Enfrentando o julgamento dos homens

Texto: Marcos 3:20-26


Textos Complementares: Mt 10:34-38 - 11:19 - Lc 7:37 - Mc 2:15-17 - At 24:16 - Ef 4:26,27 - 1 Pe 5:6-9.


Versículo para Memorizar: “O país que se divide em grupos, que lutam entre si, certamente será destruído. Se uma família se divide e os seus membros lutam entre si, ela será destruída”. (Mc 3:24,25)


Introdução: Hoje falaremos sobre a possibilidade de alguém ser julgado injustamente pelos homens, mesmo quando suas atitudes forem corretas diante de Deus. Queremos trazer uma palavra de consolo aos que se sentem desanimados diante das críticas relacionadas à nova conduta cristã.

1) Não compreendido pelos seus

Jesus entrou numa casa onde pudesse se alimentar e descansar um pouco. Em meio à refeição, o barulho da multidão que se apertava para ouvi-lo do lado de fora, fê-lo interromper o que estava fazendo para sair e atender aos que O aguardavam.
Quando os seus familiares ouviram isso fixaram indignados a ponto de acharem que Ele estava fora de Si. A atitude de abandonar a refeição e o descanso para atender as pessoas que Ele nem conhecia, causou-lhes grande preocupação. Na condição de parentes, sentiram-se na obrigação de zelar por sua saúde, procurando tirá-lo dali.
Cremos que a situações semelhantes estão sujeitos os que começam a trilhar um novo caminho no Senhor. Geralmente essa nova fase é marcada por comportamentos cristãos saudáveis, mas estranhos em comparação aos que antes eram adotados.
A mudança se dá na maneira de falar, na escolha dos lugares a freqüentar, na assiduidade às reuniões da igreja, na ausência em casa em certos períodos do final de semana, na verbalização do desejo de “mudar de religião”, e em muitas outras mais. Os mais próximos, ao perceberem as diferenças no comportamento, ficam preocupados, por acharem que o estão perdendo para uma nova “seita”. Outros se sentem enciumados e reclamam da ausência.

2) Não compreendido pelos religiosos

Não eram somente os familiares de Jesus que o julgavam mal. Os religiosos também pensavam assim, com um julgamento ainda mais severo. Achavam que Ele não apenas estava fora de Si, como também possuído por um espírito maligno: Belzebu. A acusação era grave, por vários motivos, mas, principalmente pelo que eles estavam querendo dizer. Belzebu não era um espírito qualquer. Era o maioral dos demônios, cujo nome significa: “Senhor das moscas”. Ora, eles estavam querendo dizer que as intenções mais profundas de Jesus eram a de promover o mal e de estar onde o pecado estivesse, assim como as moscas estão onde há sujeira.
Muitas vezes Jesus foi acusado por andar com prostitutas, cobradores de impostos (rejeitados pelos judeus) e pecadores (Mt 11:19; Lc 7:37; c 2:15-17). Os acusadores, porém, não entendiam que, assim como um médico precisa estar onde se encontra o doente, Jesus precisava estar onde houvesse um pecador.
Portanto, Ele não era como moscas que procuram lugares sujos, mas como O remédio que cura, sobre as feridas do homem.

3) Permanecendo inabalável

A maneira como Jesus confrontou a atitude dos que O julgavam, revelou a Sua postura. Ele não os destratou de forma a revelar qualquer espírito vingativo. Mas destacou claramente que o problema não estava n'Ele, e que o raciocínio de Seus opositores não era lógico. Como poderia Ele expulsar Satanás pelo espírito de Satanás? Isso era ilógico. Havia incoerência no julgamento dos professores da lei. Jesus identificou a contradição e logo a desmascarou.
Precisamos discernir onde realmente se encontra o problema, quando somos acusados pelo nosso comportamento. Se está em nossas atitudes, às vezes contaminadas por uma dose se fanatismo ou desequilíbrio reais, ou se alguém tem falado motivado por intenções impuras para conosco.
Quando identificamos a raiz do problema, fica mais fácil lidar com ele. A dúvida, o senso de culpa, e a mágoa, não encontrarão campo de expansão em nossa alma.
Precisamos tomar o devido cuidado para não entrarmos em discussões vãs sobre quem está certo ou errado. O mais importante é que se tem a consciência tranqüila diante de Deus, para que os julgamentos dos homens não venham a tirar a nossa paz. (At 24:16)


Conclusão: Recebamos a palavra de consolo por todas as vezes que alguém tenha se levantado contra nós, por não compreender a nossa relação com Deus. Quanto mais próximos de nós, maior a ferida. Saibamos, porém, perdoar os que nos ferem por falta de compreensão do que estamos vivendo. Ainda que outros sejam maldosos, atribuindo-nos intenções erradas e malignas, não nos deixemos intimidar ou desanimar, saindo da nossa posição em Cristo. A nossa luta não é contra o homem, mas contra o inimigo espiritual de nossas almas (Ef 4:26,27; 1 Pe 5:6-9).


Aplicação: Aliste o nome de todas as pessoas da sua família que já se levantaram injustamente contra a sua nova vida em Cristo. Ore por cada nome relacionado, liberando perdão e clamando para que a salvação os alcance da mesma forma como você foi alcançado.


Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!
Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Enfrentando o julgamento dos homens Reviewed by Aldenir Araujo on 8/22/2012 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links não serão aprovados!

All Rights Reserved by Esboços de sermões © 2014 - 2016
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.