os meios pelos quais se curam os pecados, pois que esse Servo é a pessoa que carregou com as nossas iniquidades. Outros sacrifícios eram apenas tipos deste particular sacrifício. Veja-se também Jo 1.29; Cl 1.21,22. Este remédio torna efetiva a restauração de um direito divinamente estabelecido (Rm  5.1; 1Jp 1.9), para a remoção da mancha que caiu, inclusive, sobre os mais altos lugares por motivo do pecado, tocando a honra de Deus, e seu templo (Hb 9.23 -26); e não só para a remoção dessa mancha, mas também para a gradual eliminação do pecado no crente (1Jo 1.7-9), embora enquanto existia neste mundo, nunca ele estará inteiramente livre da sua influência (Rm 7.23; Gl 5.17; 1Jo 1.10). Não admira que o Filho de Deus tenha recebido o nome de Jesus, "porque ele salvará o seu povo dos pecados deles" (Mt 1.21).

o que é pecado, pecado na bíblia

Autor: Dicionário Bíblico Universal

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá á  disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Nenhum comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links não serão aprovados!